PUBLICIDADE
Topo

Atlético-MG

G8 do Brasileiro gasta mais de R$ 400 milhões em reforços; veja ranking

Matias Zaracho é a contratação mais cara da história do Atlético-MG - Pedro Souza/Atlético-MG
Matias Zaracho é a contratação mais cara da história do Atlético-MG Imagem: Pedro Souza/Atlético-MG

Guilherme Piu*

Do UOL, em Belo Horizonte

16/11/2020 04h00

Classificação e Jogos

A maioria dos clubes brasileiros se esforça para superar os problemas financeiros ocasionados pela pandemia da Covid-19. Entretanto, mesmo com queda brusca de receitas, com baixa arrecadação, perda de bilheteria e outros problemas econômicos em 2020, há quem tenha investido muito dinheiro em contratações no mercado da bola. Por isso, o G8 do nacional investiu mais de R$ 400 milhões em "novas peças".

Quem mais gastou com reforços? Os investimentos deram certo e o time está bem na temporada? Dos primeiros colocados do Campeonato Brasileiro há algum clube "pão duro", com pouco investimento?

O UOL Esporte calculou os gastos dos oito melhores colocados na tabela do Brasileirão deste ano e aponta quanto cada um investiu até agora. Os valores citados são os divulgados/apurados quando da contratação dos atletas mencionados.

Os mais gastadores

Coincidentemente, o "rei dos gastos" é o atual líder do nacional. O Atlético-MG também foi quem mais contratou no ano — 19 jogadores — e se aproximou dos R$ 170 milhões usados para a chegada de reforços. Desses, o que mais custou aos cofres do Galo foi o jovem Matías Zaracho. A contratação do argentino, a mais cara da história atleticana, custou R$ 33 milhões.

Quarto colocado Brasileiro, o Flamengo, clube que investiu mais de R$ 200 milhões em contratações no ano passado, até agora só fica atrás do Alvinegro mineiro. O Rubro-Negro gastou R$ 143,7 milhões, valor que se elevou pela compra do atacante Gabriel, o Gabigol, e do atacante Michael.

Quem não gastou nada?

O Santos contratou jogadores nesta temporada, mas em negociações envolvendo trocas, sem custos de clube para clube. Chegaram, por exemplo, o lateral direito Madson, o atacante Raniel e o zagueiro Laércio.

Demais gastos

Outros clubes que tiveram gastos destacados foram o Palmeiras [R$ 61,1 milhões], Grêmio [R$ 33,5 milhões] e o São Paulo [R$ 21 milhões].

Detalhamento dos gastos

Atlético-MG

Léo Sena - R$ 4,4 milhões
Keno - R$ 12,3 milhões
Marrony - R$ 20 milhões
Eduardo Sasha - R$ 9,8 milhões
Bueno - R$ 1,5 milhão
Junior Alonso - R$ 17,89 milhões
Alan Franco - R$ 1,5 milhão
Matías Zaracho - R$ 33 milhões
Mariano - sem custo
Everson - R$ 6 milhões
Savarino - R$ 8,6 milhões
Allan - R$ 13,6 milhões
Guilherme Arana - R$ 23 milhões
Maílton - R$ 1,4 milhão
Dylan Borrero - R$ 4,5 milhões
Vargas - R$ 7,1 milhões

Valor gasto em 2020: R$ 164,59

Flamengo

Léo Pereira: R$ 28 milhões
Gabriel Barbosa: R$ 76,6 milhões
Pedro: R$ 4,6 mi (empréstimo)
Michael: R$ 34,5 milhões

Valor gasto em 2020: R$ 143,7

Palmeiras

Viña: R$ 16 milhões
Rony: R$ 28 milhões
Kuscevic: R$ 8 milhões
Alan Empereur: R$ 1,9 milhão
Breno: R$ 7,2 milhões

Valor gasto em 2020: R$ 61,1 milhões

Grêmio

Churin - R$ 11,2 milhões
Pinares - R$ 8,3 milhões
D. Barbosa - R$ 10 milhões
Luis Fernando - R$ 1 milhão
Vanderlei - R$ 3 milhões

Valor gasto em 2020: R$ 33,5 milhões

Internacional

Marcos Guilherme - R$ 7,6 milhões
Moisés - R$ 2,2 milhões
Boschilia - R$ 4,1 milhões

Valor gasto em 2020: R$ 13,9 milhões

São Paulo

Volpi: R$ 21 milhões
Luciano e Vítor Bueno: trocas

Valor gasto em 2020: R$ 21 milhões

Fluminense

Fernando Pacheco - R$ 2,8 milhões
Michel Araújo R$ 3,3 milhões

Valor gasto em 2020: R$ 6,1 milhões

Santos

Não houve gasto. As contratações de Madson, Raniel e Laércio não envolveram dinheiro.

*Colaboraram Léo Burlá, Caio Blois, Marinho Saldanha, Thiago Ferri, Eder Traskini e Thiago Fernandes

Atlético-MG