PUBLICIDADE
Topo

Brasileirão - 2020

Covid: CBF, clubes e atletas estudam novo protocolo após surto no Flamengo

Funcionário desinfecta Estádio Monumental de Guayaquil antes de Barcelona (EQU) x Flamengo pela Copa Libertadores 2020 - RODRIGO BUENDIA / POOL / AFP
Funcionário desinfecta Estádio Monumental de Guayaquil antes de Barcelona (EQU) x Flamengo pela Copa Libertadores 2020 Imagem: RODRIGO BUENDIA / POOL / AFP

Pedro Lopes e Rodrigo Mattos

Do UOL, no Rio de Janeiro e em São Paulo

24/09/2020 18h32

Classificação e Jogos

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF), representantes de clubes e dirigentes de entidades sindicais que representam atletas estudam e debatem mudanças no protocolo do Brasileirão após o Flamengo ser atingido por 16 casos de covid-19 e pedir adiamento do confronto de domingo diante do Palmeiras. A discussão gira em torno do estabelecimento de um critério fixo para adiamento de jogos em casos de surtos de coronavírus.

Uma das possibilidades, colocada pelo Sindicatos dos Atletas Profissionais de Futebol do Município de São Paulo e com apoio de alguns atletas da capital paulista, é a de estabelecer um limite máximo de jogadores contaminados por clube antes de qualquer partida. Nesse cenário, se um clube tiver mais do que 10 ou 12 casos de covid-19 (o número ainda estaria aberto), o jogo seria automaticamente adiado. Em caso de infecções abaixo do limite, aconteceria normalmente.

Há também sobre a mesa, do lado da CBF, a proposta de basear o critério no número de jogadores disponíveis para a partida. Neste outro cenário, o clube teria que ter, dentre os inscritos, um time titular e mais um número determinado de opções para o banco de reservas antes de qualquer rodada. Caso o mínimo não fosse atingido, o adiamento aconteceria automaticamente. Há, aqui, possibilidade de ampliação do número de inscritos.

Neste contexto, são estudados os modelos adotados por Uefa e Conmebol. No caso da entidade europeia, um clube precisa ter pelo menos um goleiro e 12 atletas de linha para que a partida aconteça. Nas regras da confederação sul-americana, o número é menor: sete atletas. Seja qual for o número escolhido, a ideia é de que haja adiamento automático caso ele não seja atingido.

A CBF vem adotando atualmente, informalmente, o critério da Uefa: o time precisa de 13 jogadores para atuar. Os clubes irão debater se topam oficializar a regra e incluí-la no protocolo, ou se haverá propostas de mudança.

A discussão ainda está em estágio inicial, foi citada brevemente pelo presidente da CBF Rogério Caboclo em discussão com os clubes nesta quinta-feira. A ideia é evitar disputas como a que acontece agora entre Flamengo e Palmeiras na sequência do Campeonato, com a criação de um critério único e indiscutível.

A CBF atualmente analisa o pedido do Flamengo para adiar o confronto de domingo diante do Palmeiras, que aconteceria no Allianz Parque. O alviverde é contra o adiamento, e seus atletas já se manifestaram publicamente pela realização da partida.