PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Companheiros de Maradona relembram momentos ímpares e polêmicos

24/06/1990. Diego Maradona (e), disputa bola com o jogador brasileiro Alemão (Ricardo Rogério de Brito), durante partida válida pela Copa do Mundo de 1990 - MARK LENNIHAN/AP
24/06/1990. Diego Maradona (e), disputa bola com o jogador brasileiro Alemão (Ricardo Rogério de Brito), durante partida válida pela Copa do Mundo de 1990 Imagem: MARK LENNIHAN/AP

Colaboração para o UOL

27/11/2020 21h39

Alguns dos companheiros da seleção da Argentina relembraram momentos com Maradona. Entre eles, Oscar Ruggeri, Nery Pumpido, Julio Olarticoechea, Héctor Enrique e Ricardo Giusti.

No Programa ''90 minutos'', da ESPN, Pumpido disse: "Tive uma ótima relação com ele... Quero contar uma coisa sobre ontem, cheguei em Buenos Aires no último minuto. Eu estava do lado da gaveta e tinha a Copa do Mundo, peguei a taça e coloquei em cima da gaveta, abracei-a, gostaria de tê-la levado para dentro. Ele me deu na Copa do Mundo e eu pude retribuir".

Negro Enrique falou sobre a gratidão que tem por Maradona: "O Diego driblou até a morte, jogou mais de um cachimbo nele, só que desta vez optou por ficar com os pais e deixou a bola conosco. Ele está esperando a gente, eu sei. Ele estará sempre conosco".

"Tem muita coisa que as pessoas não sabem, o Diego estava nos momentos difíceis de cada um de nós... É para que as pessoas entendam que não foi só o Diego que driblou e fez gols. Ele tinha um coração enorme", contou Giusti.

Ao contrário daquilo que seus companheiros de seleção falaram, o ex-massagista da seleção da Argentina, Miguel Di Lorenzo não poupou as palavras e fez duras críticas: "Todo o ambiente que estava ao lado dele agora é uma manga de desertores, meios de subsistência, traidores filhos de mil prostitutas", disse ele na Rádio Super Deportivo.

Por fim, lamentou: "Diego morreu sozinho. No velório, a primeira coisa que fiz foi tocar seu tornozelo, joelho e panturrilha. Eu o acariciei. Disse a ele que sempre estaria com ele".

Futebol