PUBLICIDADE
Topo

Flamengo

Pivô de crise no Fla, personal trainer diz que não foi procurado pelo clube

Personal Rafael Winicki posa ao lado de Diego, do Flamengo, após final da Libertadores 2019 - Arquivo Pessoal
Personal Rafael Winicki posa ao lado de Diego, do Flamengo, após final da Libertadores 2019 Imagem: Arquivo Pessoal

Leo Burlá

Do UOL, no Rio de Janeiro

23/04/2020 04h00

Pivô de uma crise que explodiu no após a manifestação do preparador físico do Flamengo, Roberto de Oliveira, o Betinho, o personal trainer Rafael Winicki se manifestou e afirmou que o trabalho feito com muitos dos jogadores do Rubro-Negro sempre foi repassado integralmente aos responsáveis do clube.

Em entrevista ao canal Fox Sports, na qual relatou o trabalho com alguns dos astros, Winick despertou a ira de Oliveira, que desabafou por meio de sua conta no Instagram. Betinho afirmou que nunca houve o repasse dos dados deste trabalho à parte realizado na casa dos atletas, algo que o Flamengo alega ter sido combinado.

Ao UOL Esporte, Winicki procurou esfriar o clima, se colocou à disposição para esclarecimentos, mas negou que o Rubro-Negro tenha o procurado para saber sobre as atividades individualizadas:

"Não quero gerar desconforto ou mal-entendido, me coloco à disposição dos profissionais do clube que queiram ter qualquer feedback ou relatório, sigo fazendo o que o clube programou para os atletas, só acompanho e oriento. O clube nunca me procurou, me coloco à disposição."

A queixa entre os integrantes da preparação física do Fla é que os contatos feitos nunca renderam frutos, o que teria provocado esse desgaste no relacionamento. Há relatos que este protocolo a ser seguido foram estabelecidos em uma reunião (que teve a presença do médico Márcio Tannure, dos preparadores Mário Monteiro e Betinho, de Winicki e do meia Diego), mas que o combinado não teria sido executado, de acordo com os rubro-negros. Alex Evangelista, que faz o mesmo trabalho com Gabigol, mantém contatos semanais com o departamento.

"Lembrando que não sou contra personal, fisioterapeuta, massagista ou tudo em um só, como está sendo feito atualmente. O que sou contra é a falta de comunicação [suposta mentira ao dizer que tem integração com os profissionais do clube]. Não há como trabalhar da forma que esta sendo feito, sem que os profissionais que trabalham no clube saibam o que o atleta faz fora e vice-versa. Sem mimimi, por favor!", escreveu Betinho

Winicki atende nomes como Berrío, Gustavo Henrique, Diego, Bruno Henrique, Rodrigo Caio, Everton Ribeiro, Vitinho, Filipe Luis e até jovens da base. Ele tem trânsito livre entre os jogadores e festejou o título da Copa Libertadores, em 2019, dentro do campo. Em suas redes sociais, muitos destes treinos foram postados.

Esse desencontro causou irritação nos rubro-negros, que entendem que isso esvazia o trabalho de quem lida no cotidiano do Ninho do Urubu. Ao longo dos últimos anos, o investimento em ciência e tecnologia no centro de treinamento é uma das meninas dos olhos da direção, que procura aparelhar o espaço com o que há de mais moderno no mundo.

"Meu objetivo é ajudar, e não atrapalhar. Meu trabalho é um complemento. Qualquer orientação do clube para o atleta é seguida à risca. Quero apenas relatar que meu trabalho é um complemento", garantiu o personal trainer.

Procurada, a assessoria de imprensa do clube informou que não se manifestaria sobre o caso.

Flamengo