PUBLICIDADE
Topo

Futebol

CBF vê Brasil como exemplo na volta do futebol: 'Resultado extraordinário'

Walter Feldman, secretário-geral da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), elogiou a volta do futebol no Brasil - Lucas Figueiredo/CBF
Walter Feldman, secretário-geral da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), elogiou a volta do futebol no Brasil Imagem: Lucas Figueiredo/CBF

Do UOL, em São Paulo

24/09/2020 21h29

Classificação e Jogos

O secretário-geral da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Walter Feldman, afirmou hoje que o Brasil virou exemplo pela maneira como conseguiu retomar o futebol em meio à pandemia do novo coronavírus.

Feldman fez um elogio ao citar o caso do Flamengo, que sofreu um surto de coronavírus no elenco antes e depois de enfrentar o Barcelona-EQU, fora de casa, pela Libertadores.

"Hoje, o ambiente do futebol é muito protegido e controlado. Episódios como o do Flamengo ocorreram extra futebol, fora, paralelo. Os jogadores jogando têm melhores condições físicas e proteção do que se estivessem em casa, desesperados, com problema de saúde mental. Não temos nenhum tipo de contradição sobre a volta das competições. Foram extremamente positivas. Hoje, o Brasil é um case", disse à ESPN.

"O caso do Flamengo é à parte. Aconteceu alguma coisa, estamos estudando, talvez a viagem ao Equador, algum problema que tem que ser verificado", acrescentou.

De acordo com Feldman, os protocolos adotados resultaram em um "resultado extraordinário" para a volta do esporte no país.

"O resultado é extraordinário. O Brasil voltou a jogar futebol por conta de responsabilidade, segurança no protocolo de saúde. O caso do Flamengo será estudado em detalhe para saber o que aconteceu. Eles têm controle maior que outros clubes pela situação financeira. É ponto fora da curva."

Reunião entre CBF, federação e clubes

Por fim, o secretário-geral da CBF foi questionado sobre a reunião realizada hoje entre CBF, federação e clubes para definir a volta do público aos estádios.

"Isso é um processo em debate. Como houve demanda de clubes, iniciamos o debate, consultamos o Ministério da Saúde, hoje consultamos os clubes e não existe nenhum consenso. A reunião apenas iniciou. É provável que façamos outras reuniões nas próximas semanas", explicou.

Futebol