PUBLICIDADE
Topo

Cruzeiro cogita condomínio de atletas para fazer receita e quitar atrasados

Saulo Froés, presidente do Núcleo Dirigente Transitório do Cruzeiro, revela alternativa para obtenção de receitas - Bruno Haddad/Cruzeiro
Saulo Froés, presidente do Núcleo Dirigente Transitório do Cruzeiro, revela alternativa para obtenção de receitas Imagem: Bruno Haddad/Cruzeiro

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

21/05/2020 04h00

O grupo de gestores que ficará à frente do Cruzeiro até o fim de maio de 2020 cogita fazer um 'condomínio de jogadores' com o intuito de obter receitas. A ideia é acertar os atrasados com o elenco — já são dois meses sem pagamento de salários e direitos de imagem — e quitar dívidas a curto prazo na Fifa.

A intenção do Conselho Gestor é contrair um empréstimo usando percentual de jogadores do clube como garantia de recebimento aos credores. Saulo Froés, presidente do Núcleo Dirigente Transitório, alega que o Atlético-MG fez algo parecido com a família Menin e Ricardo Guimarães no crédito usado para o pagamento da dívida por Maicosuel. Na verdade, a situação do rival é distinta e foi explicada pelo UOL Esporte.

"Esse condomínio de jogador, para não entrar muito em detalhe, é mais ou menos no modelo que o Atlético-MG fez e outros clubes já fizeram. Você dá parte do direito econômico de jogador em garantia de um empréstimo. É tipo um clube de investidores. Você pega lá, vamos supor, R$ 20 milhões, e 20% do valor da transferência do jogador, quando for vendido, é repassado para o investidor", disse Saulo Froés ao UOL Esporte.

"Pelo que sabemos, o Atlético utilizou isso com apoio de investidor forte. Estamos tentando mais ou menos esse mesmo modelo", acrescentou.

A Fifa proíbe, desde maio de 2015, que terceiros tenham direitos econômicos de atletas. A intenção foi diminuir a influência dos investidores no futebol.

Cruzeiro