PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Covid-19 fez clubes mais ricos perderem mais de 2 bi de euros em receitas

Barcelona é o primeiro clube em perda de receitas durante a pandemia - Alex Caparros - UEFA/UEFA via Getty Images
Barcelona é o primeiro clube em perda de receitas durante a pandemia Imagem: Alex Caparros - UEFA/UEFA via Getty Images

Do UOL, em São Paulo

26/01/2021 18h43

O relatório "Football Money League', elaborado pela consultoria Delloitte, estimou que os maiores clubes do mundo terão perdido mais de 2 bilhões de euros em receitas nas temporadas 2019-2020 e 2020-2021.

A queda se deve, sobretudo, aos impactos sofridos pelo futebol durante a crise causada pela pandemia da covid-19. Fatores como a ausência de torcedores, a diminuição no valor pago pelas transmissões e nos negócios interrompidos fizeram diferença nos balanços financeiros da chamada 'Money League' (Liga do dinheiro, em tradução literal).

Barcelona, Real Madrid, Bayern de Munique, Manchester United e Liverpool estão no topo da 'Money League', a lista das equipes que geram maior receita no futebol mundial segundo a consultoria.

Segundo o estudo, só em 2020, os clubes sofreram um corte de 1,1 milhão de euros. A falta de torcedores nos estádios causou uma queda de 17% nas receitas, e mesmo que a receita comercial tenha se mantido estável, com um leve aumento de 3%, a relacionada às transmissões caiu 23%, o que representa um impacto de 957 milhões de euros nas contas.

No topo da lista, o Barcelona foi apontado como um dos que mais perdeu receitas, diminuindo de 125,7 milhões de euros para 715 milhões. "O clube declarou publicamente que esperava uma receita de 174 milhões de euros se não fosse a pandemia", disse o texto.

Ontem (25), o clube divulgou seu balanço financeiro, com uma dívida a curto prazo que chega a casa dos 730 milhões de euros. Nela, o que mais pesa são as negociações de atletas. Apenas na transação envolvendo o brasileiro Philippe Coutinho, o time ainda tem que pagar 29 milhões de euros para o Liverpool.

O Real Madrid, que apresentou queda de 6%, apesar de somar as mesmas perdas com público e transmissões de jogos, teve um acréscimo comercial importante com a extensão do patrocínio com a Adidas até 2028.

Esporte