PUBLICIDADE
Topo

Cruzeiro

Cruzeiro: "Fala, Zezé" faz um ano e Perrella conta bastidores de áudio

Guilherme Piu e Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte e São Paulo

29/11/2020 04h00

O Cruzeiro tem apenas 1% de chance de voltar à Série A em 2021 nas contas do Departamento de Matemática da UFMG. Entre os vários episódios que marcaram a queda da Raposa para a Série B no ano passado, um é muito lembrado, especialmente por torcedores rivais dos cruzeirenses: o "Fala, Zezé", que completa um ano de vazamento hoje.

Em 28 de novembro do ano passado o Cruzeiro perdeu por 1 a 0 para o CSA, no Mineirão, em jogo da 35ª rodada do Brasileirão. Naquele jogo, o meia Thiago Neves desperdiçou um pênalti e fazia ali sua última partida com a camisa celeste. Um dos motivos da ruptura entre o clube e um jogador que tinha status de ídolo foi o áudio de uma conversa com o então gestor de futebol cruzeirense, Zezé Perrella.

Nele, Neves cobrava o pagamento de salários atrasados e chegou a citar uma expressão que até hoje é lembrada pelos torcedores: "Se a gente não ganhar do CSA, pelo amor de Deus".

O meme até hoje repercute. Ao UOL Esporte, Zezé contou os bastidores da conversa (que vazou no Whatsapp em 29 de novembro de 2019):

"Eu cheguei ao Cruzeiro e tinha três meses de salários atrasados. Paguei dois meses e mais 40% do outro mês. Ficou faltando 60%, por isso aquele áudio. Ele mandou uma mensagem para mim falando aquilo que está na música que todo mundo conhece: 'ô Zezé você podia pagar os 60% que está faltando, aí não precisa nem dar bicho para ganhar do CSA'", conta Perrela.

"Ele [fez isso] para mostrar para os jogadores que estava cobrando, para dar uma de liderzinho. Aí algum jogador vazou o áudio. Eu nem respondi ao áudio dele. E aquilo também não me ofendeu. Realmente o Cruzeiro devia a eles [jogadores], era direito dele de cobrar", diz o ex-dirigente.

Perrella comentou também que o fato do áudio em si não foi a válvula motriz para a discussão entre os dois. Que o fato de o meia ter ido a uma festa que gerou o maior desconforto entre as partes.

"O fato dele ter cobrado não arranhou em nada a minha situação com ele. O que eu fiquei bravo foi que ele estava suspenso, não podia jogar, vai pro Mineirão, tem vídeo dele em festa, aí fiquei bravo. Nada a ver com a cobrança, é a postura dele de não ter compromisso com nada, em um momento daquele. O jogador não pode se expor assim, ele era até o momento o nosso principal nome. O Cruzeiro brigando para cair e o cara em festa? Eu levo na gozação, não estou nem ai, não. Isso viralizou no Brasil inteiro, isso atrapalhou ele, não a mim", finalizou.

Cruzeiro