PUBLICIDADE
Topo

Kannemann sobre volta aos treinos: "Me sinto indo jogar uma pelada"

Lucas Uebel/Grêmio FBPA
Imagem: Lucas Uebel/Grêmio FBPA

Do UOL, em Porto Alegre

18/05/2020 13h56

O zagueiro do Grêmio, Walter Kannemann, elogiou as medidas adotadas pelo clube gaúcho para retomar os treinos, mas no início da terceira semana de atividades no CT Presidente Luiz Carvalho encontrou comparação para os dias vividos em meio à pandemia do novo coronavírus. Segundo o argentino, a sensação é igual àquela de ir jogar pelada com amigos.

"Sinto como se fosse jogar uma pelada com os amigos… Chega já fardado, treina ou joga, fala um pouco e alonga antes de voltar para casa", disse Kannemann em entrevista à Grêmio TV.

Desde o início de maio, os jogadores do Grêmio são obrigados a chegar ao CT com a roupa de treinamento. Depois de medição de temperatura e higienização das mãos, eles abandonam as máscaras e seguem para o gramado. Lá, realizam atividades físicas ou treinos de fundamentos com bola. Sem contato, sempre com distanciamento mínimo de dois metros.

"Temos três grupos de trabalho pela manhã, três grupos à tarde. Dentro destes grupos, temos subgrupos. Uns chegam às 9h, outros às 10h e outro às 11h. E quando chegamos, ficamos no carro até a hora de ir treinar. Quando entramos, medem temperatura, acho que a pressão. Todos com álcool em gel, máscara. Vamos nos trocar distantes, vamos ao campo treinar. Depois pode alongar um pouco e depois volta para casa", contou Kannemann.

O camisa quatro do Grêmio ainda comentou a iniciativa do clube, que montou estruturas temporárias fora das dependências do centro de treinamentos e adquiriu testes para Covid-19.

"Acho bom, acho que estão tomando os cuidados necessários. não se sabe se são totalmente eficientes ou não, mas a intenção do clube está certa. O clube está tentando voltar aos poucos, com o maior cuidado possível. Estamos treinando em grupos de seis, uns testaram e vamos vendo pressão, temperatura e análise para o vírus. Estamos bem, controlados, e tentando que isso funcione", declarou.

Kannemann ainda afirmou que os treinos, por mais diferentes do habitual que sejam, têm feito bem à mente e ao corpo. E comentou a volta do campeonato alemão.

"É bom, é bom ver que os campeonatos começam a voltar. Os caras que estavam no banco ficaram com distanciamento, com máscara. Acredito que estão tentando encontrar algum jeito de minimizar o risco e para o futebol continuar. A economia é muito importante, a vida das pessoas é ainda mais, então estão tentando chegar a essa linha tênue para continuar com a vida e cuidados necessários para encarar o vírus", pontuou.

Durante a quarentena, que durou mais de 45 dias, o zagueiro revelou ter adquirido um hábito.

"Fiquei em casa, tive que comprar uma bicicleta e fiz bastante bicicleta (risos). Não tinha outra coisa para fazer! Fiquei brincando com a minha família para ela não ficar tão maluca por ficar fechada (em casa)", contou.

Grêmio e Internacional voltaram aos treinos amparados em decreto municipal, do final de abril, que liberou atividades em clubes esportivos com distanciamento.

Futebol