PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Ano novo começa sem Copinha, e times do grande ao pequeno sentem impacto

Taça da Copa São Paulo 2020 exposta no gramado do estádio do Pacaembu antes da final entre Inter e Grêmio - Divulgação/Internacional
Taça da Copa São Paulo 2020 exposta no gramado do estádio do Pacaembu antes da final entre Inter e Grêmio Imagem: Divulgação/Internacional

Gabriel Carneiro

Do UOL, em São Paulo

04/01/2021 04h00

Tradição de todo começo de ano desde que foi lançada há mais de 50 anos, a Copa São Paulo de Futebol Júnior não resistiu à pandemia do novo coronavírus e foi suspensa em 2021. A Federação Paulista de Futebol (FPF), responsável pela organização do maior torneio de categorias de base do Brasil, argumenta que o mais rigoroso protocolo de saúde não seria suficiente para garantir a segurança das pessoas envolvidas - sendo mais de três mil jovens jogadores.

Autoridades médicas, Governo, Prefeituras de várias cidades e até mesmo alguns clubes foram ouvidos pela entidade, mas a maioria considera o risco alto por causa do formato do torneio de tiro curto, com jogos da primeira fase a cada dois dias. Nem a testagem frequente evitaria a ameaça de o torneio se tornar uma "bomba de contágio", segundo ouviu o UOL Esporte.

Decisão tomada, e agora?

Clubes, Federações e atletas que têm a competição como grande vitrine se dividem entre a lamentação e a compreensão. A decisão da FPF repercutiu fortemente em outros Estados. Na região Norte, por exemplo, foi cancelada a Copa Rondônia sub-20, que reuniria em dezembro seis clubes na briga por uma vaga na Copinha. Uma série de jovens jogadores simplesmente perdeu as perspectivas.

O Real Ariquemes foi um dos afetados. Josiel Silva, porta-voz do clube, conta que o planejamento para as competições acontecia desde antes da pandemia, com peneiras para compor o elenco e manutenção de profissionais e estrutura na base: "Alguns jogadores teriam a única oportunidade de participar, e isso foi por terra. Em Rondônia, o jogador sub-20 tem só essa chance de fazer a transição para o profissional. Depois, se não sobem, eles desistem e vão trabalhar com outra coisa para ajudar as famílias."

Real Ariquemes - Josiel Silva/Divulgação - Josiel Silva/Divulgação
Elenco sub-20 do Real Ariquemes, de Rondônia, teve três competições canceladas em 2020
Imagem: Josiel Silva/Divulgação

Apesar das óbvias dificuldades, o clube manteve o elenco porque acredita na realização de alguma competição sub-20 no primeiro semestre de 2021 por causa da vaga na Copa do Brasil da categoria. Silva também menciona a possibilidade de vacinação em massa da população ainda neste ano, o que permitiria a realização da Copa São Paulo em outro mês.

O Ministério da Saúde pretende dar início ao processo de vacinação contra a Covid-19 no Brasil entre o fim de janeiro e início de fevereiro. Mais de 50 países já estão vacinando suas populações. Aqui, há problemas até na compra de seringas.

Para Erasmo Damiani, gerente geral da base do Internacional, a ideia de acontecer uma edição da Copinha em 2021, mesmo deslocada para o segundo semestre depois de uma suposta vacinação, é utópica: "Nosso país não se preparou para a vacinação. Vamos sofrer bastante ainda."

Essa falta de perspectivas não é dura somente para os clubes de orçamento apertado e meninos em condições financeiras ruins. Até o próprio Inter, atual campeão do torneio e de alto investimento na base, lamenta que em 2021 não terá a vitrine que levou ao elenco profissional dois atuais titulares, Praxedes e Caio Vidal.

Praxedes - Ricardo Duarte/Inter - Ricardo Duarte/Inter
Praxedes disputa jogada em partida do Inter contra o Palmeiras, pela 26ª rodada do Brasileirão
Imagem: Ricardo Duarte/Inter

"Além de ser menos uma competição, é quando nós observamos e captamos jogadores de clubes menores, interagimos com observadores internacionais e observamos os jogadores do próprio elenco. Hoje jogam com frequência no time de cima três campeões da Copa São Paulo, por exemplo. Então é uma perda grande em todos os sentidos, porque você se prepara para o ano todo, mas tem janeiro como ponto principal pelo glamour e visibilidade da competição", diz Damiani.

Apesar da queixa, o profissional do Internacional entende que a Copinha 2021 é, mesmo, irrealizável.

Como fazer testagem com jogos a cada dois dias? E o atleta que pegou Covid, ele fica no hotel na cidade-sede ou acompanha a delegação? Em algumas cidades ficam três clubes no mesmo hotel, como seria feito esse controle de distanciamento e aglomeração? E as passagens aéreas de 128 delegações com a malha aérea tão reduzida? Se há um surto, chamam atletas de fora, não inscritos? E como testá-los? E quem pagaria os testes? Com nove jogos até a final daria quase R$ 100 mil de gasto. Quem arca? E os novos prefeitos que assumem em 2021, vão aceitar o protocolo? Há muito mais pontos negativos do que positivos, infelizmente."

No Maranhão, Estado brasileiro que tem a maior concentração de pessoas em condições extremas de pobreza, o DFG/Iape tinha garantido vaga na Copa São Paulo com o título da Copa Maranhão sub-19 em outubro.

Iape - Divulgação - Divulgação
Jogadores do DFG/Iape em ação no Campeonato Maranhense sub-20, que começou em 17/12
Imagem: Divulgação

"Seria o primeiro ano que o time disputaria a Copa São Paulo. Vencemos a competição local e, por mais que já esperássemos alguma notícia ruim, é sempre pior quando precisamos falar para os jogadores. Tem muitos que moram em palafitas, não têm pai e mãe, passam fome ou não têm auxílio e condição. É um baque quando eles percebem que não vão realizar esse sonho", diz Felipe Loiola, sócio-diretor do DFG/Iape.

O dirigente do time maranhense fala em "falta de sensibilidade" da FPF e cita o investimento sem retorno feito em 2020, pois a Copinha promove aproximação com outros clubes e empresários. Segundo ele, a entidade podia ter deixado aberta a chance de realização do torneio em data posterior ou anunciado uma reunião futura para tratar do assunto: "Desse jeito ficamos desamparados, sem calendário."

Outras pessoas ouvidas pelo UOL Esporte atentam para o fato de que a palavra usada no comunicado da FPF foi "suspensão" e não "cancelamento" da Copinha. A entidade também mostrou entendimento desse lado humano da decisão: "Esta medida nos provoca imensa dor, sobretudo pelos sonhos dos jovens atletas que veem na Copinha a primeira grande oportunidade para se mostrar ao mundo do futebol (...) Nos resta a certeza da compreensão desta decisão, que coloca em primeiro lugar a saúde e os cuidados de segurança e isolamento."

Nos bastidores, a FPF entende que só com vacinação será possível realizar a Copinha. Publicamente, a única decisão divulgada sobre o futuro é de permitir na próxima edição a inscrição de jogadores nascidos no ano de 2001.

Esporte