PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Ex-Botafogo explica deslizes e rumor sobre participação em "A Fazenda 12"

Dierson em partida pelo Botafogo em 2016. Ele atuou 18 vezes, com Ricardo Gomes e Jair Ventura - Vitor Silva/SSPress/Botafogo
Dierson em partida pelo Botafogo em 2016. Ele atuou 18 vezes, com Ricardo Gomes e Jair Ventura Imagem: Vitor Silva/SSPress/Botafogo

Gabriel Carneiro

Do UOL, em São Paulo

15/07/2020 04h00

O volante Dierson não joga profissionalmente há quase três anos. Desde que deixou o Botafogo, acumulou lesões e passagens frustradas por clubes brasileiros — inclusive o Santos. Enquanto tenta voltar a jogar aos 25 anos, longe dos holofotes, ele diz ter sido surpreendido com reportagens e publicações que o colocavam como participante de "A Fazenda 12", reality show da Record TV que deve estrear em setembro.

"Eu fiquei surpreso com as matérias saindo, porque não teve nem ligação, nenhum contato com o pessoal do programa, nada. Na verdade, eu não sei muito bem de onde tiraram. Por que eu?", se diverte o jogador.

Mas e se o convite pintasse?

"Acho que eu ficaria dividido. Futebol ou A Fazenda? É um reality muito conhecido pelo Brasil todo, tanto que continuam falando mesmo depois de eu ter desmentido no Instagram. Seria uma oportunidade muito bacana para mim, até porque eu assisto. Mas ao mesmo tempo foge totalmente do futebol e eu decidi ir até o fim para jogar. Não sei, mas esse ano não vai acontecer, está tranquilo (risos)."

"O futebol é o que sempre sonhei e não será agora que vou desistir. Eu sei dos meus erros e não vou cometer de novo."

Dierson - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Lista de jornal carioca apontou jogador como participante de reality show em 2020. Ele nega
Imagem: Reprodução/Instagram

"Extracampo me prejudicou"

Catarinense de Romelândia, Dierson passou pela base do Coritiba e do Paraná antes de chegar ao Botafogo para um teste, aos 16 anos: "Eu era meia, mas na época estavam precisando de um primeiro volante no clube. A pessoa que me levou disse: 'Você tem que ficar nesse Botafogo aí, mete a porrada nos cariocas'. Desde então nunca mais saí." Foi campeão carioca sub-20 em 2014.

No mesmo ano, o time principal foi rebaixado no Campeonato Brasileiro e ele acabou promovido sob o comando de René Simões. Estreou em 2015. O titular da posição na época era Willian Arão, hoje no Flamengo. O primeiro gol foi marcado em 2016, em jogo da Copa do Brasil contra o Bragantino.

"Foi a realização do sonho de um moleque que vem de uma cidade de 5 mil habitantes, onde até hoje não pega nem celular. O pessoal da minha cidade todo assistiu. Nesse dia, o Ricardo Gomes disse que colocaria a mim e ao Bruno Silva como titulares. Então, o Jair Ventura, que era auxiliar dele, me chamou: 'Vai lá e joga teu futebol'. Aquilo ali me deixou livre para jogar o que eu sabia. Quando eu fiz o gol não sabia nem como comemorar. Geral veio me abraçando, mas corri para o banco e agradeci ao Ricardo Gomes, 'pô, obrigado, você é fo...'."

Dierson pelo Botafogo - Vitor Silva/SSPress/Botafogo - Vitor Silva/SSPress/Botafogo
Dierson em ação pelo Botafogo contra o Sport, em 2016
Imagem: Vitor Silva/SSPress/Botafogo

A história no Botafogo foi de apenas 18 jogos e um gol marcado. Ele até acha que merecia mais oportunidades com os dois treinadores, mas entende que a concorrência aumentou com o sucesso do time entre 2016 e 2017. Neste segundo ano, aliás, ele mesmo se atrapalhou.

"Eu cheguei atrasado em treino, aí o Antonio Lopes [gerente de futebol do Botafogo na época] pediu para eu chegar meia hora antes e eu estava chegando. Uma vez aconteceu que meu carro estava na oficina fazendo manutenção e acordei um pouco tarde. Se eu chegasse atrasado, os caras iam ficar loucos. Aí, eu peguei uma moto, o que eles não recomendam pelo perigo. Alguns clubes colocam até em contrato que não pode. Eu fui, treinei normal, e na volta deu tudo errado."

