PUBLICIDADE
Topo

Flamengo

Goleada sacode ambiente e Flamengo busca explicações após derrota por 5 a 0

Jogadores do Flamengo lamentam derrota para o Independiente del Valle na Libertadores  - Pool/Getty Images
Jogadores do Flamengo lamentam derrota para o Independiente del Valle na Libertadores Imagem: Pool/Getty Images

Leo Burlá

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

18/09/2020 13h28

O Flamengo já está em Guyaquil, local da partida de terça-feira (22) contra o Barcelona, às 19h15, no Monumental, mas o massacre por 5 a 0 imposto pelo Independiente del Valle acompanha a delegação no Equador.

O dia seguinte ao massacre é marcado por caras amarradas e muitas conversas nos bastidores. Impactados pelo atropelo, jogadores, dirigentes e comissão técnica buscam explicações para justificar a pior derrota do clube na história da Libertadores.

O ambiente é de pura consternação e ambiente é de ressaca total. Com muitos integrantes da cúpula do clube presentes na viagem, incluindo o presidente Rodolfo Landim, os bastidores fervem e, como era de se esperar, o futuro do trabalho de Dome é tema das rodas de conversa.

A permanência no Equador dá algum fôlego para o espanhol, mas a goleada fez a temperatura subir de maneira anormal para os padrões recentes do clube.

Domenec Torrent durante a derrota do Flamengo para o Independiente del Valle, na Libertadores - Pool/Getty Images - Pool/Getty Images
Imagem: Pool/Getty Images

Questionado se temia perder o cargo, o técnico saiu pela tangente e deixou a responsabilidade nas mãos dos dirigentes rubro-negros:

"Eu não sei. Estou concentrado em trabalhar, assim como os jogadores. Se você quer falar disso [demissão], tem de falar com outras pessoas, não comigo".

Para diminuir a fervura, o vice de futebol Marcos Braz convocou uma coletiva para amanhã (19). O dirigente entra mais uma vez em cena para apagar o fogo após um tropeço.

Dessa vez, no entanto, a diferença é que Torrent e seus auxiliares vivem uma pressão que atinge níveis alarmantes, embora não haja internamente a sensação de que haja um boicote ao trabalho.

Não foi detectado um problema de relacionamento e é corrente que o espanhol trabalha incansavelmente para superar a situação. A leitura mais comum é que simplesmente o casamento "não aconteceu".

A equipe sequer tem tempo para lamentar e já volta hoje aos treinos. Na parte da tarde, o time trabalha sob o comando do espanhol e precisa ressurgir das cinzas e mostrar sua força. Um novo tropeço dificilmente manterá as coisas como elas estão.

Flamengo