PUBLICIDADE
Topo

Palmeiras

Luxa é passado: Cebola muda Palmeiras com série de gols e invencibilidade

Thiago Fernandes

Do UOL, em São Paulo

03/11/2020 04h00

O português Abel Ferreira estará à frente do Palmeiras a partir da próxima partida. Contratado até dezembro de 2022, ele assumirá um time bem diferente do deixado por Vanderlei Luxemburgo, demitido em 14 de outubro passado - há três semanas.

Da desorganização após o trabalho de Luxa até a estreia de Abel Ferreira, na quinta-feira (5), o trabalho do interino Andrey Lopes, o Cebola, modificou completamente a equipe. O próprio auxiliar da comissão técnica fixa do clube admite que "subiu o sarrafo" na Academia de Futebol.

"Subi o sarrafo do Palmeiras, porque o Palmeiras tem que estar lá em cima, quem treinar o Palmeiras tem que estar lá em cima, o Palmeiras sempre tem que lutar por título, sempre tem que estar nas primeiras colocações. Tomara que o sarrafo suba mais ainda com o Abel. A gente jogou três competições sob o meu comando, Brasileiro, Copa do Brasil. O Palmeiras tem que ser campeão", afirmou o assistente.

A boa passagem como treinador da equipe do Allianz Parque fez com que a forma de jogar ganhasse a alcunha de "Cebolismo". E alguns ajustes foram preponderantes para que o futuro técnico palmeirense não tenha problemas no dia a dia.

Abel Ferreira encontra o Palmeiras mais equilibrado nas duas fases de um jogo. Em cinco partidas sob a batuta do interino, o Verdão marcou 14 gols e sofreu apenas três. A melhora passa pela forma de atuar da equipe. Andrey Lopes variou a maneira conforme os adversários. No triunfo sobre o Atlético, por exemplo, os atletas fizeram dois tipos de marcações distintas. No primeiro tempo, se basearam na pressão na saída de bola do rival. Na volta do intervalo, a equipe abaixou as linhas e saiu em contra-ataques.

Andrey Lopes, o Cebola, se destacou à frente do Palmeiras antes da chegada de Abel Ferreira - Cesar Greco/Palmeiras - Cesar Greco/Palmeiras
Andrey Lopes, o Cebola, se destacou à frente do Palmeiras antes da chegada de Abel Ferreira
Imagem: Cesar Greco/Palmeiras

Série de derrotas vira invencibilidade

A questão anímica é diferente no clube. Depois de quatro derrotas seguidas, três com Luxemburgo e uma já com Cebola, o Palmeiras obteve quatro triunfos consecutivos — diante de Tigre, da Argentina, Atlético-GO, Red Bull Bragantino e Atlético-MG

A variação da forma de atuar conforme os oponentes não são o único legado deixado por Andrey Lopes ao novo comandante do Palmeiras. O lusitano Abel Ferreira também terá uma espinha dorsal se preferir a manutenção de uma base para os próximos jogos. As principais mudanças são vistas no fim das improvisações de Gabriel Menino e Felipe Melo. Lateral direito de origem, o garoto atuava no meio de campo com o antigo treinador. O volante, por sua vez, era improvisado na zaga. Ambos voltaram a desempenhar as suas funções iniciais.

Diferentemente de Luxemburgo, o interino Cebola encontrou uma escalação considerada titular. A equipe base passou a ser Weverton; Gabriel Menino, Luan, Gustavo Gómez e Matías Viña; Felipe Melo, Zé Rafael e Raphael Veiga; Rony, Wesley e Luiz Adriano.

A era Cebola se encerrou na tarde de ontem no Palmeiras e, agora, será substituída pela era Abel Ferreira, com a obrigação de manter o time em alta na temporada.

Palmeiras