PUBLICIDADE
Topo

Autuori diz que público nos estádios no Carioca é um 'grande absurdo'

Paulo Autuori, técnico do Botafogo - Vítor Silva/Botafogo
Paulo Autuori, técnico do Botafogo Imagem: Vítor Silva/Botafogo

Colaboração para o UOL, em São Paulo

29/06/2020 22h46

Classificação e Jogos

Treinador do Botafogo, Paulo Autuori afirmou que o decreto da prefeitura do Rio de Janeiro que permite a volta do público aos estádios no Campeonato Carioca é um grande absurdo. Na opinião do técnico, o futebol tem sido utilizado politicamente.

"Um grande absurdo (o decreto que permite o público nos estádios dia 10). Se pararmos para ver, os desencontros já vêm desde que começamos a conviver com o vírus. Deixamos de lado pessoas que estavam conduzindo com clareza a situação e essa decisão da prefeitura nem sei dizer se me pegou de surpresa. Há toda uma lógica por essas tomadas de decisão. O futebol, que é um fenômeno sócio-econômico está sendo usado politicamente. A data para o retorno do público é justamente a data da final do Carioca, então a gente encaixa as coisas. Falaram que eu ofendi as pessoas, mas não ofendi. Os fatos ofendem as pessoas", disse em entrevista ao Bem, Amigos!, do SporTV, hoje.

Autuori afirmou que suas recentes críticas à Federação de Futebol do Rio de Janeiro (Ferj) não são apenas pelas decisões deste ano, mas pelo que a instituição tem sido nos últimos anos. O treinador acredita ainda que não há argumentos que sustentem a volta do futebol carioca neste momento.

"Eu parto sempre da seguinte premissa: falo de conceitos, não de pessoas. Infelizmente no Brasil, quando você discorda de alguém, imediatamente você vira inimigo pessoal. (...) Passamos por momentos muito difíceis, muitos sofreram, vários perderam a vida e não queremos passar por isso de novo ou prolongar esse momento. E quando eu falo, eu não quero apenas soltar palavras sem sentido. E a minha crítica é o que tem sido a Ferj nos últimos tempos. O Luxemburgo também foi suspenso por ter falado contra. Acho que, na falta de argumentos, usa-se a força. (...) O que eu mais falei na entrevista foi no intuito de salvaguardar a integridade física dos jogadores. Acho que é um descaso enorme aos protagonistas do futebol: jogadores e torcedores. Esse relacionamento faz o futebol ser a magia que é no mundo todo. Não há argumentos para que o Campeonato Carioca volte agora", disse.

O treinador do Botafogo ainda questionou o protocolo estabelecido para o retorno do futebol, já que três jogadores do Volta Redonda testaram positivo para a Covid-19 e ainda assim o time foi a campo contra o Fluminense - e venceu por 3 a 0.

"Dentro deste protocolo, do qual falam maravilhas, três jogadores testaram positivo. Então, eles tiveram contato com os outros. Logicamente que eles não iriam para o jogo, mas em alguns países, o time não poderia ir para o jogo. Um dos argumentos para a volta rápida do futebol carioca era a necessidade dos clubes pequenos dos valores dos contratos televisivos. Mas e os outros estados? Não têm clubes pequenos?", complementou.

UOL Esporte vê TV