PUBLICIDADE
Topo

Bruno Guimarães endossa reclamações de Neymar sobre futebol francês

José Edgar de Matos e Pedro Lopes

Do UOL, em São Paulo (SP)

29/05/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Assim como Neymar, Bruno Guimarães também se impressionou o quanto o futebol francês é "duro".
  • Em conversa com o UOL Esporte, o meio-campista classificou o campeonato local como um jogo de "Libertadores".
  • "O jogo é sempre muito pegado e o juiz não gosta de dar muita falta", resumiu o meio-campista brasileiro.
  • Bruno Guimarães assumiu um lugar no time titular do Lyon pouco antes da paralisação do futebol mundial.
Classificação e Jogos

Em fevereiro, o UOL Esporte trouxe a informação sobre como a postura dos adversários e da arbitragem na França incomodam Neymar. Bastaram apenas quatro jogos, três deles pelo Campeonato Francês, para Bruno Guimarães, meio-campista de 22 anos do Lyon, também endossar a opinião do principal craque da seleção brasileira na atualidade.

Durante conversa exclusiva com o UOL Esporte, Bruno Guimarães classificou os jogos na França como "de Libertadores", comparando os conhecidos confrontos físicos do maior torneio sul-americano com o que encontrou semanalmente no país europeu antes da paralisação em virtude da pandemia do novo coronavírus.

"Todo jogo do Campeonato Francês parece jogo de Libertadores [risos]. O jogo é sempre muito pegado e o juiz não gosta de dar muita falta", resumiu o jogador, que precisou adaptar algumas características do próprio jogo em poucas semanas.

"Tem que pensar rápido, não pode se esconder e tentar dar um drible. Eu já estava pegando bem isso aqui. É um campeonato de muita imposição física. Há muito contato em todo o espaço do campo", acrescentou o meio-campista brasileiro

Mal chegou, e Bruno Guimarães rapidamente assumiu uma vaga de titular no Lyon antes da paralisação do futebol. Em processo de adaptação, o meio-campista ex-Athletico-PR admite que sentiu "bastante" a diferença tática entre o futebol nacional e o brasileiro.

Bruno Guimarães Neymar - Jean Catuffe/Getty Images - Jean Catuffe/Getty Images
Neymar reclama das 'pancadas', e Bruno Guimarães classifica o Francês como "Libertadores"
Imagem: Jean Catuffe/Getty Images

"Aqui, a marcação encurta muito mais rápido do que no Brasil, em que tinha, às vezes, 4 ou 5 segundos para pensar. Aqui, às vezes, só tenho 1 ou 2 segundos para pensar a jogada. Tem que jogar mais de primeira e dominar a bola antes de ela chegar; dominar meio que com o corpo", comentou Bruno Guimarães, impressionado com alguns aspectos táticos encontrados nos rivais.

"Os caras parecem até robô. Não desmancham a linha, é tudo muito sincronizado. (...) Aqui, em questão de sincronização do jogo, já está um pouco mais avançado do que no Brasil", afirmou Bruno Guimarães, que, apesar de se importar em acelerar o aprendizado tático na Europa, ainda tem predileção por um jogo mais solto, brasileiro.

"Aí que eu acho que, às vezes, é um pouco errado porque jogador não pode ser robô. Jogador tem que fazer uma jogada diferente, às vezes, você vai ter que dar uma caneta para fazer um passe bom", encerrou o meio-campista do Lyon.

Antes de a pandemia do novo coronavírus parar o futebol na Europa, Bruno Guimarães enfrentou com o Lyon a Juventus -ITA (Liga dos Campeões), o Paris Saint-Germain de Neymar (Copa da França), além de Metz, Saint-Étienne e Lille (Campeonato Francês).