PUBLICIDADE
Topo

Fluminense

Flu resgata Odair após início ruim de Marcão e ganha vida por Libertadores

Caio Blois

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

07/01/2021 04h00

Classificação e Jogos

Longe dos maiores investimentos e de ter um dos elencos mais recheados do país, o Fluminense é uma das surpresas do Campeonato Brasileiro. Na briga por vaga na Copa Libertadores, o Tricolor bateu, na noite de ontem (6), o arquirrival Flamengo de virada, em reviravolta que mostrou, dentro do jogo, pequeno resgate do trabalho de Odair Hellmann, deixando ideias de Marcão de lado em busca do resultado.

Na sétima colocação com 43 pontos, o Flu está na zona de classificação para a maior competição de clubes do continente — que não disputa desde 2013.

Isso porque Grêmio e Palmeiras, que decidem a Copa do Brasil, estão à frente do Tricolor e o G-6, por ora, virou G-7. A vitória sobre o Fla, além da rivalidade, dá mais vida ao Tricolor na briga por uma vaga — o que parecia difícil até o intervalo do clássico, com derrota parcial por 1 a 0.

Ainda que a amostragem seja pequena — e com Aílton no comando, já que Marcão testou positivo para Covid-19 —, a mudança de postura da equipe no clássico mostrou que o time é mais competitivo no estilo que disputou todo o ano de 2020, e não com resquícios do Marcão de 2019.

Os quatro jogos sem o técnico que deixou o clube rumo aos Emirados Árabes mostraram um Fluminense com mudanças de características. Em vez do time mais equilibrado e até pragmático de Odair, o Tricolor voltou a trocar muitos passes — principalmente no campo defensivo — sem muita efetividade. Apesar de ter aumentado a posse de bola, a equipe passou a mostrar buracos na defesa, criar menos, agredir pouco e parecer torcer para o relógio em vez de competir contra todas as equipes, como fez em toda a temporada.

A pior demonstração de ineficiência foi justamente na primeira etapa contra o Flamengo, quando o Flu, nas palavras do próprio Aílton, abdicou de jogar. Ainda que o rival tenha méritos, a postura passiva também aconteceu por conta de mudanças táticas no time, com a saída de Nenê e Marcos Paulo, barrados para a entrada de Yuri e Michel Araújo. Lento e sem nenhuma criatividade, o Tricolor não segurava a bola e apostava apenas no pivô de Fred, em bolas esticadas à frente e na bola parada.

"No intervalo, eu conversei com eles e falei de forçar as infiltrações porque a gente precisava jogar. A gente não jogou, a gente abriu mão de jogar, e, com isso, o Flamengo foi bem no primeiro tempo. Fizemos um segundo tempo equilibrado e conseguimos os gols. Futebol se decide nos detalhes. Se a gente se preocupasse com esses detalhes, iria conseguir sair feliz. Graças a Deus, conseguimos porque os detalhes são esses, as falhas. Se você erra muito em um clássico como esse, você está muito perto de perder", declarou Aílton.

E na volta para o segundo tempo, mesmo longe de ser brilhante, o Fluminense pareceu o mesmo time que surpreende no Brasileirão até aqui. Apesar de pouca inspiração, sobrou movimentação, marcação agressiva e uma transição mais rápida, ainda que o auxiliar, que leva sorte contra o rival, não tenha feito mudanças na equipe. O que mudou foi a postura, e o posicionamento de Michel Araújo, mais solto no ataque.

Preso à ponta na primeira etapa, o uruguaio passou a jogar mais por dentro depois do intervalo, como um meia à frente de Yuri, Hudson e com a companhia de Yago em subidas pelo lado esquerdo. Fred recuou um pouco para ajudar a criar e o Flu cresceu. Antes que isso ficasse evidente, entretanto, o pragmatismo deu resultado: Danilo Barcelos cobrou falta com precisão e Luccas Claro fez de cabeça em seu sexto gol na temporada — o segundo sobre o Fla.

Ao estilo Odair de pressão sem bola e objetividade, sem toques repetidos entre zagueiros e volantes, o Flu equilibrou o jogo. Em vez de elogios para trocas de passe inócuas na defesa, como Marcão, coube a Aílton, à beira do campo, gritar e se mexer muito pedindo para o time ser agressivo. Yuri ficou mais preso, e Hudson, baixo do rendimento, se posicionou mais à frente, pressionando a marcação na defesa do Fla.

E foi em uma jogada de pressão sobre a defesa, em movimentação típica do time de Hellmann, que o Fluminense chegou ao gol da virada, nos acréscimos. Em vez de manter uma posse que não se refletia em agressividade, o Tricolor foi mais objetivo e recuperou a bola no campo de ataque para chegar à vitória.

Herói, Yago marcou o gol da virada do Fluminense sobre o Flamengo nos acréscimos - Mailson Santana/Fluminense FC - Mailson Santana/Fluminense FC
Herói, Yago marcou o gol da virada do Fluminense sobre o Flamengo nos acréscimos
Imagem: Mailson Santana/Fluminense FC

Um dos poucos destaques individuais do time, Yago chegou antes de Arão em bola mal recuada por Filipe Luís, deslocou Hugo e fez o Tricolor vencer o primeiro Fla-Flu pelo Brasileirão desde 2016. Se bateu na trave para vencer o embalado Rubro-Negro com força máxima no Carioca, o time das Laranjeiras, enfim, teve êxito — muito também pelo nervosismo e falta de confiança do rival.

"O Yago é um meia, não é volante, e o Hudson tem essa saída. Os dois fazem bem essa infiltração. O que a gente mais queria era que os extremos infiltrassem mais. No segundo tempo aconteceu. O time não estava tão fechado, quem fez o gol foi o Yago, aos 48 do segundo tempo. Não são volantes fixos, a não ser o Yuri, que prendemos mais. Chamo de meias de saída. Trabalhamos muito essas jogadas, e tenho certeza que vamos ver nos próximos jogos cada vez mais infiltrações", disse o interino.

Fluminense