PUBLICIDADE
Topo

Fluminense

Mudanças de Marcão dão resultado, mas postura preocupa Flu por Libertadores

Caio Blois

Do UOL, no Rio de Janeiro

17/01/2021 04h00

Classificação e Jogos

Sem convencer, o Fluminense voltou a vencer no Campeonato Brasileiro. Bastante modificada, equipe de Marcão se aproveitou de ter um homem a mais em boa parte do jogo para conseguir uma importante vitória por 1 a 0 sobre o Sport.

Em busca de uma vaga na Libertadores, entretanto, o Tricolor preocupa pela postura: mais uma vez com a vantagem no placar, recuou demais contra um adversário frágil, e sofreu para garantir três pontos.

O mais importante para o Flu na noite de sábado no Nilton Santos, de fato, era o reencontro com a vitória. Depois de uma noite desastrosa no meio de semana em São Paulo, quando foi goleado por 5 a 0 para o Corinthians, recuperar a confiança era essencial para seguir forte na briga por uma vaga na competição continental que o Tricolor não disputa desde 2013.

Mas por pouco o que se desenhava um confronto simples não acabou em mais um resultado frustrante: por pouco o time de Marcão não sofreu o empate do Leão, que atuou com um a menos por quase 60 minutos.

Isso porque, apesar de enfrentar o segundo pior ataque da Série A e o time que menos cria chances na competição, o Flu abdicou mais uma vez de jogar depois de abrir o placar. A equipe, é bem verdade, até criou duas chances perigosas que Michel Araújo e Felippe Cardoso não aproveitaram. Ainda assim, tomou sustos: Dalberto carimbou a trave, e a bola parada do Sport levou perigo à defesa tricolor.

Mesmo com Martinelli no meio de campo, as transições também seguiram muito lentas. Em vez do time compacto de Odair Hellmann — que apesar de todos os defeitos, era melhor na hora de atacar e defender em blocos — , o Flu acabou espaçado: o volante recuava junto aos zagueiros, tentando liberar os laterais. Mas sem infiltração dos pontas e com Michel Araújo um pouco perdido entre os marcadores adversários, a equipe criava muito pouco. No primeiro tempo, nada: apenas uma bicicleta torta de Fred e uma cobrança de falta de Danilo Barcelos.

"Estamos procurando um ritmo mais forte, mais veloz. As equipes são cada vez mais parecidas no Brasil. Para furar bloqueios como o do Sport, precisávamos acelerar o passe, para a nossa bola chegar mais rápido no ataque. É isso que pedimos para os jogadores. Que a posse seja agressiva, não adianta ter uma posse lenta. Tenho certeza que a gente vai encaixar, vamos fazer a equipe jogar mais e chegar mais fácil no Fred, nosso 9, na área", declarou Marcão após o jogo.

Ño confronto, Marcão acertou nas mudanças para a escalação inicial: Martinelli foi muito bem, Lucca fez o gol do jogo e Luiz Henrique, se esteve longe de seus melhores dias, tampouco foi pior do que as últimas atuações de Wellington Silva.

Na zaga, a criticada opção por Matheus Ferraz, entretanto, prejudicou mais o início das jogadas, pela lentidão do experiente jogador, do que na performance defensiva. Ainda assim, Nino vinha em boa sequência ao lado de Luccas Claro, melhor talhado ao lado esquerdo. O risco por não mexer no setor só para dar confiança ao titular na goleada sofrida por 5 a 0 para o Corinthians, porém, foi desnecessário.

"Hoje foi importante demais zerar, não tomar gol. A gente veio de um jogo muito difícil, onde tomamos gols. Era importante ter essa segurança. E o Matheus [Ferraz] foi importante. Eu gosto muito do Nino também e quando tiver a oportunidade ele vai jogar", admitiu Marcão.

O Fluminense se mantém em uma sequência contra adversários da parte de baixo da tabela. Na próxima rodada, o Tricolor enfrenta o Coritiba, no Couto Pereira, na quarta (20), às 20h30. Nas contas tricolores, mais quatro vitórias garantem a classificação à Libertadores. Para isso, faria bem uma mudança de postura, com o resgate da solidez demonstrada com Odair Hellmann.

' data-autoplay='false' data-mute='false' data-related='false' data-btnfollow='false' frameborder='0' allow='autoplay; encrypted-media' allowfullscreen>

Fluminense