PUBLICIDADE
Topo

'Envelopar' social? Vasco avalia publicidades para jogos sem público no BR

Vasco estuda ações para os jogos sem público em São Januário no Campeonato Brasileiro - Rafael Ribeiro / Vasco
Vasco estuda ações para os jogos sem público em São Januário no Campeonato Brasileiro Imagem: Rafael Ribeiro / Vasco

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

27/07/2020 04h00

Sem o menor prazo de quando se terá público nos estádios, o Campeonato Brasileiro se aproxima de seu início e o Vasco já avalia as possibilidades de diminuir os impactos financeiros de não poder contar com seu torcedor.

Uma das práticas avaliadas pelo departamento de marketing, mas que encontra obstáculos, é "envelopar" o setor social com logotipos de patrocinadores, algo que têm sido utilizado com frequência pelos clubes europeus que já retomaram suas atividades em seus países.

Gerente de marketing cruz-maltino, Fábio Monterosso vê pontos positivos e negativos na adoção desta prática.

"Temos interesse, mas existem algumas questões aí que dificultam evoluirmos. Uma é o investimento financeiro que deve ser feito, e sem sabermos por quanto tempo exatamente ficaremos sem público. O outro ponto importante é conflitar com os patrocínios das placas de publicidade de campo. Mesmo que sejam em propriedades diferentes, podem acabar concorrendo com a exposição que o telespectador tem", avaliou ao UOL Esporte.

Em relação ao uso de fotos de torcedores nas cadeiras mediante pagamento, o Vasco, por ora, não pretende adotar. O foco maior do marketing continua sendo as renovações do programa de sócios-torcedores e as ações para o mês de aniversário do clube, que contará com o lançamento do novo uniforme produzido pela Kappa, uma live da cantora Lexa e também terá a inauguração do centro de treinamento em Jacarepaguá (RJ).

Castan diz que Vasco perde "o craque do time"

Capitão da equipe, Leandro Castan dimensionou a falta de público em São Januário como a perda do "craque do time". O zagueiro fez questão de exemplificar dois jogos do ano passado em que a força da torcida o marcou.

"A gente perde o craque do nosso time, na verdade. Vou citar dois jogos que ficaram marcados para mim: um foi o 2 a 1 sobre o Fluminense, de manhã, onde a atmosfera que estava em São Januário era de outro mundo. E depois o jogo contra o Cruzeiro (1 a 0, gol de Guarín). Esses dois jogos mostram que o torcedor é muito importante pra gente, nosso principal jogador dessa equipe. A atmosfera daqueles jogos, só quem esteve pode dizer. Então realmente é uma perda muito grande, mas temos que tirar forças e saber que a torcida vai estar transmitindo esse pensamento positivo para nós", declarou em live da Vasco TV.

Para quebrar um pouco o "silêncio" das partidas, o Vasco já havia adotado na retomada do Campeonato Carioca os gritos da torcida no sistema de som de São Januário durante as partidas contra Macaé e Madureira.

Vasco