PUBLICIDADE
Topo

Gabriel diz que Renato Gaúcho seria o melhor nome para substituir Jesus

O ex-jogador Gabriel Gubela, filho do ex-volante Wladimir, durante passagem pelo São Paulo - Reprodução/Instagram/@gabrielgubela
O ex-jogador Gabriel Gubela, filho do ex-volante Wladimir, durante passagem pelo São Paulo Imagem: Reprodução/Instagram/@gabrielgubela

Do UOL, em São Paulo

14/07/2020 09h17Atualizada em 14/07/2020 09h46

O ex-jogador Gabriel, conhecido por suas passagens no São Paulo, Grêmio e Fluminense, disse em entrevista que o técnico Renato Gaúcho seria o melhor nome para substituir Jorge Jesus caso este não decida permanecer no Flamengo.

Em uma live ao lado dos comentaristas e ex-atletas Denílson e Caio Ribeiro, o ex-lateral comentou a relação do treinador com o Grêmio e ressaltou que faria um ótimo trabalho no time carioca.

"Eu acho que seria o nome certo, porque para mim, no Brasil, hoje ele é o melhor treinador que tem. Claro que tem a relação dele com o Grêmio, que a gente sabe que é aquela relação de amor, de clube, de carinho que ele sempre teve. E ele gosta de trabalhar no Grêmio. Agora o Renato, sem dúvida nenhuma, se pegar um Flamengo, com a equipe que está hoje, vai manter o trabalho que o Jesus fez até agora. E é mais um passo em busca da seleção brasileira", afirmou.

O Grêmio possui contrato assinado com o técnico até o final deste ano. Renato dirige o time desde setembro de 2016 e tem o título da Libertadores-2017 como sua maior conquista no período.

Jorge Jesus recebeu uma proposta tentadora do Benfica e pode deixar o time carioca. Ontem, o diretor executivo do clube lisboeta, Domingos Soares de Oliveira, negou a informação e disse que não há qualquer tipo de negociação com o treinador.

"Não confirmo qualquer contato direto com o treinador Jorge Jesus", disse o dirigente.

Pressão

Filho do ex-lateral Wladimir, que fez história no Corinthians ao lado de Sócrates e Casagrande, Gabriel lembrou que a situação facilitou o seu começo de carreira e recordou também sobre as comparações que surgiram por ter um pai conhecido.

"Eu acho que por ser filho do Wladimir, sem dúvida nenhuma que, as portas se abriram com mais facilidade. Porém, depois que eu fiz o teste no São Paulo, eu fiz teste no Corinthians, por exemplo. Fiquei umas três semanas fazendo teste no Corinthians, fui reprovado. Fiz uma semana de teste no Palmeiras também e aí fiz no São Paulo, onde eu fiquei quase um mês fazendo teste", disse.

"Aí o Heriberto era o treinador [da época], já me federou e eu comecei a minha trajetória. Então no começo tinha essa abertura de porta, porém, depois que eu comecei a jogar, as comparações sempre existiram, mas nunca foi problema. E depois que eu comecei a jogar, eu comecei a andar com minhas próprias pernas", comentou.

Uma coincidência é que Wladimir e Gabriel atuaram como lateral. Porém o lendário jogador corintiano atuava pela esquerda, enquanto o filho fez a sua trajetória pelo lado direito.

Futebol