PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Com arbitragem polêmica, Santos e Boca apenas empatam em La Bombonera

Luan Peres disputa bola com Carlos Tevez durante Boca Juniors x Santos pela Libertadores - Marcelo Endelli/Getty Images
Luan Peres disputa bola com Carlos Tevez durante Boca Juniors x Santos pela Libertadores Imagem: Marcelo Endelli/Getty Images

Gabriela Brino

Colaboração para UOL, em Santos

06/01/2021 21h12

Boca Juniors e Santos apenas empataram em 0 a 0 na Argentina, em La Bombonera, Buenos Aires, nesta noite, pelo primeiro jogo de ida das semifinais da Copa Libertadores da América. Apesar de um resultado simples, dentro de campo não foi bem assim. A atuação da arbitragem gerou polêmica no final da segunda etapa em um lance que poderia ter resultado em pênalti para o Santos. Marinho caiu na área, pediu falta e o VAR foi acionado, mas o árbitro Roberto Tobar sequer foi verificar o vídeo.

No geral, o Peixe pouco sentiu o peso da decisão. Tanto é que terminou a partida com 63% da posse de bola. Conseguiu impor muito de seu futebol no estádio argentino, mas não caprichou na finalização. Os argentinos tiveram uma defesa sólida, mas pouco criaram. Ainda assim, deram espaços para os brasileiros, que tiveram a chance de repetir o triunfo palmeirense sobre o River Plate da véspera, também pela semifinal continental.

O segundo jogo entre Boca e Santos vai ser disputado no dia 13, na Vila Belmiro, pela volta das semifinais.

Polêmica na Bombonera

O atacante Marinho avançou para o ataque na reta final do segundo tempo e caiu na grande área após uma disputa com o zagueiro Carlos Izquierdoz. Ele pediu pênalti após ter sofrido um empurrão. A revisão de vídeo, com o VAR, até foi acionada, mas a marcação do chileno Roberto Tobar prevaleceu, sem que ele ao menos fosse chamado para verificar o lance. Os jogadores santistas pouco reclamaram, é verdade, então o jogo seguiu normalmente.

"Eu fui tocado dentro da área. Não sei porque árbitro não foi olhar o vídeo", afirmou Marinho. "Poderíamos ter vencido, mas jogar contra o Boca é muito difícil. Fizemos grande jogo, queríamos a vitória, mas o empate é bom resultado e temos que fazer um grande jogo em casa."

Boca Agressivo

Mal deu tempo de o relógio completar dez minutos, Villa já havia acertado o travessão de John. Um susto que poderia ter mudado o rumo da partida. Desatento, o Peixe voltou a dar espaço ao colombiano. Novamente pelo lado direito do Peixe, ele chegou com perigo e chutou, mas Lucas Veríssimo apareceu com um corte providencial.

O clima amenizou e a partida ficou um pouco burocrática. Marinho foi muito bem marcado e teve dificuldade para jogar. Sofreu algumas faltas, como de costume, e pouco apareceu. Diferentemente de Soteldo, que fez o meio-campo e também participou com frequência no ataque. Praticamente tudo passava pelos pés do pequeno atacante.

De graça

Mais um susto para o Santos, que apesar de ter conseguido se impor, viu Felipe Jonatan inseguro em parte da decisão. O lateral perdeu a bola e por muito pouco não deu presente ao Boca, que se viu de frente para o gol para abrir o placar. Luan Peres agiu rápido e deu chutão.

Uma agradável surpresa no Peixe foi Alison. Além de ter errado pouco, conseguiu recuperar algumas bolas e marcou forte, sem chances para os argentinos. Marinho foi praticamente anulado, mas nas poucas vezes que teve a oportunidade tentou bater no gol. John não sentiu a decisão e jogou leve e tranquilo. Não sofreu.

Ponto positivo para o Peixe, que terminou o primeiro tempo com dois chutes a gol, enquanto os argentinos com nenhum. Time de Cuca também teve mais de 60% de posse de bola, jogou sem medo.

Intervalo no campo

Cuca optou por não descer para o vestiário no intervalo. Ficou no banco de reservas e auxiliou a equipe por ali mesmo. A última vez que isso ocorreu foi na Libertadores de 2018, em que o Peixe foi eliminado para o Independiente.

Melhor chance do Santos

Marinho desperdiçou a melhor chance do Santos na partida. Na segunda etapa, o atacante recebeu boa bola de Lucas Braga em um cruzamento, ficou no mano a mano com o goleiro, mas bateu fraco. Na sequência, Kaio Jorge bate de longe, mas bola vai para fora.

À essa altura Santos já estava bem superior ao Boca, que tinha dificuldades para propor jogo. Apesar de ter uma defesa sólida, dava muitos espaços para os brasileiros no ataque.

BOCA JUNIORS 0 X 0 SANTOS

Data: 6 de janeiro de 2020 (quarta-feira)
Horário: 19h15 (de Brasília)
Local: La Bombonera, em Buenos Aires (ARG)
Árbitro: Roberto Tobar (CHI)
Assistentes: Claudio Urrutia e Alejandro Molina (CHI)
VAR: Juan Benítez (PAR)

Gols: -
Cartões Amarelos: Villa (Boca)

BOCA JUNIORS: Esteban Andrada; Leonardo Jara, Lisandro López, Carlos Izquierdoz e Frank Fabra; Nicolás Capaldo, Diego González (Cardona), Sebastián Villa e Eduardo Salvio (Buffarini) ; Carlos Tevez e Franco Soldano (Ábila).
Técnico: Miguel Russo

SANTOS: John, Pará, Lucas Veríssimo (Laercio), Luan Peres e Felipe Jonatan; Alison, Diego Pituca e Soteldo (Sandry) ; Marinho, Lucas Braga e Kaio Jorge (Madson)
Técnico: Cuca

Futebol