PUBLICIDADE
Topo

UOL Esporte vê TV

Marcelo Barreto destaca 'privilégio' de conviver com Rodrigo Rodrigues

Marcelo Barreto no programa Redação SporTV  - Reprodução/SporTV
Marcelo Barreto no programa Redação SporTV Imagem: Reprodução/SporTV

Colaboração para o UOL, em São Paulo

29/07/2020 11h00

Um dos responsáveis pela ida de Rodrigo Rodrigues para o SporTV, Marcelo Barreto interrompeu as férias para participar do Redação SporTV de hoje e homenagear o comunicador, que morreu ontem aos 45 anos, vítima de complicações da covid-19.

Emocionado, Barreto recordou a estreia de RR no programa e agradeceu pela chance de conviver com o comunicador, mesmo que por um curto período de tempo.

"O Rodrigo facilitava as coisas para os amigos. O Rodrigo já vinha com o almoço marcado, então nem tinha como enrolar. Foi uma honra ter participado da vinda do Rodrigo para o SporTV. Ele veio para fazer o News e o Redação, então, eu tive uma pequena voz neste processo decisório. Eu me lembro que, quando o Rodrigo participou pela primeira vez, o texto que eu preparei era assim: Rodrigo, eu sabia que você era legal, mas não sabia que você era tão legal. Eu fiquei com vergonha de dizer isso, porque me bateu que eu já deveria saber que ele era tão legal. Bastou um ano para eu me sentir, ontem, como se tivesse perdido um amigo de infância. Um cara que passou a fazer parte das nossas vidas neste período tão curto", afirmou Barreto.

"Hoje, eu acho que a gente tem, talvez, que começar a ver de outro jeito. Acho que a gente tem que agradecer pelo fato de que ele passou também por essa casa. O privilégio de conviver com ele. Ninguém convive só um pouquinho com o Rodrigo. Ele te abraça. Meu sentimento é de gratidão por ter sido uma dessas pessoas, por ter tido a chance de fazer parte desta vida extraordinária do Rodrigo", completou.

Barreto aproveitou o momento para recordar as quase 90 mil vítimas de covid-19 no Brasil, afirmando que o Rodrigues é apenas uma delas.

"Quando eu digo vida extraordinária, eu acho que é importante a gente fazer uma ressalva: O Rodrigo é só uma das quase 90 mil vidas perdidas. Quando você falou da família, essa foi a primeira coisa que me ocorreu. Outras milhares de famílias estão passando pela mesma dor, outros milhares de amigos estão passando por essa dor. A gente não quer transformar o Rodrigo numa vítima especial dessa tragédia que é a covid. A gente está querendo demonstrar o quanto ele é especial para nós", concluiu.

UOL Esporte vê TV