PUBLICIDADE
Topo

Futebol

"Não me trocaria pelo melhor obstetra", diz jogador que fez parto da filha

Bryan, jogador do Náutico, a noiva Myllena e a filha Cecília - Andrea Leal
Bryan, jogador do Náutico, a noiva Myllena e a filha Cecília Imagem: Andrea Leal

Aliny Gama

Colaboração para o UOL, em Recife

04/10/2020 04h00

O lateral direito Bryan, 24, do Náutico, e a noiva dele, Myllena Barbosa, 26, nunca imaginavam que o nascimento da filha do casal, Cecília, ocorreria ao lado da portaria de um prédio, localizado no bairro de Apipucos, zona norte do Recife, e que o parto seria feito pelo próprio jogador. Mas foi exatamente o que aconteceu na última quarta-feira, tudo registrado pelas câmeras de segurança do condomínio.

Bryan e Myllena contaram ao UOL que o momento ficará marcado para sempre na vida deles e da pequena Cecília. "Não trocaria de opção, não mudaria nada nem um segundo. O parto foi maravilhoso. Se fosse para voltar no tempo e escolher o melhor obstetra do Brasil, eu ainda preferia estar ali fazendo o parto da minha filha. Foi emocionante", disse Bryan.

Nascimento mais rápido que um tempo no futebol

Myllena estava com 38 semanas e quatro dias de gestação e se preparava para um parto natural na maternidade, com ajuda de uma doula e de um obstetra, além de registros de uma fotógrafa especializada em imagens de partos. Ela achava que a filha ainda iria nascer na semana que vem, mas na quarta-feira acordou com o estouro da bolsa. Em menos de 40 minutos, a filha nasceu.

Na noite anterior, Myllena começou a sentir contrações espaçadas. "Falei com o médico e com a doula e não tinha sinal nenhum de trabalho de parto. Fomos dormir era por volta da 1h e durante madrugada não senti nada. Às 5h30 acordei com a bolsa estourada, a cama toda molhada. Bryan até pensou que era xixi. Como não estava com quase nenhuma contração, fui tomar banho, mas as contrações foram aumentando", relatou.

Com as contrações cada vez mais fortes e com menos tempo entre elas, o casal decidiu ir logo para a maternidade. Mas não deu tempo. "Em nenhum momento eu tive medo. Quando estávamos no elevador eu sabia que já estava em trabalho de parto, que a cabecinha de Cecília estava coroando, tanto que não consegui andar muito, parei na cadeira. Depois tentei ainda alguns passos para chegarmos ao carro, mas não consegui", contou Myllena.

Foi quando Bryan largou a bolsa no chão, colocou a noiva nos braços e a carregou até a portaria na tentativa de chegar até o carro, que estava estacionado na rua, para, assim, a filha nascer na maternidade. "Quando fomos chegando perto da escada, Myllena disse: 'Me coloca no chão que Cecília está nascendo'. Fui deitando minha noiva no chão e segurando a cabeça da nossa filha. A calcinha dela enganchou e, quando levantou a perna para tirar, a cabeça de Cecília saiu, e eu a girei para passar os ombros. Foi muito rápido", relata Bryan.

O lateral do Náutico nunca havia realizado um parto, mas que tinha recebido orientações da doula de como seriam os procedimentos do parto natural no hospital e aplicou os ensinamentos naquele momento. "Por amor, eu fiz o que tinha que fazer. Foi Deus me guiando. Não senti medo nenhum, fiquei totalmente confiante".

Os primeiros momentos de Cecília

Cecília, filha do lateral direito Bryan, do Náutico - Andrea Leal - Andrea Leal
Cecília, filha do lateral direito Bryan, do Náutico
Imagem: Andrea Leal

Depois do nascimento, Bryan, Myllena e a bebê finalmente foram para a maternidade. "Cecília chorou ao nascer, mas no mesmo momento em que falei com ela, incrivelmente, a neném parou. A coloquei sobre o vestido de Myllena, e Cecília foi o caminho todo sem chorar, muito tranquila", conta o pai de primeira viagem e agora "parteiro".

Mãe e filha foram prontamente assistidas pela equipe plantonista do hospital. Cecília nasceu pesando 2.920 kg e medindo 46,5 centímetros. Ela e Myllena receberam alta da maternidade na manhã do dia seguinte.

Bryan conta que a menina é tranquila e já reconhece a voz dele e da mãe. "Não é de chorar muito. Reconhece a nossa voz, ela nasceu chorando, e quando comecei a falar com ela ela ficou caladinha. Ela fica quietinha quando chego e a coloco no colo", conta.

"Ela é um presente de Deus. Dorme bem, mama bem, é bem tranquila. O nascimento dela já estava traçado por Deus para ser só nós três, eu, Bryan e ela", diz Myllena.

Gestação descoberta com cinco meses

O nascimento no prédio não foi o único susto do casal Bryan e Myllena. Eles descobriram a gravidez apenas no quinto mês de gestação.

"A gestação de Cecília foi um pouco complicada porque só descobri em um susto quando estava com cinco meses de gravidez, pois tive trombofilia e precisei também fazer cerclagem [sutura fechando o colo uterino para evitar aborto ou parto prematuro]. Na semana passada, o obstetra tirou os pontos da cerclagem já nos preparativos para o parto, mas imaginávamos que ainda chegaria a 40 semanas de gestação", disse Myllena.

Ao descobrir a gestação de Cecília, o casal noivou e planeja casar no civil nas próximas semanas. Cecília é a primeira filha do casal.

Futebol