PUBLICIDADE
Topo

Atlético-MG

Atlético-MG poupará R$ 1,2 milhão por ano com grama sintética na nova Arena

Projeção de como ficará a Arena MRV, estádio do Atlético-MG - Divulgação/Atlético-MG
Projeção de como ficará a Arena MRV, estádio do Atlético-MG Imagem: Divulgação/Atlético-MG

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

23/04/2020 04h00

Resumo da notícia

  • O Atlético-MG não decidiu o material que será utilizado no campo da Arena MRV. Segundo Sérgio Sette Câmara, o clube pode adotar a grama sintética
  • O UOL procurou Alessandro Oliveira, proprietário da Soccer Grass, empresa que instalou a grama artificial no Allianz Parque, para explicar vantagens
  • Embora seja mais cara a instalação da grama artificial, o especialista prevê uma economia de R$ 1,2 milhão por ano em relação à manutenção
  • "Em 12 meses, vamos gastar R$ 1,440 milhão com campo de grana natural. Para arredondar, R$ 1,5 milhão de manutenção", disse
  • "Na manutenção do sintético, hoje, dá em média R$ 25 mil por mês para uma arena com shows. É uma economia de R$ 1,2 milhão por ano só de manutenção"

O Atlético-MG ainda não decidiu o material que será utilizado no campo da futura Arena MRV. De acordo com o presidente Sérgio Sette Câmara, o clube cogita adotar a grama sintética no estádio que começou a ser construído na última segunda-feira (20). Diante da situação, o UOL Esporte procurou Alessandro Oliveira, sócio-proprietário da Soccer Grass, empresa responsável por instalar a grama artificial no Allianz Parque, estádio do Palmeiras, para explicar as diferenças e vantagens do material.

Um dos motivos para a ideia do clube é a questão financeira, o que é corroborado por Alessandro Oliveira. Embora seja mais cara a instalação da grama artificial, o especialista prevê uma economia de R$ 1,2 milhão por ano em relação à manutenção.

"Eu vou te dar a referência do Allianz, que é uma arena padrão Fifa. As arquibancadas são cobertas. Em função disso, o sol não bate 100% no campo. Para isso, eles têm que usar aquelas lâmpadas para fazer fotossíntese. Só de energia para manter uma média por ano, você gasta de R$ 40 mil a R$ 50 mil. Você tem toda a parte de manutenção, de manejo, de funcionário, de giro de grama. Então, para você manter uma grama de um estádio padrão Fifa, com uma boa manutenção, você vai gastar em média R$ 120 mil por mês", afirmou à reportagem do UOL Esporte.

"No caso do Allianz Parque, eles trocavam de três a quatro vezes por ano a grama. Quando você tem muito show, a grama morre, porque ela fica coberta. Então, você tem que trocar tudo. Quando você coloca isso na ponta do lápis, e fala que só de manutenção tem que gastar R$ 120 mil por mês. Em 12 meses, vamos gastar R$ 1,440 milhão. Para arredondar, R$ 1,5 milhão de manutenção", acrescentou o empresário.

Alessandro Oliveira explica ainda quais os gastos para a manutenção do gramado sintético: "Na manutenção do sintético, hoje, dá em média R$ 25 mil por mês para uma arena que tem shows. Se não tiver shows, o valor ainda cai. Então, você pega R$ 25 mil vezes 12. Estamos falando de uma economia de R$ 1,2 milhão por ano só de manutenção. Quando você tem a grama sintética, você tem a possibilidade de fazer mais eventos e mais jogos. Aí você também aumenta a sua receita".

Allianz Parque recebeu um novo gramado sintético no início de 2020 - Divulgação/SE Palmeiras - Divulgação/SE Palmeiras
Allianz Parque recebeu um novo gramado sintético no início de 2020
Imagem: Divulgação/SE Palmeiras

O proprietário da Soccer Grass relata o valor médio gasto para a instalação dos dois tipos de gramado - artificial e natural. Em média, o valor para instalação da grama natural é de R$ 4 milhões, enquanto o campo artificial custa cerca de R$ 7 milhões.

"Se você pegar hoje para fazer um campo, como manda o figurino, com grama natural, com bom sistema de irrigação, começando do zero, você vai gastar uns R$ 3,5 milhões, R$ 4 milhões. Se for colocar esse sistema de grama, vai gastar mais ou menos R$ 7 milhões. É uma diferença de R$ 3 milhões. Esses R$ 3 milhões, em três anos, só de manutenção já paga. Aí você imagina o que pode agregar mais com shows. Então, ela se paga muito rápido. E a durabilidade é de no mínimo dez anos. É uma outra vantagem. A gente acha que, na Arena Allianz Parque, vai durar até mais que isso. Com certeza, passa de dez anos, porque não tem muito jogo. Você joga, no máximo, uma, duas vezes por semana", comentou.

Gramado sintético não sofre com shows

Uma prática comum nas novas arenas é a utilização para apresentações musicais. O gramado sintético propicia a utilização do espaço sem danos para os jogos posteriores aos eventos.

"Normalmente, esse tipo de arena tem duas vertentes. A questão de fazer a conta se pagar em uma arena dessa, como é o Allianz. Você tendo uma grama artificial, você vai poder fazer o maior número de shows e eventos. Em poucas horas, quando você desmonta tudo, você já pode ter uma partida de futebol. Qual a vantagem do futebol ter uma grama artificial? A vantagem é que, desde o primeiro minuto que você começa uma partida de futebol com aquele padrão até os 49 minutos do segundo tempo, você terá aquele mesmo padrão", explicou Alessandro.

