PUBLICIDADE
Topo

Seleção Brasileira

Por que Tite convocou Neymar, mesmo com lesão e risco de não tê-lo em campo

Neymar cumprimenta César Sampaio na Granja Comary - Lucas Figueiredo/CBF
Neymar cumprimenta César Sampaio na Granja Comary Imagem: Lucas Figueiredo/CBF

Pedro Lopes

11/11/2020 04h00

Mesmo com uma lesão na coxa esquerda que pode impedir sua presença nos dois jogos da seleção brasileira nas próximas rodadas das Eliminatórias Sul-Americanas à Copa do Mundo do Qatar — diante da Venezuela (sexta-feira, no Morumbi) e do Uruguai (na próxima terça, em Montevidéu) —, Neymar foi convocado por Tite. O chamado causou alguma apreensão no Paris Saint-Germain, que não acredita que seu astro terá condição de jogo e preferia mantê-lo em recuperação. A seleção, entretanto, tem um plano para o camisa 10, e considera sua presença importante, mesmo que acabe não entrando em campo.

O PSG conhece a natureza competitiva de Neymar e sabe que, se depender dele, jogará, ainda que não necessariamente nas melhores condições. O receio dos franceses foi colocado em uma conversa entre Leonardo, dirigente do clube, Juninho Paulista, coordenador da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e a comissão técnica.

Nela, a seleção tranquilizou os parisienses e explicou que, embora acredite fato em uma possibilidade de recuperação de Neymar, como no caso de qualquer jogador lesionado, não existe a menor chance de que ele seja escalado, ou mesmo envolvido em treinamentos intensos sem que esteja com 100% das condições. Além disso, sua presença com o grupo tem importância embora não entre em campo.

Como principal liderança técnica da seleção brasileira na década e um jogador que goza de influência com os mais jovens, Neymar é considerado importante para os outros atletas no contexto de jogos que valem vaga na Copa de 2022.

A comissão técnica da seleção também considera fundamentais os dias de trabalho em proximidade com o jogador, avaliando suas condições médicas, físicas e técnicas e monitorando sua evolução, já pensando também no planejamento de longo prazo do time - isso tudo ainda que acabe não atuando nas partidas.

Durante a permanência de Neymar com a seleção, o departamento médico brasileiro trabalhará de forma integrada com o PSG. Antes mesmo da apresentação jogador, o clube francês havia enviado à delegação brasileira um relatório detalhado das atividades que o jogador vinha desempenhando, o seu status físico e quais as recomendações da equipe médica. Quando ele retornar a Paris, a comissão da seleção também enviará detalhamento de sua condição atual e de todos os trabalhos realizadas durante o período.

A integração entre departamento médico e comissão técnica da seleção e os departamentos médicos dos clubes já acontece há anos. Nessa convocação, Alisson veio do Liverpool com um programa de treinamentos específicos para o ombro já em andamento. A comissão brasileira também já tinha informações detalhadas dos treinamentos de Alex Telles e sua evolução — o lateral do Manchester United se recuperou de Covid-19 e chegou a realizar atividades sozinho parte das últimas semanas.

Independentemente da evolução em seu tratamento, Neymar está descartado para a partida de sexta-feira (13), diante da Venezuela. O jogo será às 21h30, no Morumbi. O atacante correu ao redor do gramado e fez exercícios de fisioterapia ontem (10), na Granja Comary.

Trabalhando em três períodos na academia, manhã, tarde e noite, o camisa 10 tem mais uma semana de tratamento e treinamentos para tentar estar em campo na partida da próxima terça-feira, diante do Uruguai.

Seleção Brasileira