PUBLICIDADE
Topo

Qual perfil o Flamengo busca em um técnico para substituir Jorge Jesus

Jorge Jesus conversa com elenco ao lado do vice de futebol Marcos Braz. Português deixou o clube - Foto:Alexandre Vidal/Flamengo
Jorge Jesus conversa com elenco ao lado do vice de futebol Marcos Braz. Português deixou o clube Imagem: Foto:Alexandre Vidal/Flamengo

Leo Burlá e Rodrigo Mattos

Do UOL, no Rio de Janeiro

20/07/2020 04h00

A passagem de Jorge Jesus pelo Flamengo deixou taças e também a certeza de um caminho que o clube pretende implantar para seguir a vida sem o Mister, que optou por ir para o Benfica. Ao passo em que mapeiam o mercado de profissionais europeus em busca do nome ideal, os dirigentes têm uma certeza: não há mais espaço para treinadores que não tenham vocação ofensiva na Gávea.

Diante disso e da revolução promovida por Jesus no clube, a cúpula rubro-negra está convicta que não há brasileiro capaz de reproduzir os conceitos modernos que o português implantou.

Em um primeiro momento, os nomes de Leonardo Jardim e de Miguel Ángel Ramírez surgiram como primeiras alternativas. Ambos seguem na lista, embora Jardim tenha sinalizado que não tem muito interesse em deixar o Velho Continente agora.

Houve uma sondagem inicial a ele por meio de empresários. Mas o treinador não quis levar adiante a conversa neste momento por preferir ficar na Europa. Não chegou a haver contato direto da diretoria rubro-negra nem proposta. O Flamengo, no entanto, vê todas as conversas em estágio muito inicial e mantém o nome em seu radar.

Jesus colocou Flamengo em mercado global

Após a passagem de Jorge Jesus, a abertura de uma vaga de técnico do Flamengo se tornou uma questão do mercado internacional. Isso não significa que o clube está no patamar de grandes europeus. Mas a vaga ganhou relevância e tornou-se discutida entre empresários do Velho Continente.

Houve uma corrida entre agentes brasileiros e europeus para apresentar nomes interessantes para o time rubro-negro. Isso não é garantia de que será tão fácil fechar com um treinador estrangeiro.

Esse aumento da relevância do Flamengo se deu durante a passagem de Jorge Jesus pelo clube. Isso porque o treinador se projetou novamente para o mercado europeu treinando o time em que ganhou a Libertadores.

Com a convicção na contratação de mais um europeu, possibilidades surgem por meio de intermediários do mercado da bola. Com "gelo no sangue", Marcos Braz, vice de futebol, planeja viajar para a Europa já com alguma situação completamente engatilhada.

Segundo o blog do jornalista Mauro Cezar Pereira, do UOL Esporte, uma conversa com Pep Guardiola pode entrar na agenda. As partes podem tratar sobre Domènec Torrent, que foi auxiliar do treinador no Barcelona, no Bayern Munique e também no Manchester City.

Ainda que não haja nada próximo de ser concretizado, Torrent personifica o que a diretoria busca: um nome antenado ao que acontece de mais moderno no mundo e formado na escola europeia.

No dia da oficialização da saída do Mister, Braz ressaltou que não havia preconceito contra os nomes do Brasil, mas fato é que nenhum deles chegou a ser alvo de discussão. No Flamengo pós-Jesus, a única certeza é que haverá uma voz de comando com sotaque no banco de reservas.

Epidemia de coronavírus atrapalha busca

Ao mesmo tempo que o Flamengo se tornou um porto seguro viável para técnicos europeus, a situação do Brasil em relação à pandemia do coronavírus atrapalha bastante a contratação de um técnico estrangeiros. O país teve uma das piores atuações no combate ao vírus e soma quase 80 mil mortos, atrás apenas dos Estados Unidos. Ainda há uma média de mais de mil mortes por dia.

Neste cenário, há um impacto pessoal e esportivo para possíveis alvos do Flamengo. Pessoalmente, o técnico tem que se convencer de que há um cenário seguro para ele e sua família no Rio de Janeiro.

Esportivamente, o calendário esportivo está definido com Campeonato Brasileiro e Libertadores, mas com inseguranças, já que há possibilidades de problemas na fronteira para a competição continental. Além disso, o Mundial de Clubes, que era fator importante para projeção à Europa, não tem nem data marcada.