PUBLICIDADE
Topo

Cruzeiro

Ex-dirigente 'abre fogo' contra presidente e aprofunda crise no Cruzeiro

Sérgio Rodrigues e Léo Portela deixam clima amistoso de lado e trocam farpas pela imprensa - Reprodução
Sérgio Rodrigues e Léo Portela deixam clima amistoso de lado e trocam farpas pela imprensa Imagem: Reprodução

Guilherme Piu

Do UOL, em Belo Horizonte

03/12/2020 04h00

Classificação e Jogos

Crise política, financeira, institucional e no departamento de futebol, os bastidores do Cruzeiro ganham a cada dia novos capítulos de uma novela que parece não ter fim. Depois de problemas envolvendo o trabalho do Conselho Deliberativo, eleição de candidato que foi base de apoio de ex-cartola, hoje réu na Justiça por crimes administrativos, a Raposa coleciona polêmicas. A briga da vez tem agora uma guerra aberta entre o ex-superintendente e deputado estadual Léo Portela (PL) e o presidente Sérgio Santos Rodrigues.

Portela deixou cargo de confiança na atual diretoria em outubro deste ano com pouco mais de cem dias de exercício na função de chefe na superintendência de relações institucionais e governamentais do clube. Desde que entregou sua sala na sede administrativa da Raposa, o parlamentar assumiu seu lugar na arquibancada e abriu fogo, principalmente, contra o atual presidente, com quem chegou a fazer roda de violão e participou de churrasco recentemente.

A polêmica da vez surgiu após denúncia do próprio Léo Portela em um canal de torcedores no YouTube (Somos Gigantes). O ex-dirigente garante ter provas de "desvio pesado" de materiais esportivos da Toca II. De acordo com o parlamentar, o atual responsável por gerir o centro de treinamento celeste faz vistas grossas para as práticas irregulares.

"Nós enxergamos claramente e com toda a materialidade possível um esquema pesado de desvio, de roubo, de material esportivo e chegava até a responsabilidade de Benecy [Queiroz, gestor da Toca II]. No mínimo, haveria a chamada 'culpa in vigilando', que é a culpa do Benecy por ele não ter vigiado da maneira correta algo que estava sob sua responsabilidade", disse Portela ao site Somos Gigantes.

Léo Portela acusa funcionários do Cruzeiro de desviarem material esportivo e disse que descobriu evidências fortes desses desvios. E que suas buscas por essas informações foram interrompidas por desejo de "quem comanda atualmente o clube".

"Isso é algo de conhecimento de toda a diretoria. O presidente sabia, o vice-presidente administrativo sabia. As pessoas responsáveis de cada área sabiam e acompanharam isso ativamente comigo. Não tenho a intenção de expor os documentos, a não ser em caso judicial. Expor pessoas que estavam sendo investigadas, talvez agindo sob uma força maior, eu não acho justo. Caso alguém queira comprovar isso, ou queira questionar a minha palavra, pode me chamar judicialmente para que eu comprove", disse também.

As declarações caíram como mais uma bomba na atual administração, já que os torcedores um dia antes ameaçaram boicote aos produtos oficiais — programas de sócios-torcedores e outras ações que garantem receitas ao Cruzeiro — por causa da eleição de Nagib Geraldo Simões à presidência do Conselho.

"Mesmo não estando aqui, se ele tem essas provas robustas, porque eu não tenho, na minha mão não está, ele tem a obrigação de ir até a Polícia Civil e pedir para instaurar um inquérito com essas provas. Falar é muito fácil, já parece que vai tomar processo, parece que já tomou alguns outros. Eu não posso é prejulgar. Repito: investigamos sim, procuramos saber, vimos falhas de sistema, por exemplo, a câmera do almoxarifado estava desligada. Ligamos a câmera, temos mecanismos para essas coisas não aconteceram. Mas isso é de junho, julho. Por que não foi falado antes?", criticou Sérgio Rodrigues, também em entrevista à 98 FM.

