PUBLICIDADE
Topo

Santos

Rollo coloca dívidas do Santos com clubes como prioridade e nomeia novo CG

Orlando Rollo se reuniu com elenco do Santos no CT Rei Pelé - Ivan Storti/Santos FC
Orlando Rollo se reuniu com elenco do Santos no CT Rei Pelé Imagem: Ivan Storti/Santos FC

Eder Traskini

Colaboração para o UOL, em Santos

29/09/2020 17h11

O presidente Orlando Rollo, em exercício após o afastamento preventivo de José Carlos Peres, concedeu pela primeira vez entrevista coletiva como mandatário do Santos na tarde de hoje (29). Ele definiu o pagamento das dívidas do Peixe com Hamburgo (ALE) e Huachipato (CHI) como prioridade de sua gestão.

Rollo pode ficar até três meses no cargo, caso o processo de impeachment de José Carlos Peres tenha sucesso nos próximos trâmites. Para o mandatário, a prioridade é acertar as dívidas que bloqueiam o Peixe de registrar novos jogadores por punição da Fifa.

Ainda assim, Rollo afirma que não há previsão e não descarta vender algum jogador para sanar as dívidas. O Estatuto do Santos não permite que negociações sejam feitas nos últimos três meses de mandato sem que os termos passem pelo Conselho Deliberativo e pela Comissão Fiscal.

"Todo mundo quer ouvir fórmula mágica. Não existe solução mirabolante. Equipe de trabalho está empenhada desde esta manhã para uma solução. Não vou ficar me lamentando. Se não houver outra alternativa a não ser negociação de jogador, vou pedir ajuda ao Conselho para que, eventualmente, venha aprovar a negociação de um atleta. Não sou arrogante. Eu e o Santos precisamos de ajuda. Tenho dois dias para resolver esse problema. É desumano. Não temos previsão de receita. Estoura uma dívida milionária por dia. Culpa do Peres? Algumas. Outras são de anos e anos.", disse em coletiva virtual e completou:

"Pagamento precisa ser feito com urgência. Santos corre risco, sim, e não vou enganar torcedor, de nos próximos dias sofrer mais uma punição. Estamos na iminência de perda de pontos. Lideranças do elenco dizem que estão suando para perder pontos fora de campo? Seria uma avalanche. Pediram por favor para solucionarmos. E isso me incentiva. Jogadores estão solidários ao nosso problema. Nossa equipe é técnica, capacitada. Vamos fazer a reformulação administrativa para conseguirmos pagar ou renegociar essas questões", afirmou.

Além de Peres, todos os membros do Comitê de Gestão, com exceção do próprio Orlando Rollo, também foram afastados pela decisão do Conselho Deliberativo. Assim, Rollo nomeou hoje (29) os novos membros: Alexandre Santos e Silva, Caio França, Eduardo Filleti, Luiz Fernando Cardoso, Mário Badures, Paulo Alves Correa Jr e Rafael Vita. Badures ocupará o cargo de vice-presidente.

Comitê de Transição

Orlando Rollo afirmou que irá convidar um indicado de cada pré-candidato à presidência do Santos para formar o Comitê de Transição. Como o atual mandatário não é candidato e, a princípio, não pensa em ser, a ideia é preparar o terreno para a próxima gestão. Trazer para dentro da realidade do clube alguém ligado a cada um dos candidatos foi a forma encontrada.

"Um indicado de cada candidato a presidente para participar efetivamente da gestão. Isso possibilitará que o novo presidente faça transição desde agora, com responsabilidade e ideias. Planejamentos. A gente quer, sim, a participação de todos. A situação é tão catastrófica que só eu e meu grupo... Temos que ser humildes. Tenho pós-graduação em administração, em contabilidade, economia, gestão de futebol e marketing esportivo. Mas um grupo só não consegue resolver. Precisamos de todos os verdadeiros santistas. Conversei com alguns candidatos, conversarei com todos. Alguns toparam. É apolítico, não sou candidato. Meu grupo está aberto a apoiar um candidato com maior afinidade. Peço humildemente apoio e auxílio", declarou.

Santos