PUBLICIDADE
Topo

São Paulo

SPFC perde na Justiça, e escândalo envolvendo shows do U2 será investigado

U2 abre turnê brasileira com show no estádio do Morumbi, em São Paulo - Lucas Lima/UOL
U2 abre turnê brasileira com show no estádio do Morumbi, em São Paulo Imagem: Lucas Lima/UOL

Thiago Fernandes

Do UOL, em São Paulo

20/11/2020 04h00

Em recente decisão, datada de 14 de outubro, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) determinou o "esclarecimento completo de fatos e circunstâncias envolvidos na comercialização dos espaços dos camarotes e cadeiras cativas para shows do U2", em outubro 2017 no Morumbi. A investigação tem como objetivo descobrir se a empresa Wolff Sports & Marketing foi realmente lesada pela diretoria de marketing do São Paulo à época, liderada por Alan Cimerman, que chegou ao clube contratado por Vinícius Pinotti.

O São Paulo havia vencido a disputa jurídica em primeira instância, uma vez que, de forma antecipada, a Magistrada de Primeiro Grau julgou improcedente a ação movida pela Wolff Sports & Marketing. Depois de apelação da empresa, a desembargadora Maria Lúcia Pizzotti determinou a anulação da sentença sob a alegação de que "tal negociação envolve matéria fática, inclusive fatos obscuros e pouco claros acerca das tratativas, transações informais, atrelamento réu à empresa produtora do evento responsável pela organização do shows, comercialização e cessão dos espaços que envolvem os camarotes e cadeiras cativas".

Diversas empresas alegam prejuízo pelo esquema de Alan Cimerman nas apresentações do U2 realizadas no Morumbi. Dentre elas, está a Wolff Sports & Marketing, que pleiteou em juízo o recebimento de indenização por danos materiais no valor pendente de ressarcimento de R$ 540.341,46.

O São Paulo, em sua defesa no TJ-SP, tentou impedir o retorno do processo para a primeira instância, em uma ideia de encerrar o caso de forma antecipada, além de alegar "erro inescusável e totalmente fora dos seus padrões de conduta, o que seria de ciência da empresa autora da ação".

A Justiça, porém, reverteu o julgado e ressaltou a tese de responsabilidade dos dirigentes do São Paulo. José Francisco Manssur (vice-presidente de marketing) e Vinícius Pinotti (diretor da pasta à época) escolheram um profissional com imbróglios judiciais passados para ocupar cargo de confiança e de grande importância. A decisão alega ainda que o clube deixou de cumprir com diligência e cuidados no acompanhamento dos trabalhos.

Alan Cimerman foi contratado, mesmo tendo complicações penais anteriores. Em que pese as investigações por supostas práticas ilícitas, foi contratado por Pinotti como o gerente de marketing do São Paulo, tornando-se responsável por eventos e shows no Morumbi. O processo revela ainda que Pinotti e Alan mantinham uma relação estreita, seja pela nomeação ao importante cargo de confiança, como também por pagamentos mensais realizados à época. O caso chegou a ser apurado nos bastidores do Morumbi.

Em trecho do acórdão, a desembargadora Maria Lúcia Pizzotti apontou responsabilidade do clube sustentando-se em uma investigação contra o ex-gerente de marketing do Tricolor paulista. Ele foi alvo de denúncias de supostos golpes que teriam dado prejuízo de R$ 4,2 milhões durante a Copa do Mundo de 2014.

Em sua conclusão, a desembargadora explica que dá provimento ao recurso da Wolff Sports & Marketing, reabrindo a investigação sobre a ação de Alan Cimerman à frente do Tricolor paulista, e determina a "juntada do contrato firmado entre o São Paulo Futebol Clube e a empresa Live Nation Brasil Entretenimento, além dos demais pactos que tenham sido firmados para a realização do evento em questão — shows do U2 — cujo objeto seja a concessão de uso e comercialização dos espaços das cadeiras cativas e camarotes, bem como, a consequente comercialização dos respectivos ingressos".

A decisão judicial determina ainda que "faz-se necessária a juntada aos autos de cópia dos referidos ingressos. Ainda, deverá ser oficiado à autoridade policial, solicitando cópia do inquérito policial que envolve os fatos mencionados nessa lide, especialmente quanto à venda de ingressos e espaços para os shows do grupo U2".

São Paulo