PUBLICIDADE
Topo

Santos

Santos pode retirar punição da Fifa em acordo com Huachipato: "Caiu do céu"

Orlando Rollo concede entrevista coletiva na Vila Belmiro - Ivan Storti/Santos FC
Orlando Rollo concede entrevista coletiva na Vila Belmiro Imagem: Ivan Storti/Santos FC

Eder Traskini

Colaboração para o UOL, em Santos

21/10/2020 13h30

O presidente Orlando Rollo torce para que Conselho Deliberativo do Santos aprove a proposta do Huachipato (CHI) por Soteldo. Os chilenos ofereceram o perdão dívida santista pela contratação do próprio venezuelano em troca de recuperarem os 50% adquiridos pelo Peixe em janeiro de 2019. Assim, o Huachipato retiraria o processo que impede o clube brasileiro de registrar novos jogadores.

Apesar disso, o Santos seguiria bloqueado para fazer contratações pela entidade máxima do futebol devido à dívida com o Atletico Nacional (COL) pela contratação de Felipe Aguilar.

No caso de Soteldo, o Santos prometeu pagar 3,5 milhões de dólares (R$ 19 milhões hoje), mas nunca acertou nem um real do valor. Já referente ao acerto com Aguilar, o Santos deve ainda 774 mil dólares (quase R$ 4,5 milhões hoje).

Na proposta, o Huachipato terá o controle do jogador e deixará o atleta emprestado do Santos até que decida aceitar alguma proposta para negociar o camisa 10 santista. Além disso, os chilenos perdoariam outras dívidas do Peixe e não recorreriam do processo que envolve a proposta do Atlético-MG, em que foram derrotados na Fifa como informou o UOL Esporte.

"Corríamos o risco de sermos bloqueados se recebermos esses valores, corríamos o risco de um novo processo do Huachipato. É uma operação de risco, sim, então eu, no meu entendimento, prefiro tirar o Huachipato da frente, para que fique somente a questão do Atlético Nacional (COL) para ser resolvida, que encaro ter uma facilidade maior. E trazer potenciais patrocinadores e investidores. Por isso, sou favorável a essa questão. O Santos vai perder o controle do atleta, mas o que o Santos está fazendo com o atleta é um estelionato. Como você traz um atleta do Chile, que está aqui há dois anos, sem pagar um real para o clube? Isso não existe. Precisamos tirar esse negócio da frente. O Santos nunca pagou por isso (50% do Soteldo). Vamos ser coerentes. Se essa negociação der certo, vai cair do céu, porque ainda vamos manter o jogador aqui", disse o presidente em entrevista coletiva hoje.

O Huachipato abriria mão de 60 mil dólares aos quais tem direito por um erro santista de não avisar sobre propostas recebidas por Soteldo - multa que consta em cláusula no contrato do venezuelano. A proposta ainda inclui uma participação de 10% da venda para o Santos sobre o valor que ultrapassar os 8 milhões de dólares.

A oferta precisa passar pelo crivo do Conselho Deliberativo como manda o artigo 91 do Estatuto do Santos: durante os últimos três meses de mandato, toda compra ou venda de jogadores precisa ser aprovada pelo Conselho Fiscal e pelo Conselho Deliberativo.

Santos