PUBLICIDADE
Topo
Comprar ingresso
Comprar ingresso

Corinthians define meta para corte de despesas em departamentos do clube

Andrés Sanchez, presidente do Corinthians, em entrevista coletiva no CT Joaquim Grava concedida em 2019 - Daniel Vorley/AGIF
Andrés Sanchez, presidente do Corinthians, em entrevista coletiva no CT Joaquim Grava concedida em 2019 Imagem: Daniel Vorley/AGIF

Diego Salgado e Ricardo Perrone

Do UOL, em São Paulo

27/05/2020 19h11

O Corinthians tomou medidas para tentar evitar um impacto financeiro ainda maior durante a paralisação dos campeonatos em meio a pandemia do novo coronavírus. Em reunião ocorrida ontem (26), a diretoria alvinegra definiu uma meta ousada de redução de custos em áreas do clube.

O corte em cada setor poderia atingir até 50% das despesas atuais, em um cenário ideal, segundo apuração da reportagem do UOL Esporte. O pedido foi feito em uma reunião entre diretoria e representantes dos departamentos do clube alvinegro. Nela, o setor financeiro pediu para cada direto fazer um estudo para buscarem uma adequação à nova realidade.

O Corinthians passou a reduzir gastos há algumas semanas. No fim de abril, seis semanas depois da paralisação do Campeonato Paulista, o clube cortou em 25% os salários dos jogadores do time profissional, da base e do feminino. Além disso, houve redução de 70% dos salários dos funcionários, que serão contemplados com uma ajuda do governo, prevista na MP 936.

Com R$ 177 milhões de déficit registrado no ano passado, o maior da sua história, o Corinthians viu a situação ficar ainda pior durante a pandemia. Três das maiores receitas do Corinthians sofreram impacto por causa da paralisação.

Desde abril, o clube viu uma queda de 70% da cota de televisão. A expectativa é que esse corte seja ainda maior em junho. Em relação aos patrocínios, que é a segunda maior receita, somente atrás da TV, o Corinthians deixou de receber o valor integral de cinco dos nove parceiros. Os outros quatro estão repassando apenas 25% do valor normal.

Houve queda também na receita de sócio-torcedor. Ela já atinge 30%. Vale ainda ressaltar que o clube já não conta com a receita de bilheteria há seis anos, desde a abertura da Arena Corinthians — toda a bilheteria é destinada ao fundo responsável pelo pagamento da obra.

O Corinthians busca a antecipação das quatro parcelas da venda de Pedrinho para tentar amenizar a crise. O clube chegou a um acordo com um banco da Europa para receber a quantia integralmente, usando o contrato de venda como garantia.

O meia-atacante foi vendido por 20 milhões de euros. Os corintianos têm direito a 70% desse montante: 14 milhões de euros (R$ 81,3 milhões na cotação atual).

Corinthians