PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

RMP: "Não acho que o Palmeiras seja mais favorito contra o América-MG"

Do UOL, em São Paulo

24/12/2020 04h00

O Palmeiras entrou no confronto com o América-MG com o favoritismo ao enfrentar um time que disputa a Série B do nacional, mas ficou no empate em 1 a 1 com a equipe comandada por Lisca no Allianz Parque e terá que vencer na próxima quarta-feira em Belo Horizonte para ir à final e desbancar o time que foi algoz de Corinthians e Internacional na edição atual da Copa do Brasil.

No Fim de Papo, live pós-rodada do UOL Esporte — com os jornalistas Vinicius Mesquita, Alicia Klein e José Trajano —, Renato Maurício Prado analisa a situação do Palmeiras no confronto e considera que as chances ficaram iguais para a segunda partida, sem o favoritismo para o time comandado por Abel Ferreira.

"Então essa Copa do Brasil está começando a virar um estorvo, um problema para o Palmeiras, porque vai ter que jogar o segundo jogo lá, e não acho que ele seja favorito mais. Hoje eu achava ele muito favorito, mas lá no Independência, não sei não, esse time do Lisca está muito bem montadinho, o trabalho do Lisca esse ano é espetacular, o time está ajeitadinho", afirma Renato.

"Ele fez um gol numa lambança do Emerson, é verdade, mas com um minuto de jogo ele fez uma jogada diabólica e só não marcou porque o Weverton fez uma grande defesa no canto, quase que o Ademir faz um gol com 1 minuto, esse time é um time muito ajeitadinho, o Palmeiras pode passar, claro que pode passar, jogador o Palmeiras é 100 vezes melhor, mas o time do América-MG, para mim, está mais bem montado do que o Palmeiras do português. E esse jogo lá para mim, olha, vai ser complicado, para mim é 50% a 50%, pode ser qualquer coisa", completa.

O jornalista afirma que, mesmo tendo a posse de bola e pressionando no campo de ataque, o Palmeiras não conseguiu criar tantas chances claras de gol e critica as escolhas do técnico Abel Ferreira para iniciar o jogo, com Gustavo Scarpa na lateral esquerda e Emerson Santos formando a dupla de zagueiros com Gustavo Gómez.

"Nosso Abel português foi meio professor pardal, porque resolveu tirar o Viña, meteu o Gustavo Scarpa na lateral esquerda, no final botou o Viña. Ou seja, poupou mas não poupou. Botou esse Emerson Santos, que fez essa tremenda lambança. Hoje era um jogo, até por causa da Libertadores, para o Palmeiras fazer praticamente o resultado, meter uns 3 a 0 e jogar lá no jogo de volta até poupando gente, porque daqui a pouco o Palmeiras vai ter ninguém menos do que o River Plate?, diz Renato.

"Não foi aquele bombardeio, bola na trave, teve pressão e posse de bola, mas o Palmeiras não encontrou as soluções para fazer o gol, só foi achar aquele gol no famoso Cucabol de antigamente, quando o Cuca dirigiu o Palmeiras o Cucabol era isso, lateral e cabeçada dentro da área. Não sei não, acho que para o Palmeiras a coisa ficou complicada", conclui.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol