PUBLICIDADE
Topo

Fla arrecadou 11 vezes menos em live do que Bolsonaro disse; veja valores

Jair Bolsonaro (e) recebeu o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim (d), em negociação pela MP 984 - das transmissões - Reprodução/Instagram
Jair Bolsonaro (e) recebeu o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim (d), em negociação pela MP 984 - das transmissões Imagem: Reprodução/Instagram

Pedro Ivo Almeida

Do UOL, em São Paulo

03/07/2020 04h00

Em uma 'live' realizada na noite da ontem (3), o presidente da República, Jair Bolsonaro, festejou a transmissão exclusiva em redes sociais da vitória do Flamengo por 2 a 0 sobre o Boavista na última quarta-feira (1). No entanto, para exaltar o cenário histórico de um jogo que só poderia ser acompanhado via internet, sem TV, o chefe do executivo usou números errados.

Em um ataque indireto ao Grupo Globo, Bolsonaro citou que a emissora que transmitia os jogos do Flamengo anteriormente pagava "R$ 500 mil, R$ 600 mil por cada jogo" e que, desta vez, o Rubro-negro teria faturado "mais de R$ 10 milhões transmitindo na internet". Não é verdade.

Em contato com os departamentos do rubro-negro envolvidos nas operações de quarta, o UOL Esporte apurou que o Flamengo arrecadou pouco menos de R$ 900 mil - valor bruto, sem descontos - no jogo contra o Boavista, valor 11 vezes menor que o citado de maneira equivocada pelo presidente para festejar a transmissão.

O montante líquido que ficou nos cofres do clube, desonrando custos e afins, foi de pouco mais de R$ 500 mil, entre doações - chamados "ingressos virtuais" -, ação pontual com uma cervejaria, exibição de pequenas marcas ao longo da partida e uma cota pequena das plataformas YouTube e Facebook.

"Tinha uma televisão aí, que tinha o monopólio e pagava acho que R$ 500 mil, R$ 600 mil por cada jogo. Então, o Flamengo ontem faturou, juntamente com o Boavista, mais de R$ 10 milhões transmitindo na internet. Então, parabéns ao Flamengo, parabéns ao presidente Jair Bolsonaro que assinou a medida provisória, dando aqui a carta de alforria, a liberdade para que os times de futebol, o mandante, negocie conforme ele quer vender o seu direito de transmissão", se parabenizou Bolsonaro.

Os tais "R$ 500 mil, R$ 600 mil por jogo" também se mostram infundados. Em 2019, só da Globo, o Flamengo recebeu cerca de R$ 244 milhões. Nenhum cálculo médio seria capaz de precificar de tal forma os 76 jogos disputados pelo time na temporada, entre Campeonato Carioca, Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro, Copa Libertadores e Mundial de Clubes.

O Flamengo também celebrou sua transmissão. O clube, por sua vez, utilizou dados reais para tal. "Foi um dia muito especial. Vai ficar marcado na história. Temos agora mais de 4,2 milhões [já são 4,5 milhões - dados desta sexta] de inscritos na FlaTV, tivemos mais de 14 milhões de visualizações totais na transmissão.", celebrou o presidente rubro-negro, Rodolfo Landim. O Rubro-negro ainda estabeleceu o recorde de audiência em uma transmissão esportiva no YouTube - pico de 2,2 milhões de visualizações simultâneas durante o jogo.

A MP que muda as negociações de transmissões

O discurso de Bolsonaro é parte da estratégia que visa fortalecer a Medida Provisória 984/2020, assinada no último dia 18 e que mudou radicalmente a dinâmica de negociação de direitos de transmissão no futebol brasileiro. No texto, mais exatamente no artigo 42, é dito que "pertence à entidade desportiva mandante o direito de arena sob o espetáculo desportivo, consistente na prerrogativa exclusiva de negociar, autorizar ou proibir a captação, fixação, a emissão ou transmissão, a retransmissão ou a reprodução dos direitos de imagem, por meio ou processo, do espetáculo desportivo".

O cenário diante da nova MP significa que uma emissora ou uma empresa de streaming, para transmitir um evento esportivo de futebol, não precisa mais ter acordo com os dois clubes participantes, apenas negocia diretamente com o mandante do jogo - como na última quarta, com o Flamengo como mandante.

Ao lado de membros do alto escalão do Governo e vestindo uma camisa do time da Gávea, Bolsonaro seguia festejando a transmissão. "Imagem excepcional. Só no YouTube, 11 milhões de visualizações. Com todo respeito ao Boavista, imagina um Flamengo x Palmeiras, Flamengo x Corinthians. O time melhor vai vender mais caro. Não vai haver acomodação. Isso é negócio, concorrência, livre mercado. Isso é maravilhoso", disse.

Bolsonaro com camisa do Flamengo em Live - Reprodução - Reprodução
Com uma camisa do Flamengo, Bolsonaro festejou a transmissão do último jogo do time nas redes sociais
Imagem: Reprodução

"O futebol do Brasil pode estar tendo uma alavancagem. A gente vai fazer com que o jogador fique aqui, ganhe muito mais, seja muito melhor. Os clubes de futebol, em geral, são pobres. A grande maioria é. Imagina os jogadores dividindo esses 5% de direitos que poderão receber a cada negociação por jogo. É um bom 'bicho' [premiação], não é?", completou.

Beneficiado pela nova MP, o Flamengo não precisaria mais entrar em acordo com a Globo - detentora dos direitos de todos os outros clubes do Campeonato Carioca até então - para transmitir seus jogos. Quando mandante, o Rubro-negro passaria a definir como repassar seu jogo. Após o impasse da última quarta, a Globo ainda interpretou que o Boavista quebrou o contrato geral (exclusividade à emissora em qualquer jogo) e rompeu o acordo pelos direitos do Estadual do Rio de Janeiro.

No início do torneio, a TV ofereceu aproximadamente R$ 20 milhões ao time pelo acordo da Carioca. O Flamengo pediu um valor acima de R$ 80 milhões. Não houve acordo.

A nova MP ainda não tem data para ser votada no Congresso. Contrário ao texto, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, congelou a discussão enquanto vota pautas que julga mais importantes, especialmente as que envolvem desdobramentos da pandemia do novo coronavírus. Sem pressa, o parlamentar ainda quer entender melhor a visão dos clubes e escutar a TV Globo.

Flamengo