PUBLICIDADE
Topo

Flamengo

'Semana maluca' não acaba, e Flamengo encara novos problemas no Brasil

Jogadores do Flamengo em momento de união antes de jogo contra o Barcelona-EQU pela Copa Libertadores 2020 - RODRIGO BUENDIA / POOL / AFP
Jogadores do Flamengo em momento de união antes de jogo contra o Barcelona-EQU pela Copa Libertadores 2020 Imagem: RODRIGO BUENDIA / POOL / AFP

Leo Burlá

Do UOL, no Rio de Janeiro

23/09/2020 04h00

Classificação e Jogos

A vitória por 2 a 1 sobre o Barcelona-EQU, ontem (22) à noite, foi muito festejada e trouxe alívio para o Flamengo, mas a 'semana maluca' vivida em Quito e Guyaquil ainda terá novos capítulos na volta ao Rio de Janeiro.

O saldo da viagem não se resume ao massacre por 5 a 0 imposto pelo Del Valle e ao triunfo de ontem, mas também ao surto de Covid-19 que se abateu sobre a delegação, que soma nove infectados entre jogadores (sete) e demais integrantes do departamento de futebol. O cenário caótico expôs as dificuldades para colocar em marcha o protocolo de saúde em deslocamentos longos e ainda deve render desdobramentos.

No Equador, os rubro-negros temem que haja ainda muitos outros casos positivos a serem diagnosticados. O próprio técnico Domènec Torrent externou a preocupação com o momento e deu a entender que más notícias ainda virão.

"Amanhã [hoje] os jogadores vão fazer recuperação e outros vão treinar. Precisamos treinar juntos. Jogamos os 35 minutos iniciais como treinamos. Estou muito agradecido pelo esforço dos jogadores. Não sei o que vai acontecer amanhã [esta quarta-feira], mas pode ser que tenhamos mais jogadores positivos", disse Dome.

Os testes positivos em massa quase melaram o jogo de ontem. Não fosse a intervenção da Conmebol e o aval do Ministério da Saúde equatoriano, a bolo sequer rolaria. A Prefeitura de Guayaquil chegou a declarar que o Estádio Monumental estava inapto para a partida, mas se rendeu às ordens superiores.

Ante tantos desfalques, o Fla vai encarar uma nova batalha nos bastidores para tentar ganhar tempo para recuperação. O Rubro-Negro enviou um ofício à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) pedindo o adiamento da partida contra o Palmeiras, marcada para domingo (27), pelo Brasileiro, no Allianz Parque. No documento, a cúpula indicou, além de um prejuízo técnico diante do alto número de desfalques, o risco também de novos casos nos próximos dias. A disputa não promete ser nada fácil, visto que o Alviverde não tem interesse em remarcar o duelo.

Com ou sem a partida, trabalho não falta para o espanhol. Contra o Barcelona, o sistema defensivo mais uma vez deu sustos na torcida e voltou a mostrar deficiências. Sem Isla e Filipe Luís (ambos contaminados), as laterais viraram um grande problema. João Lucas, um dos quatro jogadores que encararam 36 horas de viagem para integrar o grupo, deve ter uma chance. O atleta, no entanto, também vem de uma contusão e não está 100%. O zagueiro Thuler foi improvisado no setor contra os equatorianos e cumpriu seu papel.

"Precisamos treinar juntos. Jogamos os 35 minutos iniciais como treinamos. Estou muito agradecido pelo esforço dos jogadores. Tenho de estar focado em melhorar, precisamos jogar durante mais tempo melhor. Jogadores não são máquinas, treinamos juntos apenas dez dias. Se não há tempo para treinar, não há como analisar o trabalho", completou Dome.

Com nada menos que 11 desfalques, o Fla trabalha para dar boas notícias para Torrent. Lesionados, o atacante Pedro Rocha e o goleiro Diego Alves seguiram tratamento no Rio e a esperança é que estejam aptos para os próximos compromissos. Com dores na coxa, Gabigol também intensifica os esforços para voltar a reforçar a equipe.

Flamengo