Eu sabia que estava errado, mas precisava chegar no treino. Na volta, na frente do Barra Shopping, um carro deu um toquezinho num cruzamento atrás da minha moto. Caí e bati com o pulso no meio-fio, quebrei o braço e isso gerou meu afastamento em 2017."

Dierson reconhece "um pouco de rancor" sobre como a situação foi conduzida em 2017. Ele foi duas vezes emprestado, ao Macaé e a um clube da Dinamarca, atuou pelo time de Aspirantes e não teve uma nova chance. Até que o contrato terminou.

Bateu na porta do Santos

Sem clube depois do Botafogo, o volante teve uma atitude inusitada para se recolocar no mercado da bola. Sua cidade natal fica a 120 km de Chapecó. Em julho de 2018, a Chapecoense recebeu o Santos pela 14ª rodada do Brasileirão. Na época, o técnico do time paulista era Jair Ventura. O diretor de futebol, Ricardo Gomes. Dois velhos conhecidos de Dierson.

"Eu fui lá no hotel do Santos em Chapecó. Bati na porta mesmo e pedi para falar com os dois que se pintasse uma oportunidade de eu ir para o Santos, se pudessem me ajudar, eu estava parado e qualquer coisa seria legal. O não eu já tinha, só queria uma chance de recuperar o tempo perdido. Os dois foram receptivos, disseram para eu ir na semana seguinte porque eu poderia ter uma chance no sub-23. Aí, era comigo."

Jair Ventura e Ricardo Gomes - Vitor Silva/SSPress/Botafogo - Vitor Silva/SSPress/Botafogo
Jair Ventura e Ricardo Gomes no Botafogo em 2016
Imagem: Vitor Silva/SSPress/Botafogo

Jair Ventura foi demitido pelo Santos no dia seguinte ao empate contra a Chape, mas Ricardo Gomes continuou como diretor, e Dierson viajou a Santos para a prometida chance. Em setembro, o diretor também saiu. "Eu não tinha assinado contrato ainda, tinha dado minha carteira de trabalho e documentos, mas depois que eles saíram me dispensaram. Eu não entendi nada, fui contratado e mandado embora. O treinador do sub-20 me chamou na sala e dispensou. Até hoje eu não sei como reagir."

A passagem pelo Santos durou um mês.

Próximo desafio na Nigéria?

Depois do Santos, Dierson teve passagem pelo Volta Redonda, mas sofreu uma lesão no joelho ainda na pré-temporada e nem entrou em campo. Sem clube depois de recuperado, começou a jogar na várzea para manter as contas em dia, mas um novo problema físico - desta vez no ligamento cruzado - interrompeu a carreira. Então, um amigo chamado Diogo Rocha quem custeou a cirurgia: "Esse apoio dele me deu vontade de continuar a jogar, eu prometi que pagaria de volta. Depois, fiz fisioterapia em Curitiba com um amigo também."

Prof : @ahpronto_lucas

Uma publicação compartilhada por Dierson Junior Kuhn (@dierson5oficial) em

Hoje, o volante está recuperado e na expectativa de voltar ao futebol. É possível que isso aconteça na Nigéria: "Quando eu joguei no amador, o treinador da minha cidade foi trabalhar na Nigéria. Ele perguntou para onde eu ia e se eu queria ir, eu falei que sim. Era um recomeço, o futebol lá está crescendo, uma estrutura bacana que vi em vídeos e fotos. Estou acertado com eles verbalmente, nada assinado, mas a pandemia atrapalhou, estou aguardando."

"Tenho muita vontade de jogar o Estadual no Rio também, porque faltou alguma coisa. Parece que eu deixei a desejar. Eu queria voltar e falar 'esse sou eu jogando'. Mas tenho certeza que ainda posso ter uma oportunidade. De repente no Botafogo mesmo", diz Dierson.

O foco é no futebol. Não será desta vez que Lucas Viana, Rafael Ilha, Viviane Araújo, Karina Bacchi e Dado Dolabella ganharão companhia na galeria de vencedores de "A Fazenda".

Futebol