PUBLICIDADE
Topo

UOL Esporte vê TV

Sylvinho acredita em rápida recuperação do Barcelona: 'Grande potencial'

Sylvinho jogou no Barcelona de 2004 a 2009 - Matthias Rietschel/Reuters
Sylvinho jogou no Barcelona de 2004 a 2009 Imagem: Matthias Rietschel/Reuters

Colaboração para o UOL, em São Paulo

29/08/2020 23h52

Em crise após a goleada história na Liga dos Campeões e próximo de perder Lionel Messi, o Barcelona, para Sylvinho, se levantará rapidamente. Com passagem pelo clube entre 2004 e 2009, o ex-jogador e auxiliar técnico de Tite na Copa do Mundo de 2018 afirmou que times com o potencial do Barça se recuperam em um curto espaço de tempo.

"Eu costumo dizer isso: clubes em potencial, como o Barcelona, não demoram tanto tempo para se levantar e mudar os resultados. O Barcelona tem esse potencial, como eu entendo que o Real Madrid também tem. São clubes de um potencial enorme, têm facilidade em angariar atletas de altíssimo nível, são atrativos demais. (...) É um clube em grande potencial, que normalmente não precisa de tanto tempo", disse Sylvinho em entrevista ao "Bola da Vez", da ESPN.

O ex-jogador ainda recordou o período de transição vivido pelo clube com a chegada de Pep Guardiola, em 2008, e destacou o DNA azul-grená.

"Quando se fala de metodologia, o Barcelona tem a forma dele de jogar, o seu DNA. Ela não vai mudar. Agora, o que é bom pode ser melhor. Eu vivi uma situação de transição quando, depois de quatros anos no Barcelona, onde ganhamos dois campeonatos e uma Liga dos Campeões, em 2006, o time da era (Frank) Rijkaard acabou tendo algumas dificuldades de relacionamento, o tempo passa e os atletas ficam mais velhos, outros, naturalmente, iriam sair, e a gente viveu um momento de transição. Esse foi o primeiro ano do Guardiola", lembrou.

Em relação à saída de Messi do Barça, Sylvinho destacou o bom relacionamento com o argentino e torce para o craque tomar a melhor decisão. Segundo o jornal Marca, da Espanha, o clube já sabia da vontade do jogador em deixar o clube desde julho.

"O Messi tinha 17 anos e uma admiração enorme por Ronaldinho e Deco, eles eram muito próximos. Mas, de uma forma mais íntima porque o meu espanhol é oriundo de um espanhol argentino. (...) A gente se divertia muito. Nós tínhamos uma relação muito boa", contou o ex-jogador.

"Um atleta formidável, o melhor, que fez dos números algo extraordinário. Se tiver que sair, ele vai buscar o caminho dele. Ele é muito bem amparado pela família, os pais sempre deram suporte a ele. Eu tenho convicção de que ele vai tomar a melhor decisão que tiver que ser tomada", completou.

UOL Esporte vê TV