"A Fifa tem feito um trabalho muito forte para que as arenas migrem para a grama sintética. Você pega hoje, por exemplo, você vê a qualidade dos estádios com grama natural e vê que é terrível. Isso aumenta lesão, chove e vira uma lama. A vantagem de ter uma grama sintética é ter o mesmo padrão desde o início até o final do segundo tempo. São duas vantagens: você tem uma arena multiuso, que pode fazer shows, eventos e festas. Por outro lado, você terá um padrão, que é testado pela Fifa, e tem referência de qualidade por todo o período. As vantagens são essas", concluiu.

Veja outros trechos da entrevista de Alessandro Oliveira ao UOL Esporte:

Diferença entre Allianz Parque e Arena da Baixada

Existe diferença entre os gramados. A solução do Athletico-PR, você faz com R$ 3,5 milhões, R$ 4 milhões. No Allianz Parque, é quase o dobro. Mas é o tipo de gramado que você usa. No Allianz Parque, nós temos um sistema de absorção de impacto chamado shockpad. Aí, depois vem uma grama com fios com memória. Esses fios têm memória para quê? Se você fizer um show e cobrir a grama, quando você tira todo o aparato, ela já volta para a posição original. São fios mais caros. E eu uso termoplástico, diferente do que é usado na Arena da Baixada. Lá, eles usam uma fibra de coco. Eles podem usar lá porque a arena é coberta, como um ginásio. Em dias de chuva, essa fibra molha muito.

Não sei se você já viu, mas às vezes parece lama quando os caras jogam lá e gruda no uniforme. Eles precisam molhar essa fibra para ter absorção de impacto. Se estiver aberto em uma chuva torrencial, fica complicado de jogar. No espaço aberto é mais complicado. No Allianz, a gente usa o termoplástico. No estádio do São José, lá em Porto Alegre, eles usam uma borracha preta, similar à de society. Funciona? Funciona, mas se você for jogar durante o dia, você não aguenta, porque a temperatura fica muito alta. A borracha chega a 75°C, e o termoplástico chega a 53°C mais ou menos, que também não é baixa.

Você jogou água e usou o sistema de resfriamento, ele já baixa a temperatura para 30°C, que é a temperatura da grama natural, e mantém essa temperatura por quase uma hora. É o suficiente para você jogar um tempo de jogo. Um jogo às 11h, você molha antes. Quando der o intervalo, você molha por mais dez minutos e joga com uma temperatura agradável. Essa é a vantagem do termoplástico. Porém, é muito caro.

Valores de gramados sintéticos

Você consegue fazer campo homologado pela Fifa com R$ 2,5 milhões, R$ 3 milhões. Precisa ver qual é a real necessidade. Se eu precisar homologar o campo todo ano pela Fifa, você tem que fazer um campo com o padrão do Allianz Parque.

Trabalho da Fifa com gramados sintéticos

A Fifa trabalha nesse mercado, em cima disso, há 20 anos já. Então, ela está chegando à excelência mesmo de qualidade e aproximação com a grama natural. O que eles fazem? Pegam os melhores campos de grama natural do mundo e fazem os testes lá, quique de bola, rolagem de bola, tração e rotação da chuteira do jogador, planicidade do campo, drenagem...

Todos os testes feitos na grama natural são feitos na grama sintética. Para você ter ideia, a gente teve que correr com a certificação do Allianz, porque a Conmebol só autoriza partida com grama sintética se tiver o certificado da Fifa. O campo tem que ser testado, com certificado da Fifa. A gente conseguiu a toque de caixa correr para o Palmeiras jogar contra o Guarani-PAR. Quase o mando de campo vai para o Pacaembu, porque o certificado não tinha sido emitido ainda. Nós conseguimos e fizemos. Dá um ano, e esse certificado vence. Por que vence? Eles querem saber se a manutenção do campo é feita corretamente. Por isso, eu te falei que, desde o primeiro minuto até o final do segundo tempo, a qualidade da grama não muda. A todo ano, a Fifa vai testá-lo. Se tiver qualquer variável, ela reprova o campo e tem que correr para mudar.

Diferença entre quadras e gramado profissional

A mudança é muito grande em relação ao que é usado no society. Se você comparar preço, é de um para dez. Depois, pela tecnologia embarcada no gramado do Allianz, pelo combo de fibras, que é muito fibrilado. Vai chegar muito mais similar ao natural. Se você olhar o tufo da grama como é, verá que a bola mantém a direção sempre correta. A diferença entre um gramado de society e o gramado do padrão do Allianz Parque, é a tecnologia embarcada, o sistema de absorção de impacto, você tem shockpad, um combo de fibras com memória.

No society, ela vai amassando e vira um tapetão. Por isso, a bola fica muito rápida. Não tem atrito quase nenhum. Sempre vai ter resistência no rolar da bola. Ela vai rolar igual à grama natural. Um dos testes que eles fazem é acumular a rolagem da bola para ver se ela está rolando mais ou menos. Se você não tiver esse padrão de grama, você não passa nos testes deles. Se você molhar, ela ficará mais rápida.

Atlético-MG