PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Corinthians anula o São Paulo, vence o clássico e embola o Brasileirão

Do UOL, em São Paulo

13/12/2020 20h14

O Corinthians anulou o São Paulo e venceu o clássico Majestoso por 1 a 0, hoje (13), na Neo Química Arena, em partida válida pela 25ª rodada do Brasileirão 2020. Apesar da liderança do rival, o Alvinegro teve uma atuação acima do que vem apresentando no campeonato e foi pouco ameaçado.

Otero abriu o placar para o Corinthians aos 24 minutos da primeira etapa, em uma das muitas jogadas de contra-ataque criadas pelo time de Vagner Mancini na partida.

Com o resultado, os donos da casa sobem para a nona colocação, com 33 pontos em 25 jogos, e acumulam uma sequência de quatro partidas sem perder. Já o São Paulo, apesar da derrota, mantém a liderança do Brasileirão com 50 pontos. Mas o resultado deu uma embolada no campeonato, já que a vantagem para o Atlético-MG caiu para quatro pontos, e para o Flamengo, que tem um jogo a menos, para cinco pontos.

O próximo compromisso do Corinthians será contra o Goiás, somente na segunda-feira da semana que vem (21), às 20h (de Brasília), novamente na Neo Química Arena, pela 26ª rodada do Brasileirão. O São Paulo, por sua vez, joga já na quarta (16), quando terá pela frente ninguém menos que o vice-líder Galo, às 21h30 (de Brasília), no Morumbi.

O melhor: Cazares tem tarde impecável na criação

O meia equatoriano protagonizou a maior parte das muitas chances de gol criadas pelo Corinthians, o que poderia ter resultado num placar mais elástico para o Alvinegro caso seus companheiros tivessem tido um melhor aproveitamento nas finalizações. O amigo e autor do gol, Otero, também fez uma ótima partida.

O pior: Bruno Alves esteve abaixo de seu nível

O zagueiro foi mal na cobertura e esteve longe do nível com que tem se apresentado nos últimos meses. Foi substituído por Tchê Tchê ainda no intervalo.

Atuação do Corinthians

Com uma postura tática muito próxima da que resultou em muitos títulos na última década, e que de alguma havia se perdido nos últimos 12 meses, o Corinthians soube ser mais efetivo que o rival na primeira etapa mesmo com apenas um terço da posse de bola. As duas melhores chances de gol criadas nesse período foram alvinegras, ambas construídas em jogadas de contragolpe.

Embora tenha tido menos espaços para esse tipo de jogada na etapa final, o Corinthians se manteve pragmático e equilibrado em campo, sofrendo pouco. Entretanto, por ter sido tão superior em campo, o baixo aproveitamento do Alvinegro nas finalizações é algo a ser trabalho por Mancini para os próximos jogos.

Atuação do São Paulo

Sem a mesma desenvoltura demonstrada nas quatro vitórias seguidas anteriores ao clássico, o Tricolor, como tem sido rotina, conseguiu ter mais posse de bola que o adversário. Entretanto, isso significou muito pouco, já que o rival soube ser mais efetivo explorando bem os espaços deixados para contra-ataques. Uma prova disso é que na primeira etapa aconteceram quatro chutes a gol do Corinthians, contra dois do São Paulo.

Na volta do intervalo, o São Paulo mudou duas peças e sua postura em campo. Mais reativo, o Tricolor cedeu um pouco do controle da posse ao adversário, numa tentativa de "espelhar" a estratégia executada pelo rival na primeira etapa, passando a criar algumas chances nos contragolpes. Ainda assim, faltou velocidade nas trocas de passes.

O melhor momento da equipe em campo foi nos 15 minutos finais, quando pressionou bastante o rival, com boa participação de Hernanes, e teve algumas chances de igualar o marcador.

Cronologia do jogo

Aos 8 minutos do primeiro tempo, após um rápido e bem armado contra-ataque iniciado por Ramiro, Fagner achou Cazares, que serviu Leo Natel livre. O atacante finalizou rasteiro, mas o chute do corintiano foi bem defendido por Volpi. Oportunidade clara perdida pelo Corinthians.

Ainda que o São Paulo tivesse muito mais posse de bola na primeira metade da etapa inicial, o Corinthians foi mais efetivo. Dessa forma, novamente em um contra-ataque fulminante, Cantillo lançou Otero ainda antes da linha do meio-campo. O venezuelano carregou a bola em velocidade e, em um chute rasteiro e cruzado, contou com a ajuda da trave para abrir o placar em Itaquera aos 24 minutos.

Aos 40 minutos, Cantillo, que vinha bem no jogo, sentiu a virilha e teve que ser substituído por Camacho. A bruxa, porém, estava solta para os dois lados. Três minutos depois, foi a vez do são-paulino Luciano sentir um incômodo na mesma região e deixar o campo para dar lugar a Pablo.

A primeira grande chance após o intervalo foi criada pelo Corinthians aos 13 minutos, após um erro de passe do Tricolor próximo ao meio-campo. Cazares então serviu Ramiro com precisão, mas o meia finalizou prensado para fora.

Aos 20, foi a vez do São Paulo se aproximar do empate em uma falta cobrada por Reinaldo. O chute desviou em Fagner na barreira e obrigou Cássio a executar uma difícil defesa, espalmando a bola para a linha de fundo.

O Corinthians voltou a ter uma chance claríssima de gol aos 30 minutos. Ao tentar sair jogando, Volpi foi desarmado por Cazares, que rolou para Camacho, mas o volante adiantou muito a bola e, pressionado, acabou finalizando para fora sem goleiro.

De cabeça, Arbodela quase conseguiu empatar o clássico para o São Paulo em um jogada de escanteio aos 43 minutos.

FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS 1 x 0 SÃO PAULO

Data: 13 de dezembro de 2020, domingo
Horário: 18h15 (de Brasília)
Local: Neo Química Arena, em São Paulo-SP
Árbitro: Raphael Claus - SP (Fifa)
Assistentes: Danilo Ricardo Simon Manis (Fifa) e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa, ambos de SP
VAR: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral - SP
Cartões amarelos: Daniel Alves (São Paulo)

GOLS: Otero (Corinthians), aos 24 minutos do 1º tempo.

Corinthians: Cássio; Fagner, Bruno Méndez, Gil e Fábio Santos; Gabriel, Cantillo (Camacho), Ramiro (Mateus Vital), Otero (Lucas Piton) e Cazares (Luan); Leo Natel (Gustavo Mosquito). Técnico: Vagner Mancini

São Paulo: Tiago Volpi; Juanfran (Igor Vinícius), Arboleda, Bruno Alves (Tchê Tchê) e Reinaldo; Luan, Daniel Alves, Gabriel Sara e Igor Gomes (Hernanes); Luciano (Pablo) e Brenner (Vitor Bueno). Técnico: Fernando Diniz

Futebol