PUBLICIDADE
Topo

Brasileirão - 2020

Flu vira sobre o Inter com dois pênaltis e vence a primeira após parada

Do UOL, em Porto Alegre

16/08/2020 19h53

Classificação e Jogos

O Fluminense venceu seu primeiro jogo oficial no tempo normal desde a paralisação nas competições oficiais em razão da pandemia de novo coronavírus. Hoje (16), no Maracanã, o Flu marcou dois gols de pênalti, ambos com Nenê, para virar sobre o Inter. O placar do jogo da terceira rodada do Brasileiro foi 2 a 1. Guerrero fez o gol do Inter.

Com a vitória, o Tricolor soma quatro pontos na classificação. Já o Colorado tem seis.

Na próxima rodada, o Fluminense visita o Bragantino, quarta-feira, às 19h15 (de Brasília). No mesmo dia, o Inter encara o Atlético-GO, no Beira-Rio, às 20h30 (de Brasília).

Foi bem: Experiente, Nenê marca duas vezes de pênalti

Nenê teve dois pênaltis para cobrar, e conseguiu 100% de aproveitamento. O meia de 39 anos esbanjou experiência para bater Marcelo Lomba nas duas ocasiões.

Paolo Guerrero cria e marca mais uma vez

Paolo Guerrero foi a principal figura ofensiva do Inter em campo. Além de criar uma boa chance para Edenilson, marcou o primeiro gol do confronto, seu terceiro no campeonato.

Foi mal: Cuesta falha por cima e comete pênalti

Victor Cuesta voltou a falhar em uma bola aérea. O argentino errou o tempo de bola em um cruzamento e cometeu pênalti em Evanílson. Nenê, na cobrança, empatou o jogo no primeiro tempo. No segundo tempo, errou novamente numa disputa com Nenê e o Fluminense até marcou, mas o gol foi anulado pelo árbitro de vídeo.

Suspeita de Covid-19 impede primeiro jogo de Odair contra o Inter

Odair Hellmann seria rival do Inter pela primeira vez em jogos oficiais. Mas não aconteceu. Com suspeita de Covid-19, o técnico do Fluminense foi isolado e não esteve na partida de hoje. À beira do gramado, foi substituído pelo auxiliar Maurício Dulac.

O jogo do Fluminense: Muita força e empenho

A torcida do Fluminense não pode se queixar sobre o empenho dos jogadores. O time carioca correu muito, se esforçou a cada lance, mas pecou muitas vezes na falta de manutenção da posse de bola. Retomadas e bolas perdidas em seguida pautaram as movimentações do time tricolor. Nenhuma conclusão havia chegado a Marcelo Lomba até o pênalti cometido por Cuesta em Evanílson. Nenê marcou. Na etapa final, o Flu cresceu. Marcou um gol anulado pelo VAR e pressionou o suficiente para virar. Com novo pênalti, mostrou eficiência.

O jogo do Inter: Inter joga no ataque, mas erra muito

O Inter manteve o formato que tem adotado. Ofensivo, a equipe manteve a posse de bola no campo do adversário. Porém cometeu falhas repetidas ao se aproximar do gol. Perdeu uma chance até abrir o marcador. E quando tentava iniciar suas jogadas, também falhou em locais perigosos do campo. No segundo tempo o domínio diminuiu e os erros cresceram, prejudicando bastante o rendimento do time gaúcho, que perdeu.

Fuchs, vendido, fica fora do jogo

Uma hora antes da partida, o Internacional informou que Bruno Fuchs não participaria do jogo. Como o UOL Esporte informou ontem, o jogador irá atuar no CSKA Moscou, da Rússia, em negociação que será concluída ao longo da semana. Ao invés de Rodrigo Moledo, Coudet preferiu escalar Zé Gabriel na zaga ao lado de Cuesta e causou surpresa.

FICHA TÉCNICA
FLUMINENSE 2 X 1 INTERNACIONAL

Data: 16/08/2020 (Domingo)
Local: Maracanã, no Rio de Janeiros (RJ)
Árbitro: Raphael Claus
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon Manis e Fabrini Bevilaqua Costa
VAR: José Claudio Rocha Filho
Cartões amarelos: Dodi e Nino (FLU); Boschilia, Edenilson e Saravia (INT)
Gols: Guerrero, do Inter, aos 28 minutos do primeiro tempo; Nenê, do Fluminense, aos 40 minutos do primeiro tempo e aos 32 minutos do segundo tempo;

FLUMINENSE
Muriel; Igor Julião, Nino, Lucas Claro e Egídio; Dodi, Yuri Oliveira, Michel Araújo (Wellington Silva), Nenê (Ganso) e Marcos Paulo (Luiz Henrique); Evanílson (Yago Felipe).
Técnico: Odair Hellmann

INTERNACIONAL
Marcelo Lomba; Saravia, Zé Gabriel, Cuesta e Moisés; Lindoso (Musto), Edenilson, Patrick (Yuri Alberto) e Boschilia (Marcos Guilherme); Galhardo (Peglow) e Guerrero (Pottker).
Técnico: Eduardo Coudet