PUBLICIDADE
Topo

Gérson se emociona ao relembrar Tri da Copa de 70: 'Ninguém ali era bobo'

Gérson no Conversa com Bial - Reprodução/vídeo
Gérson no Conversa com Bial Imagem: Reprodução/vídeo

Colaboração para o UOL

28/05/2020 08h18

O ex-jogador de futebol Gérson, o "Canhotinha de Ouro", se emocionou ao relembrar nesta madrugada, no "Conversa com Bial", a conquista histórica do tricampeonato mundial da Seleção Brasileira na Copa de 1970, que está completando 50 anos em 2020.

"Se você reparar, nós ganhávamos os jogos sempre no segundo tempo. Nós apressávamos o ritmo ali", relembrou o meio-campista ao falar do segredo e da boa condição física do supertime, que também tinha Pelé, Jairzinho, Rivelino, Tostão e Carlos Alberto, para vencer as partidas.

"Todo mundo tinha experiência de jogo. Ninguém ali era bobo. Todo mundo sabia dividir uma bola e sabia como o adversário vinha, se vinha para te quebrar ou para disputar uma bola", disse o camisa 8 sobre os jogos contra a Inglaterra e Uruguai, que foram marcados por algumas "porradas", incluindo uma cotovelada que o Rei Pelé deu no uruguaio Dagoberto Fontes.

Gérson, que servia o ponta-direita Jairzinho, comentou a interação dos dois em campo: "Nas jogadas, eu não olhava para ele e nem ele olhava para mim. Teve um jogo [contra a Tchecoslováquia] que eu fiz o lançamento para ele e todo mundo pensou que era impedimento porque ele entrou sozinho, mas isso a gente já fazia nos anos todos lá para trás. Então, ele deu um chapéu no goleiro e fez o gol".

A final do campeonato foi contra a Itália, em um jogo emocionante em que a seleção canarinho venceu por 4 a 1, com gols de Jairzinho, Carlos Alberto, Pelé e do próprio Gérson.

Naquele ano, Pelé foi escolhido como o melhor jogador da Copa, e Gérson ficou em segundo lugar. Sobre a escolha, o craque canhoto brincou: "Se eu fosse ambidestro, o que seria do Pelé?".

O "Conversa com o Bial" vai ao ar de segunda à sexta-feira após o Jornal da Globo.

Futebol