PUBLICIDADE
Topo

Mauro: "Cavani e T. Silva, hoje, não são para o bico de times brasileiros"

Do UOL, em São Paulo

16/06/2020 04h00

O Paris Saint-Germain confirmou no último sábado (13) que o atacante uruguaio Edison Cavani e o zagueiro Thiago Silva não serão mantidos para a próxima temporada, causando esperança de torcedores brasileiros por uma possibilidade de que seus clubes possam se reforçar com alguns destes nomes de relevância no futebol mundial nos últimos anos.

Mas no podcast Posse de Bola #37, o jornalista Mauro Cezar Pereira freia o ímpeto dos torcedores ao ressaltar o custo elevado de Cavani, de 33 anos, e Thiago Silva, de 35, para a realidade brasileira, em especial após a pandemia, e que ambos os jogadores ainda encontram mercado na Europa.

"Que bom para clubes europeus que podem contratar dois veteranos de bom nível, um bom zagueiro, ótimo zagueiro, e um ótimo atacante, não é para o bico de time brasileiro, ainda mais nessa crise. Era só o que faltava algum clube aqui do Brasil tentar contratar um dos dois depois de reduzirem os salários dos jogadores, tem clube, como o Santos, que está pagando 30% a partir de R$ 6 mil. Paga 30% dos ganhos mensais dos seus profissionais", afirma Mauro Cezar.

"Isso aí num outro cenário, se não fosse a pandemia, o Flamengo e o Palmeiras, especialmente, teriam condições de tentar repatriar um cara desses, não ganhando o que eles ganham lá, impossível, o salário do PSG, esquece. Mas num outro cenário, que era até uma intenção muito embrionária que o Flamengo tinha lá atrás, vinha acompanhando o Cavani, sabia que o contrato dele estava para terminar agora no final dessa temporada, sabia que o PSG provavelmente não ficaria com ele e pensava em 'vem cá, está a fim de voltar para a América do Sul, ficar perto do Uruguai e tal?', mas isso numa ideia lá atrás que foi evidentemente sepultada", completa.

Torcedores de Fluminense e São Paulo já sonharam com Thiago Silva e Cavani

Antes mesmo da confirmação da saída de Thiago Silva do Paris Saint-Germain, houve certa empolgação por parte dos torcedores do Fluminense depois que ele participou de uma campanha do plano de sócio-torcedor do clube, se tornando integrante do programa, mas Mauro Cezar explica a complexidade para a contratação do jogador em relação à situação atual do clube das Laranjeiras.

"O Thiago Silva para voltar para o Fluminense, ele vai ter que voltar numa condição muito lá embaixo, o Fluminense não tem condição hoje de pagar a ele um salário alto. Por exemplo, o Filipe Luís e o Rafinha, que são mais ou menos da mesma idade do Thiago Silva, voltaram ao Brasil ano passado para jogar no Flamengo, mas ganhando bons salários, que eu acho que o Fluminense não consegue pagar", diz o jornalista.

"Eu acho que o Thiago tem espaço ainda em times europeus e até times muito bons, e o Cavani também. Eventualmente, o cara não vai ser titular absoluto, mas vai ser útil. O exemplo que eu dou é o seguinte: quem é melhor, Lovren, um dos reservas da zaga do Liverpool ou o Thiago Silva hoje? Thiago Silva e Van Dijk, ou Thiago Silva e Gomez, Thiago Silva e Matip, Thiago Silva e Lovren, qual a melhor zaga para o Liverpool? No mínimo dá uma discussão. Eu acho que o Thiago ainda é um jogador que dá um bom caldo e o Cavani também, um ótimo atacante", completa.

No caso de Cavani, torcedores são-paulinos se empolgaram há alguns meses com uma declaração do dirigente Diego Lugano a respeito da tentativa de contratar o atacante que ainda não tinha a sua situação definida em relação ao PSG, mas hoje a realidade é diferente.

"Para ele voltar à América do Sul, não vai ser no futebol uruguaio, só se ele jogar por um salário simbólico. Ele vai ter que voltar para jogar no Brasil, até na Argentina hoje está difícil. Mas hoje nem no Brasil dá, esquece, não dá mais, não faz sentido", diz Mauro, ressaltando a forma como a pandemia afetou a situação econômica dos clubes brasileiros.

"O São Paulo com o Cavani também falaram, o Lugano falou essa semana, não tem a menor condição, e é óbvio que não tem condição. Pelo amor de Deus, o São Paulo já está difícil de pagar o Daniel Alves, como é que vai pagar o Cavani?", conclui Mauro Cezar.

Posse de Bola: Quando e onde ouvir?

A gravação do Posse de Bola está marcada para segundas-feiras às 9h, sempre com transmissão ao vivo pela home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte nas redes sociais (YouTube, Facebook e Twitter). A partir de meio-dia, o Posse de Bola estará disponível nos principais agregadores de podcasts.

Você pode ouvir o Posse de Bola em seu tocador favorito, quando quiser e na hora que quiser. O Posse de Bola está disponível no Spotify e na Apple Podcasts, no Google Podcasts e no Castbox . Basta buscar o nome do programa e dar play no episódio desejado. No caso do Posse de Bola, é possível ainda ouvir via página oficial do UOL e YouTube do UOL. Outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts.

Futebol