Portela começou a ganhar notoriedade em assuntos relacionados ao Cruzeiro quando levou o clube para seus pronunciamentos no Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) no ano passado. Na ocasião, o deputado era crítico ferrenho da diretoria da época e chegou a chamar o então presidente Wagner Pires de Sá de "criminoso".

Por essa polêmica que garante ter provas — desvios de materiais esportivos —, o deputado também irritou Benecy Queiroz, funcionário de décadas no Cruzeiro. "Sobre esse assunto, procure o departamento jurídico do clube", se limitou a dizer ao UOL Esporte.

No entanto, em entrevista ao GE, o próprio Benecy Queiroz afirmou que acionará Portela na esfera criminal e o chamou de "vagabundo".

Denúncia sem provas

Sérgio Santos Rodrigues disse que Léo Portela fez uma denúncia sem total confirmação do ato que ele julga ter comprovações "pesadas de desvio".

"Quando a gente chegou aqui, em 1º de junho, houve uma denúncia. Todo dia chega uma denúncia. Desvia isso, ganha dinheiro nisso (...) Nós criamos ouvidoria para isso, compliance, e a gente vai fundo nisso. Eu falei: 'Léo, que denúncia é essa?'. 'Ah, tem um cara aqui que compra material de funcionário do Cruzeiro'. Vamos fazer um contraponto sem saber quem era. Todos os funcionários do Cruzeiro ganham material. Ele pode vender o material dele. São cotas dadas à diretoria. Se você sair aqui e vender o seu, é problema seu. Está vendendo o que lhe é de direito. Se for só isso, é muito fraco. Acho que você tem que buscar, ir à polícia, ver se alguém depõe, grava um vídeo dele comprando. Ele tinha simplesmente um cara que falou que comprava, com um print que supostamente um funcionário do Cruzeiro estaria oferecendo. Não tinha prova nenhuma", afirmou o presidente.

Mídia com nome do Cruzeiro

Sérgio Rodrigues também disparou críticas contra Portela e disse que o deputado quer "mídia com o Cruzeiro".

'Léo, você está comemorando que barrou o estatuto, por que você não me mandou a suas sugestões para o estatuto no momento em que estava aqui? Por que você não me procurou e falou: 'Sérgio, não vamos fazer esse movimento para não ter essa eleição agora'. Ele simplesmente ajuizou uma ação. Tem gente que quer resolver os problemas do Cruzeiro e tem gente que quer mídia com o Cruzeiro. Estou aqui para resolver os problemas do Cruzeiro", insinuou contra o ex-dirigente.

Nota oficial

O Cruzeiro Esporte Clube, através de sua diretoria executiva, confirma que, no mês de junho, recebeu uma denúncia sobre um suposto esquema de desvio e venda de materiais esportivos partindo de dentro do Clube. Então, foi instaurada uma investigação interna, que durou até o mês de julho, para averiguação. A investigação contou com a colaboração do Sr. Léo Portela, ex-Superintendente de Relações Institucionais, que foi o responsável por levar a denúncia à diretoria.

No entanto, após todas as análises feitas, não foram encontradas provas robustas que comprovassem tal prática.

Mesmo sem provas que atestassem irregularidades, a diretoria tomou medidas internas para aprimorar a segurança e o fluxo de solicitação, liberação e utilização de materiais esportivos para todos os departamentos.

O Clube, inclusive, é parte interessada na divulgação de provas por parte do Sr. Léo Portela, já que, como associado, ele tem o direito e o dever de levar aos órgãos competentes os documentos que ele acredita configurarem práticas irregulares e/ou criminosas, que lesem a instituição.

O Cruzeiro também reitera que a saída do Sr. Milton Matos, que serviu o Clube por muitos anos com muito profissionalismo e dedicação no departamento de segurança, se deu apenas por um final de ciclo profissional, não tendo absolutamente qualquer relação com a situação relatada pelo Sr. Léo Portela. Tanto que o ex-colaborador Milton Matos ainda mantém contato cordial com diversos profissionais do Clube, inclusive da diretoria, no dia a dia.

Cruzeiro