PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Blogueiros: Seguir protocolo Uefa, com 13 atletas, é o melhor pro Brasil?

Do UOL, em Santos (SP)

26/09/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Colunista analisam se seguir protocolo da Uefa, com mínimo de 13 atletas, é o melhor pro Brasil
  • Menon: "Cada clube pode inscrever 40 jogadores, é difícil que não tenha 13 para jogar"
  • Perrone: "Protocolo deve ter como foco a capacidade de transmissão do vírus durante um jogo"
  • "Mínimo de atletas disponíveis deveria ser 16, não 13", analisa Renato Maurício Prado

Ao responder sobre os desdobramentos do pedido do Flamengo para o adiamento da partida contra o Palmeiras, marcado para amanhã (27), pelo Campeonato Brasileiro, o secretário-geral da CBF, Walter Feldman, afirmou que a entidade decidiu adotar o mesmo critério da Uefa para que uma partida aconteça: mínimo de 13 atletas por time.

Segundo a CBF, o time carioca só não enfrentará o Palmeiras se não tiver pelo menos 13 jogadores disponíveis. "Isso não tem a ver com o Flamengo, mas tem a ver com decisões que se somaram e já tem jurisprudência", disse em entrevista à ESPN.

Seguir o protocolo Uefa, com mínimo de 13 atletas, é o melhor para o Brasil? Fizemos essa pergunta aos colunistas do UOL Esporte. Veja o que eles pensam sobre o tema:

ANDRÉ ROCHA

O melhor protocolo seria o que preserva vidas, não interesses comerciais.

Leia o blog do André Rocha.

ANDREI KAMPFF

Antes tarde do que mais tarde. Desde o início bati na tecla que era preciso determinar no protocolo um número objetivo para adiamento dos jogos. 13 atletas? Não sei. O que sei é que definir um número de atletas aptos para a realização dos jogos traz segurança jurídica, coloca uma régua que vale para todos e enfraquece tese de favorecimento para A ou B.

Leia o blog Lei em Campo.

DANILO LAVIERI

O importante é a CBF ter deixado claro qual é o protocolo de verdade. Copiando ou não da Uefa, agora os times têm uma régua para saber se é justa ou não a decisão de adiar uma partida.

Leia o blog do Danilo Lavieri.

JUCA KFOURI

O melhor protocolo é o do bom senso e em situações emergenciais deve-se adotar soluções emergenciais. Estamos tratando de vidas, muito mais importante que resultados no futebol.

Leia o blog do Juca.

MARCEL RIZZO

Precisa ter um protocolo e definir uma regra em que pode adiar partidas. 13 é um número usado em outros torneios e que pode servir de base.

Leia o blog do Marcel Rizzo.

MENON

Acho correto seguir o protocolo da UEFA. É um bom parâmetro. Cada clube pode inscrever 40 jogadores, é difícil que não tenha 13 para jogar.

Leia o blog do Menon.

MILTON NEVES

Essa situação é muito nova. Difícil dizer o que é melhor ou pior, ainda mais sem ter conhecimento médico. Mas, se por lá está dando certo, pode ser que seja o melhor para o nosso futebol também.

Leia o blog do Milton Neves.

PERRONE

Entendo que o protocolo não deve priorizar a quantidade de jogadores. Deve ter como foco principal a capacidade de transmissão do vírus durante uma partida. Uma comissão de médicos deveria avaliar o risco de transmissão nos jogos de cada equipe que apresentou jogadores infectados e dizer se é seguro fazer a partida. Quantidade de atletas pouco importa perto da saúde deles. Só liberar as inscrições.

Leia o blog do Perrone.

  • Após gritaria, cartolas ainda tentam acordo por volta de público... - Veja mais em https://blogdoperrone.blogosfera.uol.com.br/2020/09/apos-gritaria-cartolas-ainda-tentam-acordo-por-volta-de-publico/?cmpid=copiaecola
    Após gritaria, cartolas ainda tentam acordo por volta de público... - Veja mais em https://blogdoperrone.blogosfera.uol.com.br/2020/09/apos-gritaria-cartolas-ainda-tentam-acordo-por-volta-de-publico/?cmpid=copiaecola
    Após gritaria, cartolas ainda tentam acordo por volta de público

RENATO MAURÍCIO PRADO

Não gosto do protocolo da Uefa. Se a Fifa, por causa da pandemia, admite cinco substituições por partida, o mínimo de atletas disponíveis deveria ser 16, não 13.

Leia o blog do Renato Maurício Prado.

Futebol