PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Mauro: Cartolas negam, mas Fla está constantemente envolvido com políticos

Do UOL, em São Paulo

22/09/2020 04h00

O Brasil já teve mais de 137 mil mortos devido à Covid-19 e ainda tem um número elevado de infectados e óbitos diários, mas nos últimos dias o prefeito do Rio de Janeiro, Marcello Crivella (Republicanos), anunciou a volta do público ao Maracanã para o jogo entre Flamengo e Athletico-PR, em 4 de outubro, pelo Brasileirão. A decisão foi adiada pelo governo do Estado do Rio, mas a Confederação Brasileira de Futebol sinaliza uma reunião com o ministério da Saúde visando o retorno dos torcedores aos estádios em novembro.

No podcast Posse de Bola #58, Mauro Cezar Pereira comenta o interesse político por trás da discussão a respeito da volta dos torcedores aos estádios no Brasil, antes mesmo de países que estão mais avançados no controle da pandemia, e ressalta a ligação da gestão atual do Flamengo com políticos, ao mesmo tempo em que diz oficialmente não se envolver em política.

"Isso surge também em função, embora não justifique, obviamente, do próprio oportunismo político de quem governa o Rio de Janeiro. O prefeito está envolvido nisso também, o prefeito também está preocupado com a eleição. E, embora os cartolas do Flamengo que dizem que o clube não se envolve em política, lá atrás emitiram até uma nota oficial com esse tipo de alegação, de argumentação, constantemente o Flamengo está aí envolvido com os políticos", diz Mauro Cezar.

"Agora, só o Flamengo está nessa, os outros clubes não estão. Mas também a gente não pode achar porque não estão todas as condutas são corretas. Não faz sentido também o Fluminense entrar com faixa em campo, ou o Botafogo. O Botafogo entrou com faixa e não paga salário, o Fluminense entra com faixa e não sei o quê, preocupado com o vírus, e bota o jogador infectado em campo. Assim, o Flamengo é o grande malvadão aí dessa história? Acho que sim, é o que se posiciona pior. O Vasco vem junto ali com o seu presidente, mas os outros também são muito contraditórios", completa.

Andrés desvia o foco ao ameaçar não entrar em campo

Apesar de criticar a postura do Flamengo, Mauro também comenta as declarações recentes de Andrés Sanchez, que afirmou que o Corinthians não entrará em campo caso haja a decisão de liberação do público apenas nos jogos no Rio de Janeiro.

"Esse negócio do Andrés Sanchez, veja bem, eu não estou dizendo que o Flamengo não tem, que a conduta é correta, de novo, antes que alguém entenda errado, pelo contrário, é óbvio que está errado o Flamengo, mas aí é chover no molhado, eu estou tentando ir além. E para o presidente do Corinthians, qualquer discurso meio confuso aí ou não, como esse, qualquer conversa que fuja do futebol, é ótima para ele", diz o jornalista.

Comparando os dirigentes do futebol aos políticos, Mauro afirma ainda que não se poderia esperar outro tipo de postura por parte deles, pela forma como funciona a política brasileira. Ele ainda lembra que Rodolfo Landim, presidente do Flamengo, não deu nenhuma declaração após a goleada por 5 a 0 sofrida diante do Independiente Del Valle, pela Libertadores, apontando que o dirigente costuma aparecer em momentos favoráveis.

"Tudo errado, mas repete a história. Se você tem o país governado e as cidades administradas por pessoas que têm esse tipo de conduta, por que no futebol seria diferente? Por que a gente vai achar que no futebol vai ser diferente? É claro que vai ser igual, vai ser a mesma coisa, é o Brasil. Não é surpreendente, nem um pouco surpreendente", declara Mauro.

"5 a 0 no lombo, está lá, tem uma comitiva numerosa, foi o vice de futebol, mas numa situação dessa o presidente tem que estar junto ou aparecer em algum momento para falar. O vice vai lá dar entrevista e tal. Tudo bem, ele tem que delegar, mas pela gravidade do que aconteceu, e agora com esse problema, ele deveria obrigatoriamente ir até a imprensa e falar a respeito disso. Mas ele vai escolher algum espaço onde ele vai se sentir mais à vontade para falar", conclui.

Posse de Bola: Quando e onde ouvir?

A gravação do Posse de Bola está marcada para segundas e sextas-feiras às 9h, sempre com transmissão ao vivo pela home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte nas redes sociais (YouTube, Facebook e Twitter). A partir de meio-dia, o Posse de Bola estará disponível nos principais agregadores de podcasts.

Você pode ouvir o Posse de Bola em seu tocador favorito, quando quiser e na hora que quiser. O Posse de Bola está disponível no Spotify e na Apple Podcasts, no Google Podcasts e no Castbox . Basta buscar o nome do programa e dar play no episódio desejado. No caso do Posse de Bola, é possível ainda ouvir via página oficial do UOL e YouTube do UOL. Outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts.

Futebol