PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Grêmio dá preferência ao mata-mata há cinco anos também pela premiação

Renato Gaúcho e Grêmio estreiam em nova Copa do Brasil com time completo - Lucas Uebel/GRÊMIO FBPA
Renato Gaúcho e Grêmio estreiam em nova Copa do Brasil com time completo Imagem: Lucas Uebel/GRÊMIO FBPA

Jeremias Wernek

Do UOL, em Porto Alegre

29/10/2020 04h00

Classificação e Jogos

O Grêmio estreia na Copa do Brasil de 2020 hoje (29), contra o Juventude, e um assunto volta à tona: a estratégia do clube em valorizar mata-mata e deixar o Campeonato Brasileiro de lado. Além do critério físico, que Renato Gaúcho reitera toda semana, os torneios têm valor maior pelas premiações a cada fase. E, claro, o caráter decisivo das partidas. O duelo contra o time da Serra Gaúcha começa às 21h30, em Porto Alegre.

Campeão da Copa do Brasil em cinco oportunidades, o Grêmio também vê o mata-mata nacional como caminho mais curto para ganhar outro título. E carimbar vaga à Copa Libertadores 2021.

Grêmio e Juventude duelam pelas oitavas de final. Quem passar, garante R$ 3,3 milhões. Os semifinalistas vão receber mais R$ 7 milhões e na decisão, quem ficar com a taça tem direito a R$ 54 milhões. O vice-campeão fica com R$ 22 milhões.

Antes de avançar, é preciso dizer: o Grêmio nega que coloque o Brasileirão em segundo plano. Na prática, o campeonato de pontos corridos nunca foi prioridade no clube de 2016 até hoje. Foi nono colocado há quatro anos e nas últimas três temporadas terminou em quarto lugar. Por outro lado, o armário ganhou as taças da Copa do Brasil e da Libertadores.

Além dos títulos, o Grêmio chegou à semifinal da Libertadores outras duas vezes. E na Copa do Brasil também. De forma bem prática, o perfil "copeiro" se explica nos números.

Renato Gaúcho e o elenco trabalham as partidas de uma forma diferente, sim. Com maior atenção, concentração. Estratégias específicas para acelerar jogos, gastar tempo. Explorar algum ponto fraco ou valorizar jogada ensaiada e guardada a sete chaves. Mas a matemática também está na mesa.

No seu último título da Copa do Brasil, em 2016, o Grêmio sagrou-se campeão sem o atual prêmio milionário. Ainda assim, o título veio muito a calhar. Turbinou as finanças, que por política de austeridade não projetam premiações no começo de cada ano. Ou seja, tudo que é obtido como premiação supera as expectativas e incrementa o caixa.

Em 2020, outra vez, o Grêmio não conta com bônus por classificações no orçamento do clube. Mas eliminar o Juventude aporta mais dinheiro para pagar as contas do dia a dia e investir. Diego Churín custou quase R$ 9 milhões e Gastón Ramírez, da Sampdoria, também vai exigir compensação ao clube italiano.

Futebol