PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Palmeiras e Corinthians abandonam diplomacia e esquentam dérbi final

Mateus Vital e Rony discutem durante Corinthians x Palmeiras, na primeira final do Paulistão 2020 - Reprodução/TV Globo
Mateus Vital e Rony discutem durante Corinthians x Palmeiras, na primeira final do Paulistão 2020 Imagem: Reprodução/TV Globo

Samir Carvalho

Do UOL, em São Paulo (SP)

07/08/2020 04h00

Classificação e Jogos

Os bastidores de Palmeiras e Corinthians esquentaram após as polêmicas nos últimos dias, principalmente, envolvendo o protocolo de saúde por conta da pandemia do coronavírus antes da decisão do Campeonato Paulista. Além disso, declarações e troca de farpas fora de campo estremeceram a relação entre os clubes e esquentaram o clima para o dérbi final do Estadual, amanhã (8), às 16h30 (de Brasília), no Allianz Parque.

Segundo apurou o UOL Esporte, o Palmeiras evitou a "diplomacia" que ocorre antes de a bola rolar no empate sem gols entre os rivais na última quarta-feira (5), na Arena Corinthians. Como de costume, após atletas e dirigentes desceram dos ônibus e irem para o vestiário, eles sempre se encontram à beira do campo para conversar e trocar presentes.

No entanto, o presidente do Palmeiras, Maurício Galiotte, e o assessor de futebol do clube e ex-zagueiro, Edu Dracena, evitaram o encontro no gramado no primeiro jogo da final. Após o vestiário, enquanto os atletas foram para o campo, eles seguiram diretamente para o camarote da Arena Corinthians.

No jogo pela fase de grupos, também na Arena, no último dia 22, por exemplo, a diplomacia e a troca de presentes existiram entre as diretorias. Um estojo com camisetas e objetos dos clubes foram trocados antes da vitória do Timão por 1 a 0.

No primeiro jogo da final, apenas o preparador físico, Antônio Mello, fez a boa política com a cúpula do Corinthians batendo papo antes do jogo. Na visão dos corintianos, Dracena e Galiotte deveriam estar envergonhados, principalmente, pelas declarações de Dracena no programa Mesa Redonda da TV Gazeta, quando o ex-zagueiro disse que esperava que o clássico não fosse decidido fora de campo.

"Tomara que a Ana Paula de Oliveira [presidente da comissão de arbitragem da FPF] possa escalar o melhor árbitro para os dois jogos, porque sabemos que clássico e final envolvem muita coisa. Temos que estar bem tranquilos, mas, da mesma forma, ligados para que esses detalhes não façam diferença, como fizeram em alguns jogos", disse Dracena.

"Não vou citar aqui, porque todo mundo já sabe o que aconteceu. Tomara que possamos estar falando no sábado do jogo, um jogo bonito, decidido dentro de campo, entre os 22 jogadores. E não ficar falando de lances polêmicos para não estragar o campeonato. Então, vamos ter que fazer algo a mais: jogar de igual para igual, chegar junto como eles chegam, fazer coisas que a diretoria do clube também faz. O Palmeiras vai estar preparado dentro e fora de campo para o que acontecer. No futebol, infelizmente, tem algumas coisas que você vê e acaba duvidando de muitas coisas. Então, devemos ficar espertos e vamos estar preparados dentro e fora de campo para essa grande final de campeonato", completou.

Discussão sobre protocolos

O duelo esquentou antes de a bola rolar por conta dos protocolos de saúde adotados por Corinthians e Palmeiras. O clube alvinegro declarou que mantém seu elenco confinado desde a volta do Estadual e, por isso, não precisava fazer testes antes do primeiro jogo da final. Já o rival alviverde optou por outra estratégia.

O Corinthians alega que testou os atletas ontem (6), após o primeiro jogo, porque já havia acertado desta forma com a Federação Paulista de Futebol (FPF), conforme o protocolo elaborado pela entidade e seu comitê médico, após aprovação exigida pelo governo do Estado de São Paulo, Prefeitura de São Paulo e prefeituras de todas as cidades dos demais clubes participantes do Estadual.

O presidente Andrés Sanchez, inclusive, não poupou críticas à postura do rival. "A Federação não pediu para o Corinthians refazer os testes. Sabem por quê? Porque cumprimos TODOS os protocolos. Falem com quem descumpriu", disparou Andrés em postagem no Twitter ao divulgar uma nota citando a irresponsabilidade do Palmeiras.

Acusado pelo Corinthians de não cumprir o protocolo de saúde para a volta dos jogos, o Palmeiras rebate argumentando que tem feito até mais do que o necessário. Diferentemente do rival, o Verdão não mantém o grupo confinado durante todo o tempo e entende que é melhor fazer mais testes do que realizar a concentração até o fim do Estadual. A FPF e o governo estadual aceitaram as escolhas dos dois clubes.

Pressão na arbitragem

O clássico também esquentou por conta da escolha do árbitro Luiz Flávio de Oliveira para a segunda final do Campeonato Paulista. Os membros da uniformizada levaram a seguinte faixa: "Cadê o sorteio do apito?". Durante o período em que ficaram em frente ao prédio, puxaram gritos como: "se o Palmeiras não ganhar, olê, olê, olá, o pau vai quebrar", "não é mole não, não tem sorteio para roubar o meu Verdão", além de ofensas a Luiz Flávio.

Internamente, os corintianos entendem o protesto como pressão contra a arbitragem para a final e que eles reclamariam, independentemente do árbitro que fosse escolhido para apitar o segundo e decisivo jogo da final do Paulistão neste sábado. Com o empate sem gols no primeiro jogo, o vencedor da partida no "tempo normal" fica com o título. Em caso de empate, o campeão será definido nos pênaltis.

Futebol