PUBLICIDADE
Topo

Fluminense

Marcão 'patina' em início no Fluminense e diretoria vê pressão ganhar corpo

Marcão, técnico do Fluminense - Mailson Santana / Fluminense FC
Marcão, técnico do Fluminense Imagem: Mailson Santana / Fluminense FC

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

18/12/2020 04h00

O desempenho de Marcão no começo do trabalho à frente do Fluminense levou às Laranjeiras uma pressão que, outrora, parecia distante. Com um ponto em duas partidas, contra times que estão em posições inferiores na tabela do Campeonato Brasileiro, o Tricolor teve uma pequena queda na tabela e críticas à diretoria ganharam corpo nesta reta final do ano.

O treinador, que estava no comando da equipe sub-23, foi efetivado após a saída de Odair Hellmann — que deixou o clube rumo ao Al-Wasl, dos Emirados Árabes —, e assumiu com a missão de manter o Flu na briga por vaga no G-4 e, consequentemente, na Copa Libertadores de 2021.

Apesar de serem fora de casa, os resultados contra Vasco e Atlético-GO, porém, não foram os esperados. Contra o Cruz-Maltino, que briga contra o rebaixamento, o Tricolor saiu na frente e sofreu o empate no fim. Diante do Dragão, uma atuação ruim e derrota por 2 a 1.

Neste cenário, parte da torcida já começou a colocar em xeque o futuro do time e a luta para estar na competição sul-americana na próxima temporada.

Ano passado, quando também foi "bombeiro", Marcão assumiu após saídas de Fernando Diniz e de Oswaldo de Oliveira e foi até o fim do Brasileiro, livrando o Flu da queda à Série B. À época, contando com o jogo que ocorreu imediatamente após a demissão de Oswaldo, foram 17 partidas — sete vitórias, seis empates e quatro derrotas. O primeiro revés, inclusive, veio apenas no quinto jogo, após três vitórias e um empate. Início de caminhada diferente do atual.

Vale ressaltar, por outro lado, que, há pouco tempo, a equipe das Laranjeiras era apontada como a grande surpresa do Brasileiro, ao conseguir boa campanha com um elenco que não constava entre os favoritos. Agora, com um espaço no calendário — Fluminense só volta a campo no dia 26, contra o São Paulo — Marcão tenta fazer a equipe encaixar novamente e voltar à boa fase no Brasileiro.

Vice "alfineta" presidente

Os últimos resultados do Fluminense fizeram com que Celso Barros, vice-presidente geral, fosse às redes sociais contestar o treinador e alfinetar o presidente Mario Bittencourt, com quem rompeu laços.

Afastado há mais de um ano do dia a dia do clube, Celso afirmou que o futebol do Tricolor "continua a mesma mesmice" e que "só os amigos do Rei são escolhidos", em referência ao mandatário.

Barros foi eleito vice-presidente pela chapa de Mario Bittencourt, no ano passado. Além da vice-presidência geral, ele também esteve à frente do departamento de futebol. Porém, em novembro do ano passado, acabou isolado da função após algumas polêmicas.

Fluminense