PUBLICIDADE
Topo

Fluminense

Fluminense repete 2019 e tem dificuldades para virar jogos nesta temporada

Fluminense de Odair Hellmann tem dificuldades para virar jogos em 2020, repetindo 2019 - MAURICIO ALMEIDA/AM PRESS & IMAGES/ESTADÃO CONTEÚDO
Fluminense de Odair Hellmann tem dificuldades para virar jogos em 2020, repetindo 2019 Imagem: MAURICIO ALMEIDA/AM PRESS & IMAGES/ESTADÃO CONTEÚDO

Caio Blois

Do UOL, no Rio de Janeiro

10/11/2020 04h00

Classificação e Jogos

Muita coisa mudou no Fluminense de 2019 para 2020. Saíram a instabilidade no comando técnico, a briga contra o rebaixamento, o jogo bonito, mas ineficiente, e entraram o trabalho de 11 meses de Odair Hellmann. Sob o comando do treinador, o time luta pelo G-4 do Brasileirão e é mais equilibrado taticamente. O Tricolor, no entanto, revê nesta temporada um problema do ano que passou: dificuldades para virar jogos.

Só no Campeonato Brasileiro, o Flu saiu oito vezes atrás do placar e só virou duas, sobre Internacional e Goiás. Em apenas uma destas partidas chegou ao empate, contra o Palmeiras. Nas outras cinco oportunidades, acabou derrotado por Grêmio (em casa e fora de seus domínios), Red Bull Bragantino, Flamengo e Sport.

Nesta temporada, foram 17 jogos em que o Tricolor viu o adversário sair na frente. E além dos duelos contra Inter e Goiás, virou apenas sobre o Madureira, pelo Campeonato Carioca, e o Moto Club, pela Copa do Brasil. Pouco para uma equipe que ostenta bons resultados, principalmente no Brasileirão — apesar da derrota para o Grêmio no final de semana, ainda figura na zona de classificação à Libertadores 2021.

Além dos jogos pelo Brasileiro em 2020, o Fluminense também começou perdendo nas derrotas para Boavista, Flamengo (mais três vezes) e Volta Redonda (todos pelo Carioca), Figueirense e Atlético-GO (na Copa do Brasil). Ou seja, acumula 12 resultados negativos nos 17 jogos.

O número é o mesmo que o Flu detinha na 29ª rodada do Brasileirão do ano passado, já sob o comando de Marcão e na reta final da luta contra o Z-4. Com Fernando Diniz, Oswaldo de Oliveira ou o auxiliar permanente, que livrou a equipe do rebaixamento, o time acabou virando apenas um jogo em toda a temporada, em grande jogo contra o Grêmio, em Porto Alegre, que terminou com vitória por 5 a 4.

Em termos comparativos, o Tricolor saiu atrás mais vezes e virou mais jogos, mas ainda assim deixou escapar pontos importantes por não conseguir se recuperar nas partidas. Dificuldade admitida por Odair Hellmann em uma dessas derrotas, contra o Bragantino:

"É mostrar os lances do jogo, mostrar situações de jogo, para corrigir, minimizar esses detalhes contra nós. Para que possamos criar, sair na frente e mandar no placar, para fazer o adversário se expor um pouco, sair da zona de conforto que fica com a vantagem no placar", opinou o treinador, em agosto, antes da partida contra o Athletico, na Arena da Baixada.

Em contraponto, venceu 19 das 26 vezes em que saiu na frente, cedendo o empate em seis oportunidades e apenas uma derrota, para o São Paulo — de Diniz —, já no Brasileirão.

Fluminense