PUBLICIDADE
Topo

Senegal chocou futebol ao bater França e dançar na abertura da Copa de 2002

Jogadores de Senegal comemoram o gol anotado contra a França na Copa do Mundo de 2002 - Neal Simpson - EMPICS/Getty Images
Jogadores de Senegal comemoram o gol anotado contra a França na Copa do Mundo de 2002 Imagem: Neal Simpson - EMPICS/Getty Images

José Edgar de Matos

Do UOL, em São Paulo (SP)

31/05/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Em 31 de maio de 2002, Senegal derrubou a França, então detentora do título mundial, na abertura da Copa.
  • No primeiro jogo de Mundial da história, o time africano venceu a equipe europeia por 1 a 0, em uma das grandes zebras do torneio.
  • Papa Bouba Diop, aos 30min do primeiro tempo, anotou o gol.
  • A França desembarcou na Coreia do Sul como favorita a conquistar a Copa do Mundo de 2002, que terminou com título do Brasil.

Há exatos 18 anos, o futebol mundial ganhava mais uma grande zebra para a história. Em uma sexta-feira, 31 de maio de 2002, Senegal estreava em uma Copa do Mundo vencendo a França, simplesmente a atual campeã. O chocante 1 a 0 a favor dos africanos marcou pelas danças e o poder da imigração no esporte.

Os senegaleses exibiram no gramado do estádio em Seul a cultura do país com uma dança típica, iniciada depois de Papa Bouba Diop anotou o gol da vitória, e um dos primeiros efeitos da globalização do futebol em um Mundial. Dos 23 convocados do time africano para o Mundial, 21 atuavam justamente no futebol francês.

A vitória histórica dos senegaleses tem peso ainda maior pela França que enfrentaram. Mesmo sem Zinedine Zidane, desfalque naquele jogo em virtude de uma lesão, a equipe europeia vivia a fase mais vitoriosa da história, embalada pelo título da Copa de 1998, da Euro de 2000 e da Copa das Confederações de 2001.

A partir da vitória por 3 a 0 sobre o Brasil na final do Mundial, a França disputou 50 partidas até ser surpreendida por Senegal. Neste período foram 34 vitórias, 10 empates e apenas 6 derrotas, entre jogos competitivos e amistosos durante os quatro anos de espaço entre título e derrota na abertura de 2002.

Senegal França - Neal Simpson - EMPICS/Getty Images - Neal Simpson - EMPICS/Getty Images
Diop levanta depois de anotar o gol de Senegal diante dos franceses
Imagem: Neal Simpson - EMPICS/Getty Images

Este retrospecto e os títulos colocavam a França como favorita para conquistar o Mundial de 2002. Os próprios franceses esbanjavam confiança, como mostra reportagem da Folha de S.Paulo do dia 31 de maio de 2002, dia da partida, ocorrida pela manhã no Brasil.

"Depois do título sobre o Brasil, a França venceu a Eurocopa-2000 e a Copa das Confederações-2001. Como gosta de repetir, ganhou tudo", diz a reportagem do jornal, que ainda traz uma declaração do zagueiro Desaily para ratificar esta análise de confiança.

"Além da qualidade individual, temos a parte coletiva mais forte. É essa a diferença", declarou o hoje ex-defensor, na véspera da partida contra os senegaleses.

Em campo, Senegal surpreendeu com uma atuação segura no sistema defensivo, especialmente por boa atuação do goleiro Tony Sylva, e eficiente nos contra-ataques. Os africanos também contaram com a sorte, grande "responsável" por guiar chutes de Thierry Henry e David Trezeguet na direção do travessão.

O gol da vitória africana saiu aos 30min da primeira etapa: após bola recuperada no meio, El-Hadji Diouf arrancou pela esquerda e cruzou para Papa Bouba Diop. De carrinho, após rebote do goleiro Fabien Barthez, o meio-campista empurrou para as redes e causou o primeiro grande choque futebolístico daquela Copa.

O resultado daquele lance foi visto na bandeirinha de escanteio, local em que os senegaleses, todos jogadores de times franceses, exibiram uma dança típica do próprio país, em imagem até hoje histórica quando discutido o assunto Copa do Mundo.

O placar surpreendente simbolizou ambas as participações na Copa de 2002. Enquanto a França caiu ainda na fase de grupos, Senegal só parou nas quartas de final para a Turquia, que venceu por 1 a 0 na prorrogação. O título do torneio ficou com a seleção brasileira de Ronaldo, Rivaldo e Luiz Felipe Scolari.

Futebol