PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Da seleção ao recomeço: Valdívia vive melhor ano desde lesão e mira Série A

Valdívia vive sua melhor temporada desde a lesão. Contrato com Inter acaba no fim do ano - Divulgação/Avai
Valdívia vive sua melhor temporada desde a lesão. Contrato com Inter acaba no fim do ano Imagem: Divulgação/Avai

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

19/10/2020 14h10

Valdívia é um jogador que sempre demandou grande expectativa. A velocidade com que tudo ocorreu na carreira do meia-atacante lembra uma de suas arrancadas na temporada 2015 pelo Inter. Da base ao principal, titular, destaque, chamado para seleção brasileira. Depois, a carreira oscilou a partir de uma lesão que o tirou dos Jogos Olímpicos de 2016. Hoje no Avaí, aos 26 anos, ele vive sua melhor temporada desde a lesão no joelho esquerdo e mira Série A.

Valdívia não esconde que 2015 foi a melhor temporada de sua carreira. Foram 19 gols em 53 jogos pelo Inter. O bom momento o fez um dos principais destaques do time. A vasta cabeleira, o apelido de Poko Pika, tudo criou ambiente perfeito para deslanchar no clube e nacionalmente.

Vieram convocações para seleção olímpica do Brasil e, num amistoso contra os Estados Unidos um lance que pode ter mudado o rumo da história dele. Uma lesão no joelho esquerdo, cirurgia e um período longo afastado.

Ele ganhou o ouro olímpico, ainda que não tenha participado dos Jogos. Era suplente da seleção e, bem quisto pelo grupo, foi lembrado na hora da medalha, que guarda até hoje.

"Já fiz boas apresentações na Libertadores com Inter, foi um campeonato difícil e consegui fazer gols. Acabei sendo chamado para seleção por causa do momento, tinha feito 19 gols na temporada, foi a melhor da minha carreira. Fui para seleção e ganhei a medalha depois da Olimpíada, eu estava como suplente, fiquei muito feliz pela conquista dos amigos, eu torcia em casa, logo depois fiquei sabendo que ganharia e fiquei muito feliz, está guardada até hoje", disse ao UOL Esporte.

O caminho, porém, foi alterado naquela lesão. Valdívia teve volta apressada ao Colorado numa temporada difícil. Em 2016 o Inter caiu para Série B.

Depois vieram empréstimos ao Atlético-MG, São Paulo, Al-Ittihad, da Arábia Saudita, e Vasco. Não houve sequência e oportunidade de voltar a mostrar o futebol que já tinha atingido em outros momentos.

Agora, o Avaí surge como recomeço. Foram 28 jogos em 2020 (o Avaí disputou 29 partidas na temporada), sendo 24 como titular, quatro gols marcados. Desde a passagem pelo Galo que tamanha sequência não acontecia.

Além disso, o meia-atacante tem sete assistências, sendo líder do time no quesito. Participou de um terço dos gols marcados pelo Avaí na temporada.

"É a temporada que mais tive jogos como titular. Para o jogador isso é muito bom, estar jogando e ajudando. Venho trabalhando forte para isso, ainda mais nessa pandemia, os jogos estão sendo muito em cima e tenho cuidado com lesões. Estou bem fisicamente e isso ajuda. Espero estar jogando todas as partidas, fazer mais gols, hoje tenho três gols (na Série B), dois de pênalti, então ainda falta esse golzinho no decorrer da partida, quero fazer mais gols e ajudar a equipe", comentou.

E o objetivo é recompensar o time catarinense. As oportunidades ganhas o deixam esperançoso de atingir a meta de colocar a equipe na elite do futebol brasileiro. Atualmente, o Avaí é sétimo colocado com 23 pontos, está quatro atrás do G4 da Série B.

"É um momento muito feliz para mim, de poder estar jogando e ajudando. Nos últimos anos não tive uma sequência boa de jogos, aqui estou tendo. Agradeço pela oportunidade, estou muito feliz e espero ajudar meus companheiros na busca do objetivo que é subir para Série A", contou.

O fim de 2020 marca também o encerramento da ligação ao Inter. Valdívia ficará sem contrato com o clube gaúcho e poderá negociar livremente o futuro de sua carreira.

"Acaba no final do ano meu contrato com Inter, não sei o que pode acontecer. Estou focado aqui, quero muito ajudar o Avaí, fazer mais gols, atingir nosso objetivo que é subir para Série A e não sei dizer o que pode acontecer no ano que vem", finalizou.

Internacional