PUBLICIDADE
Topo

Felipe Melo destaca semelhança com Edmundo, e diz não entender de política

Felipe Melo, do Palmeiras, em jogo contra o Ituano pela primeira rodada do Campeonato Paulista - Cesar Greco
Felipe Melo, do Palmeiras, em jogo contra o Ituano pela primeira rodada do Campeonato Paulista Imagem: Cesar Greco

Colaboração para o UOL, em São Paulo

05/07/2020 01h30

Um dos líderes do Palmeiras, e atual capitão do time, Felipe Melo destacou a semelhança com um ídolo alviverde, Edmundo. Convidado do Aqui com Benja de ontem (4), o camisa 30 comparou a sua personalidade à do Animal, hoje comentarista do Fox Sports.

"Me vejo muito no Edmundo. Cara com personalidade. Hoje, como comentarista, fala aquilo que pensa. Muito inteligente nas coisas que fala. O Edmundo foi raiz jogando futebol e é raiz como comentarista. Sou muito fã do Edmundo", disse Felipe Melo.

Em relação à sua mudança para a zaga alviverde a pedido de Vanderlei Luxemburgo, o capitão alviverde destacou o 'peso' do treinador - que testou positivo para covid-19 - na decisão.

"O fato de ser o Vanderlei Luxemburgo é diferente, mas, se viesse qualquer outro treinador e conversasse comigo como da maneira que ele conversou, eu aceitaria. Eu sou um cara de desafios. Eu aceitaria", comentou.

No Palmeiras há pouco mais de três anos, o Pitbull não escondeu o carinho pelo clube onde foi campeão brasileiro em 2018.

"O Palmeiras é a realização de um sonho, é o clube que me abriu as portas e realizou o sonho de poder voltar e ser campeão de um campeonato importante, como foi o Brasileiro, como uma peça principal. O Palmeiras demonstrou para mim o que é ser família, que os clubes também podem te ajudar em momentos adversos. É por isso que hoje eu amo o clube", afirmou.

"Não entendo nada de política"

Conhecido pelo apoio ao presidente Jair Bolsonaro, Felipe Melo afirmou não entender de política. Recordando a sua presença na posse do ministro das comunicações, Fábio Faria (PSD-RN), o jogador pediu respeito às divergências e que torce "para um Brasil melhor".

"Eu não fui lá a mando do Palmeiras ou representando o clube. No dia que eu fui na posse do ministro, eu tinha algumas situações muito importantes relacionadas à minha empresa, e eu pedi para o Palmeiras me liberar", explicou o camisa 30.

"Como eu apareci na posse...'Como é que pode?', porque são pessoas contrárias ao governo de hoje. Gente, eu não entendo nada de política. Não fui representar o Palmeiras. Se eu fosse na posse (de alguém) contrário a quem está no poder hoje, seria aplaudido. Cada um tem o direito de pensar da maneira que lhe convém. Eu sou um brasileiro, patriota, e não torço para A ou B. Eu torço para um Brasil melhor, para a minha nação melhorar a cada dia", completou.

UOL Esporte vê TV