PUBLICIDADE
Topo

Atlético-MG relata saídas de atletas e venda de shopping no balanço

Atlético-MG teve prejuízo de R$ 5,785 milhões, de acordo com as contas de 2019 - Bruno Cantini/Atlético-MG
Atlético-MG teve prejuízo de R$ 5,785 milhões, de acordo com as contas de 2019 Imagem: Bruno Cantini/Atlético-MG

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

30/05/2020 04h00

O Atlético-MG não divulgou o balanço financeiro referente a 2019. No entanto, o documento foi obtido pelo UOL Esporte após divulgação de alguns trechos pelo Globoesporte.com. O Galo apresenta detalhes referentes à venda do Shopping Center Diamond Mall à Multiplan — dinheiro que será destinado à construção da Arena MRV — e às movimentações de jogadores, com valores recebidos no ano passado e também as ocorridas no início de 2020.

No documento que apresenta um déficit de R$ 5,785 milhões e uma dívida bruta de R$ 756,741 milhões (o endividamento líquido é de R$ 655 milhões), o clube detalha casos como a venda de Lucas Pratto ao River Plate, e o valor que deve ser repassado ao São Paulo. Ainda há notas sobre as saídas de Alerrandro e Chará. A ida de Cleiton ao Red Bull Bragantino não é detalhada, mas há o valor completo da transação. A diretoria comenta também as compras de Allan e Guilherme Arana.

Veja, abaixo, os trechos citados pela reportagem:

Vendas de atletas no balanço

Yimmi Chará foi vendido do Atlético-MG para o Portland Timbers, dos Estados Unidos - Alessandra Torres/AGIF - Alessandra Torres/AGIF
Yimmi Chará foi vendido do Atlético-MG para o Portland Timbers, dos Estados Unidos
Imagem: Alessandra Torres/AGIF

A diretoria apresenta detalhamento sobre a venda de três atletas na demonstração de resultados do exercício passado — as negociações de Lucas Pratto (para o São Paulo), Yimmi Chará (Portland Timbers) e Alerrandro (Red Bull Bragantino).

Na rubrica, contas a receber na transferência de jogadores, o Galo aponta o valor de R$ 32.111.120,00 em 2019. O faturamento é dividido em quatro partes: São Paulo (R$ 1,5 milhão), Major League Soccer (R$ 24,186 milhões), Red Bull Bragantino (R$ 6 milhões) e outros (R$ 409 mil).

A primeira situação explicada é referente ao São Paulo. O Galo relata a venda 50% dos direitos econômicos de Lucas Pratto ao clube em 11 de janeiro de 2018. À época, ficou ajustado que o Tricolor Paulista teria que desembolsar 2,435 milhões de euros em quatro parcelas equivalentes de 608 mil euros. As prestações venceriam em 28/1/2018, 10/9/2018, 10/2/2019 e 10/10/2019.

O Atlético relata que assinou contrato com o Portland Timbers, dos Estados Unidos, pela venda de Chará em 31 de dezembro de 2019. Na ocasião, o clube repassou 30% dos direitos econômicos do colombiano ao clube por 6 milhões de euros (R$ 24 milhões à época). O montante foi parcelado em três vezes: R$ 16,1 milhões em 15 de janeiro de 2020, R$ 4 milhões em 15 de janeiro de 2021 e R$ 4 milhões em 15 de janeiro de 2022.

Por fim, os mineiros detalham a saída de Alerrandro para o Red Bull Bragantino. O centroavante foi negociado por R$ 13 milhões, em 27 de novembro de 2019. A primeira parcela — avaliada em R$ 7 milhões — foi paga 15 dias após a assinatura do contrato. O restante do valor — R$ 6 milhões — será quitado em 31 de julho de 2020, conforme o balanço.

Movimentação de atletas em 2020

Allan foi contratado pelo Atlético-MG no início de 2020. Clube explica compra - Pedro Souza / Atlético-MG / Divulgação - Pedro Souza / Atlético-MG / Divulgação
Allan foi contratado pelo Atlético-MG no início de 2020. Clube explica compra
Imagem: Pedro Souza / Atlético-MG / Divulgação

O Atlético-MG aponta três negociações feitas em 2020 na confecção de seu balanço financeiro. O clube revela os valores envolvidos nas contratações de Allan e Guilherme Arana e também na venda de Cleiton ao Red Bull Bragantino.

O Galo pagou 3,5 milhões de euros (R$ 16,317 milhões à época) para assegurar a aquisição do volante que pertencia ao Liverpool. O meio-campista tem contrato até 1º de setembro de 2022. O clube desembolsou 2,5 milhões de euros (R$ 11,749 milhões na ocasião) pelo empréstimo de Guilherme Arana. O montante foi pago ao Sevilla. O lateral esquerdo assinou inicialmente até 30 de junho de 2021. Os mineiros podem adquiri-lo em definitivo na sequência.

O Galo informa a venda do goleiro Cleiton ao Red Bull Bragantino por R$ 24.702.240,00 no documento. A forma de recebimento do valor, contudo, não é detalhada pela cúpula por se tratar um evento ocorrido em 2020.

Venda do shopping em 2020

Dinheiro da venda de shopping center será usado na construção da Arena MRV - Divulgação/Atlético-MG - Divulgação/Atlético-MG
Dinheiro da venda de shopping center será usado na construção da Arena MRV
Imagem: Divulgação/Atlético-MG

O Atlético-MG não incluiu a venda do Shopping Center Diamond Mall à Multiplan nas contas de 2019. O fato foi apontado por Castellar Guimarães Filho, presidente do Conselho Deliberativo, como uma das razões para a não divulgação do balanço financeiro na data imposta pela lei — 30 de abril de 2020. Ele deu esta explicação ao Conselho Deliberativo após a entrevista do diretor financeiro Paulo Braz.

O clube explica como foi celebrado o acordo no balanço e relata que já embolsou R$ 6 milhões referente ao negócio. A verba arrecadada será destinada à construção da Arena MRV.

"No dia 20 de janeiro de 2020, as partes oficializaram o acordo parcial de venda, contemplando o desembolso da Multiplan de R$ 268 milhões, sendo R$ 297 milhões o valor atualizado na data do fechamento da operação. Desse montante, R$ 6 milhões já foram pagos".

O documento explica ainda como será o pagamento da outra parte do acordo — avaliada em R$ 291 milhões.

"O saldo restante de R$ 291 milhões será liquidado em 36 parcelas mensais e consecutivas da seguinte forma: uma parcela no valor de R$ 23,74 milhões em 45 dias contados do fechamento da operação; três parcelas mensais no valor de R$ 11,87 milhões; duas parcelas mensais de R$ 8,9 milhões; e trinta parcelas mensais no valor de R$ 7,12 milhões".

O clube informa que as prestações serão atualizadas monetariamente pela variação do CDI. No acordo feito com a Multiplan, ficou definido que "o Atlético-MG também receberá durante 48 meses sucessivos o percentual de 7,515% do faturamento bruto mensal do Diamond Mall, independentemente da venda parcial de sua propriedade, utilizando-se os mesmos critérios, estima-se que essas parcelas totalizem R$ 18 milhões, no período retro mencionado".

Atlético-MG