PUBLICIDADE
Topo

Cruzeiro

Agente explica saída de Marquinhos Gabriel do Cruzeiro: "quebra de acordo"

Marquinhos Gabriel não atuará mais pelo Cruzeiro e espera apenas assinatura de sua rescisão contratual - Gustavo Aleixo/Cruzeiro
Marquinhos Gabriel não atuará mais pelo Cruzeiro e espera apenas assinatura de sua rescisão contratual Imagem: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Guilherme Piu

Do UOL, em Belo Horizonte

18/11/2020 14h38

Classificação e Jogos

A saída de Marquinhos Gabriel do Cruzeiro só não foi confirmada ainda pela diretoria celeste por questões que envolvem o acerto rescisório entre as partes, como adiantou o UOL Esporte. O documento de rescisão está na mesa da diretoria do clube e os agentes do meio-campista falam em "acordo amigável".

"O Marquinhos poderia ir à Fifa, cobrar na Justiça, mas, não. Há um acordo para a saída muito adiantado, em respeito ao Cruzeiro", disse Marcos Casseb, empresário do jogador.

Porém, falta a assinatura da diretoria do Cruzeiro no documento que vai firmar o fim da passagem de Marquinhos Gabriel na Raposa.

O contrato do meio-campista com o time estrelado é válido até 2021. O clube e os empresários do atleta conversam para rescindir o vínculo, com Marquinhos Gabriel abrindo mão de parte de recebíveis a que teria direito, segundo o próprio advogado que trabalha com o atleta.

O Marquinhos Gabriel abrirá mão de parte dos valores a que tem direito para encerrar sua passagem pelo Cruzeiro", disse ao UOL o advogado Rafael Botelho, membro do staff do jogador.

O que motivou Marquinhos Gabriel optar pela saída do Cruzeiro foi a "quebra de confiança" no que havia sido prometido pela diretoria celeste. Fato revelado pelo próprio empresário, inicialmente ao portal "Deus Me Dibre", e depois ao UOL.

"O Deivid e o André Argolo nos chamaram para conversar, o Cruzeiro estava precisando do jogador e perguntou se ele poderia abrir mão de grande parte do salário para se encaixar no teto salarial para ajudar o clube a sair da situação em que estava, que era na zona de rebaixamento da Série B. O Marquinhos voltou, aceitou o desafio, abriu mão de muito dinheiro. Mas aí, veio o Felipão e o próprio treinador disse que contrataria quatro atletas para ganhar mais do que o teto estabelecido. Aí, não. Não achamos justo e preferimos rescindir o contrato. Nada contra o Felipão, nada contra o Cruzeiro. Apenas uma decisão nossa", disse Casseb.

O UOL revelou que Felipão realmente estabeleceu quatro pilares dentro do elenco cruzeirense, como publicado no começo desta semana.

Marquinhos Gabriel não recebe boa parte do seu salário desde janeiro de 2019, quando foi contratado pela Raposa. O valor estabelecido como "luvas", uma espécie de bonificação pela assinatura do acordo, sequer foi pago, tanto pela antiga diretoria quanto pela atual.

Marquinhos Gabriel só teria recebido em dia boa parte de sua remuneração no período em que foi emprestado ao Athletico-PR, entre janeiro e setembro deste ano.

"Cruzeiro deve dinheiro ao Marquinhos Gabriel, que volta ao clube, que valoriza outros jogadores que não são do Cruzeiro. Quando aconteceu isso, procuramos o pessoal e dissemos que não era justo, pedimos então que pagassem o salário integral. Foi dito a nós que não era possível, que o clube não tinha essa condição. Então, por isso a gente optou por rescindir o contrato fazendo um acordo, nada de ir à Justiça ou à Fifa. Ele até poderia fazer isso, é um direito que ele tem, mas preferimos um acordo que seja bom para ambas as partes", completou Casseb.

De acordo com o empresário, para a saída de Marquinhos Gabriel falta apenas a assinatura do Cruzeiro na rescisão contratual.

Procurado, o clube informou que " negocia com o atleta Marquinhos Gabriel a melhor resolução para a sequência de sua carreira", disse ao UOL.

Cruzeiro