PUBLICIDADE
Topo

Fla vê balança positiva entre custos e títulos e festeja renovação de Jesus

Jorge Jesus renovou seu contrato até junho de 2021 - Alexandre Vidal / Flamengo
Jorge Jesus renovou seu contrato até junho de 2021 Imagem: Alexandre Vidal / Flamengo

Leo Burlá

Do UOL, no Rio de Janeiro

05/06/2020 04h00

A renovação de Jorge Jesus até junho de 2021 levantou um debate sobre o custo que o Mister representará para o Flamengo, mas o clube se baseia nos números e aponta uma balança altamente favorável para justificar o esforço pelo português, que assinará hoje (5) o novo vínculo.

Com base no acordo que vence no próximo dia 19, o cálculo justifica os festejos na Gávea pela permanência. Com pouco mais de um ano no Rubro-Negro, o português levantou nada menos que cinco troféus, incluída aí a Taça Guanabara. Estas conquistas significaram um ingresso de algo em torno de R$ 145,9 milhões aos cofres do Fla (na cotação da época das conquistas), o que fortalece o discurso dos dirigentes.

Por contrato, Jesus embolsou cerca de R$ 11,5 milhões em premiações e o gasto total com o profissional e seus colaboradores significará um desembolso de aproximadamente R$ 26 milhões, somados aí salários e os bônus previstos pelas voltas olímpicas. Em uma matemática simples, os rubro-negros tiveram resultado positivo de pouco menos de R$ 120 milhões apenas nesta conta específica, já que os portugueses que vieram para compor a comissão técnica também têm prêmios estipulados.

O trato firmado em junho do ano passado previa ao treinador ganhos fixos (com o euro estipulado em R$ 4,40) e estes gatilhos por campeonatos. No novo compromisso que será assinado até junho de 2021, as partes mantiveram os valores destas premiações e acordaram um aumento nesta fatia mensal garantida. A diferença é que os ganhos serão regidos pela moeda "do dia". Em bases atuais, este novo contrato fixo renderia por volta de R$ 16 milhões ao técnico e seus pares, mas esta soma aumenta com os tributos.

Antes da pandemia do novo coronavírus, Jesus pediu aumento significativo, entre 50% e 55%. Mas teve que ceder e fechar em bases próximas às atuais, ante o surgimento da Covid-19, que alterou radicalmente o cenário econômico do planeta e na indústria do futebol. Com as diferenças superadas, as partes estão em fase de redação do novo contrato e o anúncio não passa desta semana.

O casamento até o meio de 2021 foi a forma encontrada pelo clube para se proteger economicamente e garantir a permanência do treinador pelo maior tempo possível. O desejo do Fla era que o novo acordo valesse até o final do ano que vem, mas o Mister não topou. Ante ainda a imprevisibilidade do calendário, o português achou melhor permanecer por só mais um ano. Além disso, o Rubro-Negro teria de dar a ele uma cláusula de saída no meio do ano que vem sem penalidades ao técnico.

Caso a conversa tivesse caminhado por este lado, o time carioca até poderia ter o treinador por mais tempo, mas correria risco de não ser ressarcido em caso de saída prematura e teria de ficar refém do contrato até o seu último dia. No modelo que ficou acordado, Jesus terá de reembolsar os cofres da Gávea se aceitar um novo desafio ainda este ano. Esta hipótese, no entanto, não é tratada como muito provável pela cúpula.

Flamengo